Por isso, saiba um pouco mais sobre como escolhê-los, usar bem e fazer corretamente a manutenção e a limpeza para que funcionem com eficiência por muito tempo

Antô­nio San­to­mau­ro

 

A cor­re­ta refri­ge­ra­ção é essen­ci­al para a pro­du­ção de um lei­te de qua­li­da­de; caso con­trá­rio, se ela for mal fei­ta, pode até resul­tar em um lei­te que sequer aten­de aos requi­si­tos sani­tá­ri­os obri­ga­tó­ri­os das IN 76–77. O tan­que de res­fri­a­men­to deve, por­tan­to, ser manu­se­a­do da manei­ra mais ade­qua­da e man­ti­do em suas melho­res con­di­ções.

Inde­pen­den­te­men­te de sua capa­ci­da­de, requer a nor­ma­ti­va que um tan­que de res­fri­a­men­to deve refri­ge­rar o lei­te cru até tem­pe­ra­tu­ra igual ou infe­ri­or a 4,0°C em um pra­zo máxi­mo de 3 horas. Nor­mas regem a cons­tru­ção des­te equi­pa­men­to: a prin­ci­pal delas, a IN 53, de 2002. Quem pen­sa em adqui­rir um novo tan­que deve veri­fi­car sua ade­qua­ção a essa nor­ma.

Na hora de com­prar um novo tan­que o pro­du­tor deve pen­sar tam­bém em suas pers­pec­ti­vas de expan­são, reco­men­da Adri­a­no Auler, dire­tor admi­nis­tra­ti­vo, comer­ci­al e de mar­ke­ting da Rea­frio: “O ide­al é uma capa­ci­da­de de arma­ze­na­men­to pelo menos 30% supe­ri­or à pro­du­ção”, ele diz.

A nor­ma, quan­do se refe­re ao mate­ri­al do tan­que, exi­ge que as par­tes que terão con­ta­to com o lei­te devem ser de aço ino­xi­dá­vel 304 ou do tipo aus­te­ní­ti­co. “E é pre­ci­so ficar aten­to à qua­li­da­de do aca­ba­men­to: pon­tos de sol­da, por exem­plo, podem acu­mu­lar bac­té­ri­as, que pre­ju­di­ca­rão a qua­li­da­de do lei­te”, obser­va Adri­a­no Flo­ra De Nadai, geren­te de negó­ci­os da Orde­milk.

Ele cita, como carac­te­rís­ti­ca extre­ma­men­te rele­van­te de um tan­que, a cha­ma­da ‘cur­va de frio’: “O ide­al é um equi­pa­men­to cuja cur­va faça a tem­pe­ra­tu­ra final de arma­ze­na­men­to ser atin­gi­da no exa­to ins­tan­te de con­clu­são da orde­nha”, obser­va De Nadai.

No momen­to de optar por um tan­que aber­to ou fecha­do, lem­bra Pau­lo César de Alva­ren­ga Mar­ques, res­pon­sá­vel téc­ni­co na Wei­zur do Bra­sil, o peque­no e o médio pro­du­tor nota­rão que a opção finan­cei­ra­men­te mais aces­sí­vel é a pri­mei­ra. “Tan­ques fecha­dos são mais segu­ros e efi­ci­en­tes, mas se tor­nam mais viá­veis eco­no­mi­ca­men­te em tama­nhos mai­o­res”, ele argu­men­ta. “Sen­do assim, o pro­du­tor deve veri­fi­car sua pro­du­ção atu­al e suas pers­pec­ti­vas futu­ras em médio e lon­go pra­zo, e inves­tir pen­san­do não somen­te no cus­to, mas no bene­fí­cio gera­do pela opção esco­lhi­da”, acres­cen­ta Mar­ques.

 


Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 657 (setembro/2019)

Rolar para cima