Queijos: potencial para dobrar produção - Balde Branco

Atu­al­men­te, o con­su­mo de quei­jos  no Bra­sil é de 5,4 kg por habitante/ano. A pro­pos­ta da Abiq é alcan­çar 7,5 kg até 2020

O desa­fio de aumen­tar a pro­du­ção e o con­su­mo de quei­jos foi um dos temas abor­da­dos pelo pre­si­den­te da Abiq-Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das Indús­tri­as de Quei­jo, Fábio Scar­cel­li, no últi­mo dia 26 de maio, duran­te a Fena­sul 2017, even­to rea­li­za­do no Par­que de Expo­si­ções Assis Bra­sil, em Esteio-RS, sema­na pas­sa­da. A meta da enti­da­de é, até 2020, che­gar a um con­su­mo de 7,5 kg de quei­jo per capi­ta. Para 2030, o obje­ti­vo é atin­gir a mar­ca de 9,6 kg. Atu­al­men­te, a média bra­si­lei­ra é 5,4 kg por pes­soa. Na Argen­ti­na e Uru­guai, o con­su­mo é de 11 kg.

“A pers­pec­ti­va é que o con­su­mo vai con­ti­nu­ar cres­cen­do no médio pra­zo no País”, pro­je­ta Scar­cel­li, lem­bran­do que, em 2009, cada bra­si­lei­ro con­su­mia, em média, 2,17 kg. Um dos entra­ves a ser supe­ra­do, expli­ca o diri­gen­te, é ampli­ar a ofer­ta de quei­jos naci­o­nais no mer­ca­do. Para esti­mu­lar a pro­du­ção de novos rótu­los e fomen­tar o con­su­mo, aler­ta, é pre­ci­so antes bus­car mai­or pro­du­ção de matéria-prima.

“O cami­nho é ten­tar ino­var e fazer par­ce­ri­as mais for­tes com os pro­du­to­res”, indi­ca Scar­cel­li. Atu­al­men­te, 35% da pro­du­ção de lei­te do Bra­sil é des­ti­na­da à fabri­ca­ção de quei­jo. No Rio Gran­de do Sul, a fatia é de 25% da maté­ria-pri­ma captada.

O cami­nho de estí­mu­lo à pro­du­ção de quei­jos já vem sen­do tri­lha­do pelas indús­tri­as gaú­chas. Segun­do o pre­si­den­te do Sin­di­lat, Ale­xan­dre Guer­ra, diver­sas empre­sas estão ampli­an­do o mix de pro­du­tos e ofer­tan­do ao mer­ca­do quei­jos dife­ren­ci­a­dos. “Temos em pro­du­ção no Rio Gran­de do Sul quei­jos de exce­len­te qua­li­da­de, que não dei­xam em nada a dese­jar aos rótu­los mais valo­ri­za­dos do mundo”.

Por Caro­li­na Jardine/Sindilat RS 

Rolar para cima