RS defenderá limite de CCS em reunião - Balde Branco

Lide­ran­ças do setor lati­ci­nis­ta gaú­cho esti­ve­ram reu­ni­das No últi­mo dia 29 de mar­ço para ali­nhar a pau­ta que será leva­da à reu­nião da Ali­an­ça Lác­tea no encon­tro do pró­xi­mo dia 10 de abril em Flo­ri­a­nó­po­lis-SC. Segun­do o pre­si­den­te da Ali­an­ça Lác­tea, Jor­ge Rodri­gues, o Rio Gran­de do Sul pre­ten­de defen­der que o limi­te máxi­mo para Con­ta­gem de Célu­las Somá­ti­cas (CCS) no lei­te fique em 750 mil células/ml, mes­mo parâ­me­tro uti­li­za­do hoje nos Esta­dos Unidos.

A legis­la­ção bra­si­lei­ra é mais rigo­ro­sa e pre­vê máxi­mo de 500 mil de CCS. A posi­ção, já enca­mi­nha­da em ofí­cio ao Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, é, segun­do o gru­po, sufi­ci­en­te para asse­gu­rar a qua­li­da­de do pro­du­to. “Pre­ci­sa­mos de uma nor­ma que nos dê espa­ço para tra­ba­lhar os padrões de qua­li­da­de”, fri­sou Rodri­gues. O secre­tá­rio-exe­cu­ti­vo do Sin­di­lat, Dar­lan Palha­ri­ni, repre­sen­tou as indús­tri­as no encon­tro e será um dos inte­gran­tes dos fóruns de deba­tes da Ali­an­ça Lác­tea. A reu­nião de Flo­ri­a­nó­po­lis será divi­di­da em cin­co ofi­ci­nas que ava­li­a­rão os temas:

- Qua­li­da­de do lei­te e pro­gra­ma de paga­men­to por qualidade;

- Gera­ção e trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia, assis­tên­cia téc­ni­ca e qua­li­da­de profissional;

– Saú­de ani­mal, ins­pe­ção e con­for­mi­da­de legal;

– Orga­ni­za­ção seto­ri­al, rela­ções ins­ti­tu­ci­o­nais e entre os elos da cadeia;

– Polí­ti­ca tri­bu­tá­ria e desen­vol­vi­men­to indus­tri­al (ges­tão indus­tri­al e de logís­ti­ca) e de mercado.

Rolar para cima