Tecnologia e conforto definem projeto integrado - Balde Branco

Pro­je­to fami­li­ar inte­gra­do alia raça Jer­sey, orde­nha robo­ti­za­da, com­post barn, cui­da­dos com o bem-estar ani­mal e res­pei­to ambiental

De um lado, Nico Biers­te­ker, cujo gos­to pela pro­du­ção de lei­te cer­ta­men­te foi trans­mi­ti­do pelo pai, ‘seu’ Ricar­do, pecu­a­ris­ta tra­di­ci­o­nal da região de Caram­beí-PR, do qual tam­bém her­dou a habi­li­da­de como agri­men­sor, pro­fis­são que o levou à enge­nha­ria, com a qual tra­ba­lhou por alguns anos.

De outro, Ellen Salo­mons, for­ma­da em admi­nis­tra­ção de empre­sas e psi­co­lo­gia, que tam­bém trou­xe do pai, ‘seu’ Albert – agri­cul­tor, sui­no­cul­tor e ex-pre­si­den­te da Coo­pe­ra­ti­va Capal – o gos­to pela ati­vi­da­de rural e a ousa­dia pelo novo. O empre­en­de­do­ris­mo sem­pre fez par­te de sua vida.

E foi ela quem insis­tiu que o casal deve­ria mon­tar um negó­cio no qual os dois pudes­sem tra­ba­lhar jun­tos, for­ta­le­cen­do os vín­cu­los fami­li­a­res. Foi assim que come­çou a nas­cer o pro­je­to lei­tei­ro Lagoa Dou­ra­da, na sex­ta lom­ba, no muni­cí­pio de Arapoti-PR.

Para for­ma­ta­ção do mode­lo con­si­de­ra­do ide­al, o casal per­cor­reu um lon­go cami­nho. Pri­mei­ro, defi­niu-se que o empre­en­di­men­to seria cons­truí­do para fun­ci­o­nar em con­sór­cio com a agri­cul­tu­ra, oti­mi­zan­do o uso da ter­ra. Albert Salo­mons, que dis­põe de todo maqui­ná­rio, ficou com a pro­du­ção de ali­men­to para o gado. Será adqui­ri­do a pre­ços de mer­ca­do, com par­te do paga­men­to em ester­co para as lavouras.

O setor agrí­co­la pro­du­zi­rá milho, aveia, tri­go, soja e fei­jão. Serão qua­tro gran­des cul­tu­ras, sem­pre em rota­ção. E com isso a qua­li­da­de da sila­gem será melhor, por­que have­rá mais nutri­en­tes no solo. Somen­te o con­cen­tra­do para o gado será adqui­ri­do da cooperativa.

O pai de Ellen, ‘seu’ Albert, repas­sou ao casal uma área de 25 ha, onde vão se con­cen­trar os bar­ra­cões de con­fi­na­men­to, orde­nha e pas­tos. O pai de Nico, ‘seu’ Ricar­do, come­çou a repas­sar par­te dos ani­mais do seu plan­tel na Chá­ca­ra Ser­ri­nha, resul­ta­do da divi­são da pro­pri­e­da­de fei­ta por ele entre os filhos.

Leia a ínte­gra des­ta repor­ta­gem na edi­ção Bal­de Bran­co 620, de junho de 2016

 

Rolar para cima