Sindirações anuncia o balanço do setor de alimentação animal em 2021 - Balde Branco

Setor pode atin­gir 4,5% de cres­ci­men­to e uma pro­du­ção total de 85 milhões de tone­la­das e ali­men­to ani­mal. Para 2022, a deman­da deve con­ti­nu­ar cres­cen­te, devi­do as pre­vi­sões cli­má­ti­cas mais ani­ma­do­ras que con­tri­bui­rão na recom­po­si­ção dos esto­ques glo­bais e no razoá­vel alí­vio nos pre­ços dos cere­ais e oleaginosas

 
 
 

Sindirações anuncia o balanço do setor de alimentação animal em 2021 

A pro­du­ção bra­si­lei­ra de rações e sal ani­mal regis­trou em 2021 um cres­ci­men­to posi­ti­vo e de acor­do com Ari­o­val­do Zani, CEO do Sin­di­ra­ções, “a esti­ma­ti­va é de avan­ço de até 4,5% e pro­du­ção de 85 milhões de tone­la­das de ali­men­tos, em res­pos­ta ao dina­mis­mo da cadeia pro­du­ti­va de pro­teí­na ani­mal e tam­bém ao impul­so do fenô­me­no da huma­ni­za­ção dos pets”. O resul­ta­do con­fir­ma o bom desem­pe­nho do Agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro, e pra­ti­ca­men­te repe­te o desem­pe­nho de 2020, quan­do regis­trou cres­ci­men­to de 5% e pro­du­ção total de 81,5 milhões de toneladas.

 

A sui­no­cul­tu­ra, por exem­plo, deve alcan­çar recor­de de expor­ta­ções, prin­ci­pal­men­te por con­ta dos embar­ques para a Chi­na. A avi­cul­tu­ra de cor­te tam­bém alcan­çou pro­mis­sor desem­pe­nho no aten­di­men­to à deman­da exter­na, além da domés­ti­ca, enquan­to a pro­du­ção de ovos redun­dou cres­ci­men­to ape­nas mar­gi­nal, ain­da que sus­ten­ta­do pelo con­su­mi­dor que optou por essa pro­teí­na ani­mal mais ajus­ta­da ao seu orça­men­to finan­cei­ro. “Res­pec­ti­va­men­te, a con­ta­bi­li­da­de pode resul­tar incre­men­to de 6%, 4% e até 1,5% nas rações para suí­nos, fran­gos de cor­te e poe­dei­ras”, infor­mou Zani.

 

De acor­do com o Exe­cu­ti­vo do Sin­di­ra­ções: “as cadei­as pecuá­ri­as de cor­te e lei­tei­ra enfren­ta­ram os desa­fi­os do ano de manei­ra bas­tan­te dis­tin­ta, ape­sar de ambas as ati­vi­da­des serem atin­gi­das pelas pés­si­mas con­di­ções de pas­ta­gens, cus­to proi­bi­ti­vo dos grãos, da suple­men­ta­ção mine­ral e dos con­cen­tra­dos e outros insu­mos inde­xa­dos ao dólar”, diz.

 

O con­fi­na­dor vis­lum­brou a arro­ba favo­re­ci­da pelo efei­to da pari­da­de do pre­ço pago pela car­ne bovi­na expor­ta­da, con­se­guiu com­pen­sar em boa medi­da o impac­to da infla­ção do câm­bio des­va­lo­ri­za­do e assim inves­tiu na suple­men­ta­ção mine­ral e na ali­men­ta­ção indus­tri­a­li­za­da. “Por sua vez, a pro­du­ção lei­tei­ra, com dis­tri­bui­ção majo­ri­ta­ri­a­men­te inter­na e des­po­ja­da da recei­ta dola­ri­za­da, pade­ceu bas­tan­te, inclu­si­ve por cau­sa do esfri­a­men­to da deman­da por lác­te­os em geral nas pra­te­lei­ras do comér­cio vare­jis­ta”, escla­re­ceu o CEO do Sin­di­ra­ções. A pre­vi­são apon­ta para um avan­ço de 4% na ali­men­ta­ção de bovi­nos de cor­te e esta­bi­li­da­de no caso das rações para o reba­nho leiteiro.

 

Ain­da segun­do Zani, o con­ví­vio com os cães e gatos, ocor­rên­cia inten­si­fi­ca­da pelo recen­te iso­la­men­to soci­al impos­to pela pan­de­mia, com­pe­liu os res­pec­ti­vos tuto­res deman­dar mais ali­men­tos com­ple­tos e balan­ce­a­dos, cuja esti­ma­ti­va é ter incre­men­ta­do 8% ao lon­go do ano.

 

A obser­va­ção aten­ta ao desem­pe­nho da aqua­cul­tu­ra bra­si­lei­ra reve­la o suces­so alcan­ça­do por essa ati­vi­da­de que ape­sar de empre­en­der mais recen­te­men­te, apre­sen­ta robus­ta deman­da poten­ci­al por rações para pei­xes e cama­rões, ali­men­tos indus­tri­a­li­za­dos que, na últi­ma déca­da, cres­ce­ram à taxa de apro­xi­ma­da­men­te dois dígi­tos a cada ano, e que pro­va­vel­men­te soma­rão mais 7% em 2021. 

 

Zani arre­ma­tou: “As pro­je­ções mais oti­mis­tas per­mi­tem asse­ve­rar que em 2022, as ame­ni­da­des cli­má­ti­cas con­tri­bui­rão na recom­po­si­ção dos esto­ques glo­bais e no razoá­vel alí­vio nos pre­ços dos cere­ais e ole­a­gi­no­sas, ain­da que, no Bra­sil os valo­res, pres­si­o­na­dos pelo câm­bio, con­ti­nu­a­rão posi­ci­o­na­dos em pata­mar supe­ri­or ao his­to­ri­ca­men­te pra­ti­ca­do. A expec­ta­ti­va é de cená­rio bas­tan­te dis­tin­to daque­le que sofreu as adver­si­da­des que aba­te­ram as pas­ta­gens e a pro­du­ti­vi­da­de do milho da segun­da safra pas­sa­da e a pre­o­cu­pa­ção com hipo­té­ti­ca pri­va­ção para abas­te­ci­men­to e cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos com a expor­ta­ção, mui­to embo­ra setor deve man­ter cons­tan­te vigi­lân­cia dian­te da hipo­té­ti­ca escas­sez de fer­ti­li­zan­tes e defensivos.”

 

PRO­DU­ÇÃO DE RAÇÕES (milhões de tons)

 

*Esti­ma­ti­va; **Pre­vi­são

Fon­te: Sindirações

 

PRO­DU­ÇÃO DE RAÇÃO 2021/2020 – VARI­A­ÇÃO ACUMULADA

Fon­te: Sindirações