Rúmina promete acelerar digitalização das fazendas brasileiras - Balde Branco

Ecos­sis­te­ma de solu­ções digi­tais para pecuá­ria tem como pro­pó­si­to tor­nar a pecuá­ria mais pro­du­ti­va, ren­tá­vel e sustentável

Rúmina promete acelerar digitalização das fazendas brasileiras 

O mun­do pode che­gar a 10 bilhões de pes­so­as até 2050. E isso tem tudo a ver com a pecuá­ria do futu­ro. Para aten­der à cres­cen­te deman­da mun­di­al, os pro­du­to­res bus­cam por solu­ções que per­mi­tam pro­du­zir mais e de for­ma sus­ten­tá­vel, e é des­ta for­ma que as tec­no­lo­gi­as ganham cada vez mais espaço

O foco e as opor­tu­ni­da­des para ino­va­ções digi­tais na pecuá­ria estão cres­cen­do. Aná­li­se de dados, tec­no­lo­gi­as, inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al e a inter­net das coi­sas estão cri­an­do opor­tu­ni­da­des que per­mi­tem uma toma­da de deci­são a cam­po mais rápi­da e acertada.

Com o pro­pó­si­to de con­tri­buir com esse cená­rio de evo­lu­ção das fazen­das bra­si­lei­ras, foi cri­a­da a Rúmi­na, o mai­or ecos­sis­te­ma de solu­ções digi­tais para pecu­a­ris­tas de lei­te e de cor­te, que agre­ga as empre­sas OnFarm, Ide­a­gri, Bovi­te­ch, Rúmi­cash e Volutech,

São mais de 7 mil fazen­das que uti­li­zam as solu­ções da Rúmi­na, desen­vol­vi­das para demo­cra­ti­zar e sim­pli­fi­car a ado­ção de tec­no­lo­gi­as pelos pro­du­to­res – seja bio­tec­no­lo­gia, sen­so­res, softwa­res, solu­ções finan­cei­ras e inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al – ofe­re­cen­do a melhor expe­ri­ên­cia para toda a cadeia de valor da pecuá­ria. Recen­te­men­te o ecos­sis­te­ma rece­beu um apor­te de R$ 25 milhões para inten­si­fi­car a dis­tri­bui­ção de inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al para o campo.

O novo inves­ti­men­to no ecos­sis­te­ma tem como obje­ti­vo ace­le­rar o aces­so dos pro­du­to­res a Rúmi, a inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al cri­a­da pela Rúmi­na que aju­da na ges­tão, detec­ção de doen­ças, toma­da de cré­di­to e geren­ci­a­men­to da produção.

A visão da empre­sa é aju­dar pecu­a­ris­tas em todo o mun­do a usar a tec­no­lo­gia para redu­zir o impac­to ambi­en­tal da ati­vi­da­de, aumen­tar a pro­du­ti­vi­da­de da fazen­da e lide­rar a trans­for­ma­ção digi­tal do setor, além de con­tri­buir com o bem-estar ani­mal em mais de 300 mil fazen­das de pecuá­ria no Bra­sil e na Amé­ri­ca Lati­na nos pró­xi­mos 10 anos.

“O futu­ro da pecuá­ria glo­bal pas­sa pela melho­ria da saú­de ani­mal e sus­ten­ta­bi­li­da­de. Ao gerir­mos mais de 10% do lei­te bra­si­lei­ro, evi­ta­mos em 2021 o uso de qua­se 230 mil doses de anti­bió­ti­cos e o des­car­te de mais de 7 milhões de litros de lei­te. Con­tri­buí­mos para a melho­ria da efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va de milha­res de pro­pri­e­da­des, acom­pa­nhan­do os prin­ci­pais indi­ca­do­res finan­cei­ros e zoo­téc­ni­cos para pro­du­zir mais, com o mes­mo reba­nho e tama­nho de pro­pri­e­da­de”, afir­ma Laer­te Cas­so­li, cofun­da­dor e CEO da Rúmina.

Ao lon­go de 2021, a Rúmi­na apre­sen­tou ao mer­ca­do  tec­no­lo­gi­as cada vez mais aces­sí­veis e ade­ren­tes à rea­li­da­de do cam­po e os impac­tos do ecos­sis­te­ma serão posi­ti­vos não ape­nas para os pro­du­to­res, mas para toda cadeia lác­tea pas­san­do por lati­cí­ni­os até o con­su­mi­dor final.

Fon­te: Rúmina