Maratona de programação para a pecuária de leite, chamada de “Vacathon”, será realizada entre os dias 28/10 e 01/11, em Juiz de Fora — MG

Rubens Nei­va (com cola­bo­ra­ção de Juli­any Atí­lio)

 

Com a Cara­va­na 4.0, even­to que inte­gra o Ide­as for milk, teve iní­cio o esfor­ço de pes­qui­sa­do­res e ana­lis­tas da Embra­pa Gado de Lei­te na mobi­li­za­ção de pro­fes­so­res e estu­dan­tes para o Vacathon, que acon­te­ce de 28 de outu­bro a pri­mei­ro de novem­bro. Tro­ca­di­lho com as pala­vras “vaca” e “hac­kathon” (mara­to­na de pro­gra­ma­ção), o Vacathon reu­ni­rá cer­ca de 100 estu­dan­tes e pro­fes­so­res de ins­ti­tui­ções de ensi­no visi­ta­das pela Cara­va­na 4.0 — Eles fica­rão acam­pa­dos na sede da Embra­pa Gado de Lei­te, em Juiz de Fora – MG e, nos qua­tro dias do even­to rece­be­rão men­to­ria de espe­ci­a­lis­tas reno­ma­dos em vári­os aspec­tos da ati­vi­da­de lei­tei­ra, além de visi­tar o Cam­po Expe­ri­men­tal da ins­ti­tui­ção e a fábri­ca do Ins­ti­tu­to de Lati­cí­ni­os Cân­di­do Tostes/Epamig.

Par­ti­ci­par do Vacathon é pon­ta pé ini­ci­al para jovens que bus­cam cres­cer no mer­ca­do da tec­no­lo­gia. “Os estu­dan­tes têm a rara opor­tu­ni­da­de de conhe­cer mais sobre como fun­ci­o­na a cadeia pro­du­ti­va do lei­te por meio do con­ta­to com pro­fis­si­o­nais que serão fon­tes de conhe­ci­men­to no desen­vol­vi­men­to de solu­ções digi­tais para o setor”, diz o che­fe-geral da Embra­pa Gado de Lei­te, Pau­lo do Car­mo Mar­tins. Vári­os par­ti­ci­pan­tes che­gam à mara­to­na sem nun­ca ter tido con­ta­to com uma fazen­da e saem aptos a empre­en­der no Agte­ch, dan­do con­ti­nui­da­de aos pro­je­tos ini­ci­a­dos no Vacathon. A isso, Mar­tins cha­ma de cri­ar um ecos­sis­te­ma favo­rá­vel ao sur­gi­men­to de star­tups para o agro­ne­gó­cio do lei­te.

Um exem­plo é a estu­dan­te de Ciên­cia da Com­pu­ta­ção do IF Sudes­te cam­pus Rio Pom­ba, Mar­cel­la Mene­zes, que for­mou a star­tup AISAD. Ela par­ti­ci­pou do Vacathon em 2018 e con­ta que conhe­cer todas as eta­pas da ati­vi­da­de lei­tei­ra a aju­dou a encon­trar um impor­tan­te pro­ble­ma no setor. “Quan­do expli­ca­ram como os fazen­dei­ros cui­da­vam das bezer­ras, as ano­ta­ções que eram fei­tas em papel e a demo­ra para toma­da de deci­sões, vimos a neces­si­da­de de cri­ar um apli­ca­ti­vo para aju­dar na orga­ni­za­ção da roti­na”, con­ta. Foi então que ela, jun­to com sua equi­pe, suge­riu a cri­a­ção de um apli­ca­ti­vo que avi­sas­se as tare­fas do dia rela­ci­o­na­das às bezer­ras, como ali­men­ta­ção, pesa­gem, medi­ção, medi­ca­men­tos, etc. Os pro­du­to­res pode­ri­am con­tro­lar onli­ne do que acon­te­cia e ganhar tem­po na toma­da de deci­sões.

Star­tups no agro - Segun­do o che­fe de Trans­fe­rên­cia e Tec­no­lo­gia da Embra­pa Gado de Lei­te, Bru­no Car­va­lho, o mer­ca­do de star­tups liga­das ao agro­ne­gó­cio é cada vez mais atra­ti­vo, gra­ças à melho­ria da inter­net no cam­po. A inter­net rural evo­luiu para o 4G e a cone­xão via saté­li­te a pre­ços aces­sí­veis. “Os empre­en­de­do­res come­ça­ram a se inte­res­sar por uma área que gera mui­ta rique­za e a con­cor­rên­cia ain­da é peque­na, com pou­cas star­tups no cam­po”, afir­ma Car­va­lho. Mas o setor rural ain­da é uma novi­da­de para os desen­vol­ve­do­res de tec­no­lo­gi­as digi­tais. Mais do que no meio urba­no, para se esta­be­le­cer no mer­ca­do, um pro­je­to pre­ci­sa pas­sar por incu­ba­do­ras e ace­le­ra­do­ras de empre­sas. “Os meni­nos têm óti­mas idei­as, que­rem ino­var, mas não sabem empre­en­der. Então pas­sam por ace­le­ra­do­ras para trans­for­mar a ideia em negó­cio”, expli­ca.

Esse foi o caso da Volu­te­ch, star­tup que cri­ou um dis­po­si­ti­vo capaz de medir a tem­pe­ra­tu­ra e o volu­me do lei­te nos tan­ques de res­fri­a­men­to. Sávio da Cruz, estu­dan­te de Medi­ci­na Vete­ri­ná­ria da Uni­ver­si­da­de Fede­ral de Viço­sa, um dos mem­bros da Volu­te­ch, con­ta que após a par­ti­ci­pa­ção no Vacathon, a equi­pe vol­tou para a Uni­ver­si­da­de e con­ti­nu­ou tra­ba­lhan­do no pro­je­to.  Atu­al­men­te a star­tup está pré-incu­ba­da na Centev/UFV. “Já esta­mos com cara de empre­sa, temos pro­du­to esta­be­le­ci­do, pro­ces­so de paten­te fina­li­za­do e fecha­mos nos­sa pri­mei­ra par­ce­ria com a Lati­cí­ni­os Viço­sa”, come­mo­ra.

 

IDE­AS FOR MILK

O Vacathon é um dos even­tos que inte­gra o Ide­as for Milk, uma ação da Embra­pa Gado de Lei­te, cri­a­da em 2016 que entra este ano em sua quar­ta edi­ção. Segun­do o che­fe-geral da Ins­ti­tui­ção, Pau­lo do Car­mo Mar­tins, “o obje­ti­vo é fomen­tar o sur­gi­men­to de um ecos­sis­te­ma, reu­nin­do empre­sas, uni­ver­si­da­des, pes­qui­sa agro­pe­cuá­ria e o setor pro­du­ti­vo, capaz não ape­nas de apre­sen­tar solu­ções, mas de empre­en­der, trans­for­man­do as solu­ções em novas star­tups para a cadeia pro­du­ti­va do lei­te”. Além do Vacathon, o Ide­as for Milk con­ta com o desa­fio de Star­tups e a Cara­va­na 4.0.

Ganha­do­res do Ide­as for Milk, edi­ção 2018

A Cara­va­na 4.0 teve iní­cio no mês pas­sa­do e as ins­cri­ções para o Desa­fio de Star­tups já estão aber­tas. Os inte­res­sa­dos em par­ti­ci­par do Desa­fio podem se ins­cre­ver, gra­tui­ta­men­te, no site do even­to (http://www.ideasformilk.com.br/desafio). A edi­ção des­te ano traz novi­da­des, abrin­do novas opor­tu­ni­da­des para os empre­en­de­do­res. Além dos tra­ba­lhos vol­ta­dos para a ino­va­ção digi­tal, serão acei­tos pro­je­tos ino­va­do­res em desig­ner indus­tri­al, emba­la­gem e em pro­ces­sos e pro­du­tos lác­te­os. Os pro­je­tos ins­cri­tos serão ava­li­a­dos e sele­ci­o­na­dos naci­o­nal­men­te. Os ven­ce­do­res que par­ti­ci­pa­rão da final serão conhe­ci­dos no dia oito de novem­bro. A gran­de final ocor­re­rá em São Pau­lo, no Cubo, espa­ço de empre­en­de­do­ris­mo do Ban­co Itaú, no dia 22 de novem­bro.

Rolar para cima