Setor leiteiro investe em indenizações no RS - Balde Branco

O setor lei­tei­ro do Rio Gran­de do Sul foi o que mais inves­tiu recur­sos do Fun­de­sa no segun­do tri­mes­tre de 2017

Segun­do dados apre­sen­ta­dos duran­te assem­bleia geral rea­li­za­da no últi­mo dia 17 de julho, em Por­to Ale­gre-RS, foram des­ti­na­dos R$ 2.151.433,46 — 76,2% a mais se com­pa­ra­do ao pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano — no Fun­de­sa-Fun­do de Desen­vol­vi­men­to e Defe­sa Sani­tá­ria Animal.

Repre­sen­tan­do o Sin­di­lat-Sin­di­ca­to da Indús­tria de Lati­cí­ni­os do Rio Gran­de do Sul), par­ti­ci­pa­ram do encon­tro o pre­si­den­te, Ale­xan­dre Guer­ra, e o secre­tá­rio-exe­cu­ti­vo, Dar­lan Palha­ri­ni. Na oca­sião, foi homo­lo­ga­da a indi­ca­ção de Palha­ri­ni para a fun­ção de pre­si­den­te do Con­se­lho Téc­ni­co Ope­ra­ci­o­nal da Pecuá­ria Lei­tei­ra do Fun­de­sa para o perío­do de 2017/2018.

No segun­do tri­mes­tre, foram aten­di­dos 112 pedi­dos de inde­ni­za­ção de bovi­nos de lei­te, o que cor­res­pon­de a 569 ani­mais e tota­li­za R$ 776.063,20. Os dados refe­rem-se ao perío­do entre 17 de abril a 17 de julho. No acu­mu­la­do do ano, foram des­ti­na­dos R$ 1.763.628,73 a inde­ni­za­ções — R$ 472 mil a mais que no pri­mei­ro semes­tre do ano passado.

Para Guer­ra, os dados dei­xam cla­ro o movi­men­to em prol da sani­da­de dos ani­mais. “Esses núme­ros são resul­ta­do do tra­ba­lho do setor para dei­xar o seu reba­nho livre de tuber­cu­lo­se e bru­ce­lo­se”, diz o diri­gen­te. De acor­do com o pre­si­den­te do Fun­de­sa, Rogé­rio Ker­ber, o acrés­ci­mo tam­bém é deri­va­do da cres­cen­te deman­da da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra do Rio Gran­de do Sul.

Rolar para cima