Tem game no leite - Balde Branco

Com uma didá­ti­ca prá­ti­ca, o game Agro­e­duc é 100% ensi­no a dis­tân­cia. Tem a pecuá­ria de lei­te como tema e uti­li­za recur­sos da inter­net, como vídeo-aulas, pod­casts, um e‑book e exer­cí­ci­os interativos

Por Glau­co Menegheti

Na estei­ra do cres­ci­men­to do ensi­no a dis­tân­cia no País e levan­do em con­ta o ape­lo da “gami­fi­ca­ção”, per­ce­bi­do da cida­de ao cam­po, o Ins­ti­tu­to Uni­ver­sal de Mar­ke­ting em Agri­bu­si­ness (I‑UMA), com sede em Por­to Ale­gre-RS, desen­vol­veu um cur­so de ges­tão para pro­pri­e­da­des lei­tei­ras que têm como des­do­bra­men­to prá­ti­co um game – o Agri­bu­si­ness Game. Tra­ta-se do Agro­e­duc, que terá lan­ça­men­to naci­o­nal em dezem­bro, em Bra­sí­lia, e tem como públi­co-alvo jovens pro­du­to­res de leite.

O ins­ti­tu­to inves­tiu R$ 5 milhões no pro­je­to e demo­rou três anos para dis­po­ni­bi­li­zar o pro­du­to final, que resul­tou do tra­ba­lho de uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar. “O uso do Agri­bu­si­ness Game no cur­so traz uma apren­di­za­gem viven­ci­al úni­ca. Que­ría­mos uma didá­ti­ca prá­ti­ca que trou­xes­se uma alta reten­ção do con­teú­do e pro­vo­cas­se o desa­fio da supe­ra­ção e tam­bém da cons­tru­ção da con­fi­an­ça no poten­ci­al das pes­so­as e, prin­ci­pal­men­te, no jovem”, des­ta­ca o pre­si­den­te do I‑UMA, José Amé­ri­co da Silva.

O Agro­e­duc, que é 100% ensi­no a dis­tân­cia, foi cri­a­do a par­tir de três obje­ti­vos: con­tri­buir para man­ter os jovens no cam­po, qua­li­fi­car esse públi­co e aju­dar no aumen­to da ren­da fami­li­ar de peque­nos pro­du­to­res – res­pon­sá­veis por 70% da pro­du­ção de ali­men­tos no Bra­sil. A esco­lha pelo lei­te tem um moti­vo, segun­do o pre­si­den­te do I‑UMA: é o seg­men­to mais com­ple­xo e pro­mis­sor do País. “A pro­du­ção naci­o­nal é de mais de 36 bilhões de litros/ ano e o Bra­sil está enga­ti­nhan­do na expor­ta­ção de lei­te em pó. Se con­se­guir qua­li­da­de tem gran­des pos­si­bi­li­da­des de cres­ci­men­to”. Em ter­mos de pro­du­ti­vi­da­de em nível de fazen­da há um uni­ver­so a ser explo­ra­do, segun­do ele.

Na ava­li­a­ção da dire­to­ra do I‑UMA, Jhus­sa­ra Cos­ta da Rosa, os jovens do cam­po care­cem de expe­ri­ên­ci­as de apren­di­za­do mais lúdi­cas. “A pes­soa para quem esta­mos nos diri­gin­do não têm aces­so a um cur­so de ges­tão que pos­sua como exer­cí­cio prá­ti­co um game. Tam­bém uti­li­za­mos todos os recur­sos de tec­no­lo­gia da era da inter­net, tais como vídeo-aulas, pod­casts, um e‑book e exer­cí­ci­os inte­ra­ti­vos.” E, embo­ra o par­ti­ci­pan­te não con­si­ga inse­rir os seus dados pes­so­ais no jogo, pode usar as pla­ni­lhas dis­po­ni­bi­li­za­das para melho­rar a ges­tão da propriedade.

Fun­ci­o­na­men­to na prática
Após rea­li­zar um cur­so teó­ri­co que tem o pra­zo de 30 dias para ser fina­li­za­do, o usuá­rio ini­cia o game em con­jun­to com um gru­po de par­ti­ci­pan­tes. Eles dis­pu­tam entre si roda­da à roda­da. A par­tir daí, no pra­zo de um mês, ele é esti­mu­la­do a tomar deci­sões no Agri­bu­si­ness Game, ana­li­san­do indi­ca­do­res, ten­dên­ci­as do mer­ca­do do lei­te, simu­lan­do ques­tões como pre­ço, comer­ci­a­li­za­ção, finan­ças, com­pra de insu­mos, recur­sos huma­nos, mane­jo do reba­nho e com­pra de máqui­nas e equipamentos.

Jhus­sa­ra expli­ca que pre­ci­sam ser cum­pri­das oito roda­das de deci­sões. Cada roda­da repre­sen­ta um tri­mes­tre de ati­vi­da­des e, ao todo, são dois anos de ges­tão da pro­pri­e­da­de rural – tudo em um mês. Todos ini­ci­am em igual­da­de de con­di­ções, igual­men­te dimen­si­o­na­das em tama­nho da pro­pri­e­da­de, maqui­ná­rio, insu­mos e mão de obra, e em uma mes­ma região. A cada roda­da do game, infor­ma­ções e desa­fi­os serão lan­ça­dos por meio de fon­tes de infor­ma­ções que defi­ni­rão estra­té­gi­as do negó­cio, a come­çar pelo Manu­al do Pro­du­tor, que ori­en­ta o alu­no a conhe­cer e a jogar o Agri­bu­si­ness Game e des­cre­ve todas as regras do jogo.

Além dis­so, o gamer deve ler o Jor­nal do Agro­ne­gó­cio, que apre­sen­ta os prin­ci­pais indi­ca­do­res do mer­ca­do exter­no, os Rela­tó­ri­os de Pro­pri­e­da­de (apre­sen­tam o desem­pe­nho da pro­pri­e­da­de, seus recur­sos para a pro­du­ção, e o sta­tus econô­mi­co finan­cei­ro) e os Rela­tó­ri­os de Mer­ca­do (apre­sen­tam infor­ma­ções gerais do mer­ca­do, sua par­ti­ci­pa­ção e o resul­ta­do das demais pro­pri­e­da­des envol­vi­das). A melhor lei­tu­ra des­sas fon­tes é que influ­en­ci­a­rá dire­ta­men­te no resul­ta­do de cada joga­dor, pro­cu­ran­do ade­quar a capa­ci­da­de de pro­du­ção ao volu­me e qua­li­da­de do lei­te produzido.

Mas os joga­do­res não per­cor­rem esse pro­ces­so sozi­nhos. O alu­no é moni­to­ra­do e assis­ti­do em todas as suas ações pelo pro­fes­sor tutor e a equi­pe pedagógica/ téc­ni­ca do I‑UMA por meio de rela­tó­ri­os de ações do usuá­rio emi­ti­dos pela Pla­ta­for­ma Black­bo­ard, que per­mi­te ava­li­ar o desem­pe­nho no cur­so, entre eles, o aces­so às ati­vi­da­des de apren­di­za­gem, tem­po dedi­ca­do, dias de aces­so e pági­nas de con­teú­do visu­a­li­za­das. As dúvi­das são res­pon­di­das via e‑mail pelo tutor em até 48 horas e rece­be feed­backs após cada roda­da, indi­can­do as melho­res prá­ti­cas e o que deve ser revis­to para a toma­da de deci­sões da pró­xi­ma rodada.

Nas duas eta­pas do cur­so o pro­fes­sor tutor é res­pon­sá­vel por dar supor­te de con­teú­do, con­tri­buir para desen­vol­ver e poten­ci­a­li­zar as capa­ci­da­des do alu­no, ori­en­tar para toma­das de deci­são, escla­re­cer dúvi­das, assim como esti­mu­lar a pros­se­guir por meio de uma comu­ni­ca­ção que auxi­lia o for­ne­ci­men­to de dados a fim de melho­rar o seu desem­pe­nho em rela­ção aos obje­ti­vos estabelecidos.

Módu­los do Agroeduc
No pri­mei­ro módu­lo, o Agro­e­duc pro­põe ao alu­no um mer­gu­lho em dis­ci­pli­nas que ampli­em o seu conhe­ci­men­to no agro­ne­gó­cio, suas opor­tu­ni­da­des e ten­dên­ci­as e as prin­ci­pais cadei­as pro­du­ti­vas que o com­põem. Os jovens são con­vi­da­dos a saber mais sobre as carac­te­rís­ti­cas da cadeia do lei­te e as van­ta­gens de agre­gar valor ao pro­du­to pro­du­zi­do e a com­pre­en­der as par­ti­cu­la­ri­da­des que envol­vem o pla­ne­ja­men­to suces­só­rio e as eta­pas da suces­são na pro­pri­e­da­de rural.

No módu­lo dois é hora de enten­der mais a fun­do a comer­ci­a­li­za­ção agrí­co­la, suas estra­té­gi­as e canais, bem como a qua­li­da­de e com­pe­ti­ti­vi­da­de dos pro­du­tos agrí­co­las, além de tra­tar sobre os bene­fí­ci­os da nego­ci­a­ção. O cur­so tam­bém abor­da a impor­tân­cia do coo­pe­ra­ti­vis­mo e asso­ci­a­ti­vis­mo na agri­cul­tu­ra fami­li­ar, os recur­sos huma­nos e como admi­nis­trá-la da melhor forma.

Já o ter­cei­ro módu­lo avan­ça com ensi­na­men­tos sobre as prin­ci­pais fer­ra­men­tas de ges­tão para que pos­sa pla­ne­jar, ava­li­ar e con­tro­lar os recur­sos finan­cei­ros da pro­pri­e­da­de rural. Nes­te módu­lo são dis­po­ni­bi­li­za­das pla­ni­lhas de acom­pa­nha­men­to que pode­rão ser uti­li­za­das pelo alu­no no dia a dia de suas ati­vi­da­des geren­ci­ais, após o encer­ra­men­to des­te cur­so de for­ma­ção. O par­ti­ci­pan­te é esti­mu­la­do a se apro­pri­ar de temá­ti­cas fun­da­men­tais para o cres­ci­men­to da sua pro­pri­e­da­de, como o balan­ço patri­mo­ni­al e admi­nis­tra­ção de flu­xo de caixa.

Rolar para cima