Touros “presidentes", da Genex Brasil, se destacam no mercado de IA brasileiro - Balde Branco

Gru­po de 5 tou­ros da raça Holan­dês ape­li­da­dos com nomes de ex-pre­si­den­tes dos Esta­dos Uni­dos já alcan­ça­ram 10% das ven­das de sêmen para inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al da empre­sa deten­to­ra dos ani­mais, no acu­mu­la­do do ano

Touros “presidentes”, da Genex Brasil, se destacam no mercado de inseminação artificial 

A peli­da­dos de “pre­si­den­tes”, gru­po de 5 tou­ros da raça Holan­dês têm se des­ta­ca­do no mer­ca­do naci­o­nal de inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al para a melho­ria gené­ti­ca de reba­nhos pro­du­to­res de lei­te. Os ani­mais per­ten­cem à GENEX Bra­sil e estão dedi­ca­dos exclu­si­va­men­te ao mer­ca­do bra­si­lei­ro, com o obje­ti­vo de tra­zer o melhor da gené­ti­ca ame­ri­ca­na para o ter­ri­tó­rio nacional.

“A inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al repre­sen­ta um dife­ren­ci­al de com­pe­ti­ti­vi­da­de e de pro­du­ti­vi­da­de para os pecu­a­ris­tas bra­si­lei­ros, cada vez mais inte­res­sa­dos em pro­du­zir bons ani­mais, para abas­te­cer os mer­ca­dos do Bra­sil de pro­du­tos de alta qua­li­da­de”, afir­ma Ser­gio Saud, Dire­tor Exe­cu­ti­vo da GENEX Bra­sil. Segun­do ele, em ape­nas três meses de pro­du­ção de sêmen, os novos tou­ros já repre­sen­tam 10% das ven­das do acu­mu­la­do do ano da uni­da­de de lei­te da empresa.

Roo­se­velt, Lin­coln, Oba­ma, Car­ter e Clin­ton pos­su­em carac­te­rís­ti­cas que aten­dem às deman­das do pro­du­tor de lei­te bra­si­lei­ro. Os ani­mais, que car­re­gam nomes de anti­gos pre­si­den­tes dos Esta­dos Uni­dos, têm alto poten­ci­al gené­ti­co para a melho­ria do reba­nho lei­tei­ro, aumen­tan­do a pro­du­ti­vi­da­de e a vida útil, redu­zin­do os cus­tos e pro­mo­ven­do a sustentabilidade.

Para o geren­te de Negó­ci­os Lei­te da GENEX, Saul Hatem Hono­ra­to, os tou­ros são “ani­mais jovens melho­ra­do­res” com a capa­ci­da­de de difun­dir uma boa gené­ti­ca por meio da inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al. Segun­do ele, os tou­ros dis­põem de diver­sas carac­te­rís­ti­cas que somam no aper­fei­ço­a­men­to gené­ti­co. Saú­de aci­ma da média, melhor efi­ci­ên­cia ali­men­tar (comem menos e pro­du­zem mais), lon­ge­vi­da­de e taxa de pre­nhez das filhas posi­ti­va são exem­plos de van­ta­gens e carac­te­rís­ti­cas que os “pre­si­den­tes” impri­mem nos reba­nhos. “A taxa de pre­nhez é a por­cen­ta­gem de vacas que ficam pre­nhas duran­te cada perío­do de 21 dias após o tem­po de espe­ra volun­tá­ria e é deri­va­da dos regis­tros de perío­do de ser­vi­ço ou do inter­va­lo do par­to à con­cep­ção do filho”, expli­ca Saul.

A qua­li­da­de dos tou­ros é reco­nhe­ci­da, inclu­si­ve, pela Coo­pe­ra­ti­va San­ta Cla­ra do Rio Gran­de do Sul e pelas Coo­pe­ra­ti­vas da Região do ABCW no Para­ná. Ambas incluí­ram os ani­mais em seus pro­gra­mas de melho­ra­men­to gené­ti­co do reba­nho de seus coo­pe­ra­dos. Para Ser­gio Saud, o reco­nhe­ci­men­to aos resul­ta­dos con­sis­ten­tes da GENEX é fru­to de pla­ne­ja­men­to e foco em ampli­ar a efi­ci­ên­cia do reba­nho. “A GENEX inves­te sem­pre na pro­du­ção de ani­mais equi­li­bra­dos, que com­bi­nam ava­li­a­ção gené­ti­ca, pedi­gree e fenó­ti­po. É o que cha­ma­mos de ‘Cow Sen­se & Sci­en­ce’, nos­sa filo­so­fia de sele­ção que pre­co­ni­za que o ‘todo é melhor que as par­tes’, assim entre­ga­mos ao mer­ca­do ani­mais que geram mais valor ao pro­du­tor”, afirma.


Outro dife­ren­ci­al dos tou­ros “pre­si­den­tes” é que são ani­mais A2/A2, ou seja, dis­põem de uma gené­ti­ca que aumen­ta a pro­ba­bi­li­da­de das suas filhas for­ne­ce­rem lei­te com­pos­to por caseí­na A2, con­si­de­ra­da de mais fácil diges­tão. Esta é a caseí­na mais comum em cabras e búfalas.

A bus­ca por ani­mais supe­ri­o­res gene­ti­ca­men­te mos­tra a pre­o­cu­pa­ção da GENEX em ofe­re­cer valor agre­ga­do aos pro­du­tos que dis­po­ni­bi­li­za no mer­ca­do. A empre­sa inves­te em pes­qui­sa e tec­no­lo­gia, entre­gan­do ao pro­du­tor por meio da gené­ti­ca, mais efi­ci­ên­cia na pro­du­ção lei­tei­ra, mais lon­ge­vi­da­de, além de ten­dên­ci­as de con­su­mo (caseí­na A2)”, afir­ma o Dire­tor Exe­cu­ti­vo da GENEX Brasil.

Desem­pe­nho — A GENEX regis­trou um cres­ci­men­to de 17,2%, enquan­to o mer­ca­do teve um aumen­to de 5,9%, segun­do dados da ASBIA.

Carac­te­rís­ti­cas dos animais:

- Saú­de aci­ma da média — trans­mi­ti­rão às suas filhas uma capa­ci­da­de de saú­de aci­ma da média.
- Melhor efi­ci­ên­cia ali­men­tar – Feed Saved (melhor con­ver­são ali­men­tar. Suas filhas comem menos e pro­du­zem mais) – essa carac­te­rís­ti­ca mos­tra a pre­o­cu­pa­ção da GENEX com o bem-estar ani­mal (exi­gên­cia de órgãos inter­na­ci­o­nais) e res­pon­sa­bi­li­da­de ambi­en­tal (ESG);
- Filhos de tou­ros melho­ra­do­res (Filhos de tou­ros reno­ma­dos do port­fó­lio da GENEX);
- DPR Posi­ti­va: é a taxa de pre­nhez das filhas (DPR, do Inglês Daugther Preg­nancy Rate) — A DPR é a por­cen­ta­gem de vacas que se tor­nam pre­nhas duran­te cada perío­do de 21 dias após o perío­do de espe­ra volun­tá­ria e é deri­va­da dos regis­tros de perío­do de ser­vi­ço ou do inter­va­lo do par­to à con­cep­ção.
- Ele­va­da PTA Milk (Pre­dic­ted Tras­mit­ting Abi­lity, ou em sua tra­du­ção: Habi­li­da­de Pre­vis­ta de Trans­mis­são) de pro­du­ção de lei­te – A Habi­li­da­de Pre­vis­ta de Trans­mis­são é a capa­ci­da­de gené­ti­ca que o repro­du­tor pos­sui de trans­mi­tir deter­mi­na­da carac­te­rís­ti­ca aos seus descendentes.

Fon­te: Genex Brasil