O som­bre­a­men­to, devi­da­men­te pla­ne­ja­do, pode­rá impac­tar de for­ma posi­ti­va na pro­du­ti­vi­da­de dos ani­mais, dimi­nuin­do a sen­sa­ção tér­mi­ca pro­vo­ca­da pelas altas tem­pe­ra­tu­ras

 

Sombreamento evita estresse calórico em dias quentes 

Por Cíce­ro Perei­ra de Car­va­lho Júni­or, Médi­co Vete­ri­ná­rio do Gru­po Mat­su­da na uni­da­de de Impe­ra­triz no Maranhão 

estres­se caló­ri­co é uma das cau­sas de gran­de impac­to econô­mi­co na efi­ci­ên­cia de vacas lei­tei­ras, pro­vo­can­do efei­tos nega­ti­vos na pro­du­ção de lei­te, assim como na repro­du­ção des­ses ani­mais, poden­do, ain­da, pro­vo­car dis­túr­bi­os meta­bó­li­cos e dimi­nuir a efi­ci­ên­cia do sis­te­ma de defe­sa do ani­mal, pro­por­ci­o­nan­do mai­o­res chan­ces de ocor­rên­cia de doen­ças. Esse estres­se caló­ri­co pro­vo­ca nos ani­mais uma redu­ção no con­su­mo de ali­men­tos, sen­do que essa é uma ten­ta­ti­va do ani­mal em dimi­nuir o meta­bo­lis­mo basal, bus­can­do man­ter a tem­pe­ra­tu­ra cons­tan­te. Esta redu­ção no con­su­mo de ali­men­to impac­ta de for­ma nega­ti­va na pro­du­ção de leite.

Vacas que estão em perío­do de lac­ta­ção, apre­sen­tam mai­or con­su­mo de ali­men­tos e, con­se­quen­te­men­te, apre­sen­tam mai­or difi­cul­da­de em man­ter o  equi­lí­brio tér­mi­co, prin­ci­pal­men­te quan­do em situ­a­ção de estres­se tér­mi­co, seja ela por irra­di­a­ção solar ou altas tem­pe­ra­tu­ras. O som­bre­a­men­to, devi­da­men­te pla­ne­ja­do, pode­rá impac­tar de for­ma posi­ti­va na pro­du­ti­vi­da­de dos ani­mais, dimi­nuin­do a sen­sa­ção tér­mi­ca pro­vo­ca­da pelas altas tem­pe­ra­tu­ras e dimi­nuin­do a irra­di­a­ção exces­si­va do sol, ten­do efei­to dire­to na melho­ria do con­su­mo de alimento.

Temos duas for­mas de fazer o som­bre­a­men­to, poden­do ser natu­rais e arti­fi­ci­ais. As som­bras natu­rais, pro­por­ci­o­na­das por vege­ta­ções nati­vas ou mes­mo de reflo­res­ta­men­tos, têm por obje­ti­vo impe­dir a inci­dên­cia solar e redu­zir a tem­pe­ra­tu­ra ambi­en­tal por meio da ati­vi­da­de eva­po­ra­ti­va das folhas, ame­ni­zan­do os efei­tos inde­se­já­veis do cli­ma tro­pi­cal, carac­te­ri­za­do por ser quen­te e úmi­do, pro­por­ci­o­nan­do assim o con­for­to tér­mi­co para os animais.

Sobre o som­bre­a­men­to arti­fi­ci­al, con­for­me des­ta­ca­do em algu­mas pes­qui­sas, há uma redu­ção de 30% a 50% da car­ga total de calor, sen­do que é impor­tan­te con­si­de­rar a sua loca­li­za­ção, ori­en­ta­ção con­for­me o cli­ma e tama­nho da sombra.Para uti­li­za­ção de som­bre­a­men­to arti­fi­ci­al, é indi­ca­do de 3,5m² a 4,5m² de espa­ço de som­bra por vaca lei­tei­ra, com reco­men­da­ção da ori­en­ta­ção de nor­te-sul com o obje­ti­vo de a luz solar sob a som­bra secar o chão, evi­tan­do o acú­mu­lo de água e for­ma­ção de lama, dimi­nuin­do as chan­ces de con­ta­mi­na­ção das glân­du­las mamá­ri­as dos animais.

Essa alter­na­ti­va de som­bre­a­men­to pode ser rea­li­za­da com estru­tu­ras sim­ples como som­bri­tes (míni­mo 80% de som­bra), poden­do ser fixos ou móveis, sen­do que a opção de móvel é indi­ca­do em situ­a­ções as quais se quei­ra evi­tar a for­ma­ção de malha­dou­ros, degra­da­ção do solo e pastagens.

O som­bre­a­men­to arti­fi­ci­al como alter­na­ti­va para o som­bre­a­men­to natu­ral é uma alter­na­ti­va inte­res­san­te, no entan­to, não é tão efi­ci­en­te pen­san­do em capa­ci­da­de de alte­rar a tem­pe­ra­tu­ra atmos­fé­ri­ca ou umi­da­de rela­ti­va do ar, sen­do que esses fato­res são impor­tan­tís­si­mos para que um ani­mal em situ­a­ção de estres­se caló­ri­co pos­sa rea­li­zar o pro­ces­so de ter­mor­re­gu­la­ção de for­ma mais eficiente.Diante dis­so, fica cla­ro que o som­bre­a­men­to natu­ral é a alter­na­ti­va mais indi­ca­da para vacas lei­tei­ras a pas­to com o obje­ti­vo de se evi­tar o estres­se calórico.

Rolar para cima