Reunião Extraordinária do Conselho do Agro debate reforma tributária na ExpoGenética 360º - Balde Branco

Para mui­tos, a ati­vi­da­de vai ficar inviá­vel, como para os pro­du­to­res de lei­te, por exem­plo. Essa pro­pos­ta é um ver­da­dei­ro hor­ror para a pro­du­ção agro­pe­cuá­ria”, expli­ca Rober­to Brant, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to CNA, os impac­tos da refor­ma tri­bu­tá­ria sobre o agro

Reunião Extraordinária do Conselho do Agro debate reforma tributária na ExpoGenética 360º

A refor­ma tri­bu­tá­ria pro­pos­ta pelo gover­no fede­ral foi tema de reu­nião extra­or­di­ná­ria do Con­se­lho do Agro, rea­li­za­da vir­tu­al­men­te na ter­ça-fei­ra (18), duran­te a trans­mis­são da Expo­Ge­né­ti­ca 360º pelo Canal do Boi e canal da ABCZ no You­Tu­be. A reu­nião foi con­du­zi­da pelo pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pecuá­ria do Bra­sil (CNA), Dr. João Mar­tins, com par­ti­ci­pa­ção do pre­si­den­te da Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Zebu (ABCZ), Rival­do Macha­do Bor­ges Júni­or e cer­ca de outros 30 repre­sen­tan­tes de enti­da­des liga­das ao agro.

Na aber­tu­ra da reu­nião, o pre­si­den­te da ABCZ, Rival­do Macha­do Bor­ges Júni­or, res­sal­tou que a CNA é o ‘boi de guia’ de todas as ins­ti­tui­ções agro­pe­cuá­ri­as do Bra­sil. “O tra­ba­lho des­sa ins­ti­tui­ção em defe­sa do pro­du­tor rural bra­si­lei­ro é memo­rá­vel. Fica­mos hon­ra­dos em ter essa reu­nião duran­te nos­sa Expo­Ge­né­ti­ca 360º, que está conec­ta­da com o mun­do intei­ro. É impor­tan­te que todo o setor do agro sai­ba o que a CNA e as outras enti­da­des vem fazen­do pelo setor, que esta­mos ante­na­dos a todas as situ­a­ções per­mis­sí­veis que pos­sam acon­te­cer em prol da agri­cul­tu­ra e pecuá­ria tão pujan­tes no nos­so país”.

O pre­si­den­te da CNA, Dr. João Mar­tins, fez ques­tão de valo­ri­zar o tra­ba­lho desen­vol­vi­do pela ABCZ. “Mar­ca­mos essa reu­nião extra­or­di­ná­ria do Con­se­lho duran­te a Expo­Ge­né­ti­ca para pres­ti­gi­ar a ABCZ. “A ABCZ teve a com­pe­tên­cia e a cora­gem de rea­li­zar a fei­ra em meio à essa pan­de­mia, são mais de 100 anos bus­can­do o bovi­no efi­ci­en­te para aten­der as deman­das da car­ne bra­si­lei­ra”. Na sequên­cia o pre­si­den­te da CNA ini­ci­ou o deba­te sobre a refor­ma tri­bu­tá­ria pro­pos­ta pelo gover­no fede­ral. “O momen­to é extre­ma­men­te deli­ca­do por­que me pare­ce que algu­mas lide­ran­ças polí­ti­cas des­co­nhe­cem como fun­ci­o­na o agro brasileiro”. 

Rober­to Brant, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to CNA, expli­cou os impac­tos da refor­ma tri­bu­tá­ria sobre o agro. “Essa refor­ma que aí está, do pon­to de vis­ta do pro­du­tor rural, con­tém dois ele­men­tos prin­ci­pais: pri­mei­ro equi­pa­ra as pes­so­as físi­cas às pes­so­as jurí­di­cas e, segun­do, pro­põe uma alí­quo­ta que não será menor que 30%, seria a mai­or alí­quo­ta do mun­do para um impos­to de valor agregado.Aceitando isso, esta­ría­mos dan­do aos cin­co milhões de pro­du­to­res rurais bra­si­lei­ros a ‘gran­de hon­ra’ de serem con­tri­buin­tes de impos­tos com uma alí­quo­ta de 30%. Para mui­tos, a ati­vi­da­de vai ficar inviá­vel, como para os pro­du­to­res de lei­te, por exem­plo. Essa pro­pos­ta é um ver­da­dei­ro hor­ror para a pro­du­ção agropecuária”. 


O supe­rin­ten­den­te téc­ni­co da CNA, Bru­no Bar­ce­los Luc­chi, acres­cen­tou que o setor pre­ci­sa se mobi­li­zar. “Temos que inter­rom­per essa esca­la­da de insa­ni­da­de, senão esta­re­mos pena­li­zan­do um dos úni­cos seto­res que con­ti­nua se expan­din­do, mes­mo na pan­de­mia. Esta­mos levan­do infor­ma­ções aos nos­sos pro­du­to­res para que eles pos­sam nos aju­dar na mobi­li­za­ção com os par­la­men­ta­res”. O con­sul­tor da pre­si­dên­cia da CNA para a área de Rela­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais, Nil­son Lei­tão, dis­se que a refor­ma se tor­nou tema de dis­pu­ta polí­ti­ca e não mais tema de deba­te téc­ni­co para o avan­ço que o Bra­sil pre­ci­sa. “Temos que apro­vei­tar des­se momen­to de con­fli­to polí­ti­co para ganhar tem­po e fazer uma cam­pa­nha for­te de mobi­li­za­ção em nos­so setor”. 


Dr. João Mar­tins fina­li­zou expli­can­do medi­das que já foram toma­das pela CNA. “Cri­a­mos uma comis­são para moni­to­rar a refor­ma e con­tra­ta­mos o escri­tó­rio do ex-secre­tá­rio da Recei­ta Fede­ral, Jor­ge Antô­nio Rachid, para tra­ba­lhar nes­se pro­je­to de con­ven­ci­men­to que esta­mos levan­do aos par­la­men­ta­res. O agro não acei­ta essa refor­ma, que­re­mos que acon­te­ça para sim­pli­fi­car, que seja uma refor­ma jus­ta. O que pre­ci­sa­mos ago­ra é con­ven­cer os par­la­men­ta­res da catás­tro­fe que seria apro­var essa reforma”. 


“Pela pri­mei­ra vez mos­tra­mos ao vivo o que a CNA, atra­vés do Con­se­lho do Agro, vem fazen­do pelo agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro. Mos­tra­mos pra todo mun­do a impor­tân­cia do setor para o país e que esta­mos tra­ba­lhan­do para um bem comum. Essa refor­ma não con­diz com nos­sa rea­li­da­de, o agro seria mui­to pre­ju­di­ca­do, mas a CNA e as outras enti­da­des estão fazen­do um tra­ba­lho mag­ní­fi­co para mos­trar o rumo que deve­ría­mos tomar. Só tenho que agra­de­cer a CNA por ter nos dado a opor­tu­ni­da­de de tra­zer o Con­se­lho do Agro para nos­sa Expo­Ge­né­ti­ca 360º”, fina­li­zou o pre­si­den­te da ABCZ.

Fon­te: Asses­so­ria de Comu­ni­ca­ção da ABCZ

Rolar para cima