Sistema Agroflorestal conserva áreas de caívas e aumenta produtividade leiteira - Balde Branco

Área de caíva com sobressemeadura de azevém, terceiro pastejo, no Sítio São Francisco de Assis, propriedade da família Neves

SUSTENTABILIDADE

Sistema Agroflorestal

conserva áreas de caívas e aumenta produtividade leiteira

Pesquisadores da Epagri mostram aos produtores de leite de Santa Catarina que é possível melhorar os resultados da fazenda por meio dessa tecnologia 

Erick Henrique

De acor­do com arti­go téc­ni­co publi­ca­do em junho de 2020, pela Empre­sa de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria e Exten­são Rural de San­ta Cata­ri­na (Epa­gri), inti­tu­la­do “Melho­ria pro­du­ti­va de caí­vas com a intro­du­ção da gra­ma mis­si­o­nei­ra-gigan­te”, as caí­vas são sis­te­mas agro­flo­res­tais nos quais ocor­re o extra­ti­vis­mo da erva-mate nati­va, inte­gra­do à pro­du­ção ani­mal. Elas exis­tem há mais de 100 anos no Bra­sil, con­tri­buin­do para a con­ser­va­ção sig­ni­fi­ca­ti­va das áre­as de rema­nes­cen­tes da flo­res­ta de araucárias.

“Uma das prin­ci­pais moti­va­ções veio da deman­da das famí­li­as pro­pri­e­tá­ri­as de caí­vas. Ape­sar de elas uti­li­za­rem esse sis­te­ma há mais de um sécu­lo, esta­vam sofren­do mui­ta pres­são para subs­ti­tui­ção, uma vez que a lucra­ti­vi­da­de era mui­to bai­xa. A segun­da moti­va­ção foi, sem dúvi­da, o tama­nho da área que temos de caí­vas no Pla­nal­to Nor­te de San­ta Cata­ri­na, que ultra­pas­sa 100 mil hec­ta­res, e o poten­ci­al que isso sig­ni­fi­ca em maté­ria de ado­ção de tec­no­lo­gia”, expli­ca a enge­nhei­ra agrô­no­ma e pes­qui­sa­do­ra da Epa­gri Ana Lúcia Hanis­ch, uma das auto­ras do arti­go cita­do acima.

Ana Lúcia Hanisch (com o prêmio que conquistou com a pesquisa sobre o tema): “A proposta da Epagri é de melhoria das caívas na busca de conservar a vegetação nativa, por meio do uso dessas áreas sobretudo na pecuária leiteira familiar”

Para continuar lendo, assine nossa revista