Quanto leite devemos dar as bezerras? - Balde Branco

Bezer­ras lei­tei­ras deve rece­ber quan­ti­da­de ade­qua­da de lei­te, sem exces­sos, com aces­so irres­tri­to à água e ração ini­ci­al de qualidade

Por Ale­xan­dre Pedro­so, Con­sul­tor Téc­ni­co de Bovi­nos de Lei­te da Car­gill Nutri­ção Animal

Está fican­do cada vez mais comum o for­ne­ci­men­to de quan­ti­da­des ele­va­das de lei­te para as bezer­ras na fase ini­ci­al da vidas, mas isso pode ser um “tiro no pé”.  Diver­sos tra­ba­lhos de pes­qui­sa, rea­li­za­dos na últi­ma déca­da no Cana­dá e EUA, mos­tra­ram que for­ne­cer mais lei­te do que os tra­di­ci­o­nais qua­tro litros por dia para as bezer­ras na fase de alei­ta­men­to resul­tam em mai­or peso ao des­ma­me e pode oca­si­o­nar mai­or pro­du­ção de lei­te na pri­mei­ra lac­ta­ção des­ses animais.

Com a divul­ga­ção des­ses resul­ta­dos, essa prá­ti­ca pas­sou a ser uti­li­za­da como roti­na em mui­tas fazen­das no Bra­sil, onde é comum alei­tar as bezer­ras com até oito litros ou mais por dia. No entan­to, essa prá­ti­ca pode não pro­du­zir os resul­ta­dos espe­ra­dos, o que tem sido cada vez mais nota­do. Cer­ta­men­te, as bezer­ras que con­so­mem mais lei­te na fase de alei­ta­men­to serão des­ma­ma­das com peso mai­or do que as que rece­bem quan­ti­da­des mode­ra­das, mas isso não garan­te que se bene­fi­ci­a­rão dis­so na fase adulta.

É cla­ro que o alei­ta­men­to ade­qua­do é fun­da­men­tal para a saú­de e bom desen­vol­vi­men­to da bezer­ra, mas é pre­ci­so enten­der que for­ne­cer lei­te em gran­des quan­ti­da­des nos pri­mei­ros meses de vida do ani­mal não garan­te que essa bezer­ra se tor­ne uma vaca mais pro­du­ti­va e eficiente.

Após o des­ma­me, as bezer­ras pas­sam a rece­ber ape­nas ali­men­ta­ção sóli­da, a qual deve ter sido intro­du­zi­da duran­te a fase de alei­ta­men­to. Quan­to mai­or a quan­ti­da­de de lei­te rece­bi­da na fase de alei­ta­men­to, menor será a quan­ti­da­de inge­ri­da de ração ini­ci­al nes­se perío­do. Se o con­su­mo da ração ini­ci­al for insu­fi­ci­en­te, o desen­vol­vi­men­to do sis­te­ma diges­ti­vo será retar­da­do, e com isso as bezer­ras podem sofrer bas­tan­te depois da des­ma­ma, per­den­do todo o bene­fí­cio de tomar mui­to lei­te na fase anterior.

O momen­to da des­ma­ma é um perío­do bas­tan­te estres­san­te para a bezer­ra, pois ela pas­sa a não ter mais aces­so ao seu ali­men­to pre­fe­ri­do, que é o lei­te. A par­tir daí todos os nutri­en­tes que ela pre­ci­sa serão for­ne­ci­dos pela ali­men­ta­ção sóli­da, e para que o ani­mal con­ti­nue sau­dá­vel e se desen­vol­ven­do bem após a des­ma­ma é fun­da­men­tal que a inges­tão de ali­men­tos seja con­sis­ten­te nes­se perío­do. Quan­to mai­or o con­su­mo de ração ini­ci­al na épo­ca da des­ma­ma, melhor será o desem­pe­nho da bezer­ra depois da des­ma­ma, por isso não se deve cor­rer o ris­co de que o for­ne­ci­men­to exces­si­vo de lei­te pos­sa pre­ju­di­car essa inges­tão de ração.

No Bra­sil Cen­tral – com foco em SP, MG e GO – a mor­ta­li­da­de de bezer­ras pós-des­ma­ma é mui­to alta, giran­do entre 8–11%. Em gran­de par­te, isso se deve à ocor­rên­cia de tris­te­za para­si­tá­ria bovi­na, doen­ça trans­mi­ti­da pelos car­ra­pa­tos que aco­me­te os reba­nhos des­sas regiões. Se o con­su­mo de ração ini­ci­al não for satis­fa­tó­rio na des­ma­ma, mui­to pro­va­vel­men­te o con­su­mo de ali­men­tos na tran­si­ção pós-des­ma­ma tam­bém será insa­tis­fa­tó­rio. Com con­su­mo ina­de­qua­do de ali­men­tos, e con­se­quen­te inges­tão insu­fi­ci­en­te de nutri­en­tes, o sis­te­ma imu­ne do ani­mal é pre­ju­di­ca­do, o que fará com que a bezer­ra fique mui­to mais vul­ne­rá­vel à ocor­rên­cia de doen­ças, como a tristeza.

Hoje, nos­sa reco­men­da­ção téc­ni­ca é que no momen­to da des­ma­ma as bezer­ras este­jam con­su­min­do pelo menos 1,5–2,0 kg de ração ini­ci­al por dia. Isso é fun­da­men­tal para que o rúmen se desen­vol­va ade­qua­da­men­te, o que por sua vez é indis­pen­sá­vel para que os ani­mais este­jam sau­dá­veis e se desen­vol­vam bem pós-des­ma­ma. Para tal, for­ne­cer a elas quan­ti­da­de mui­to ele­va­da de lei­te pode ser um desa­fio. Depen­den­do do sis­te­ma, pode ser mais inte­res­san­te limi­tar o for­ne­ci­men­to de lei­te para que o con­su­mo da ração ini­ci­al seja maximizado.

Seis litros de lei­te por dia, asso­ci­a­dos ao for­ne­ci­men­to de uma ração ini­ci­al de alta qua­li­da­de e bom mane­jo sani­tá­rio dos ani­mais é mais do que sufi­ci­en­te para garan­tir o bom desen­vol­vi­men­to das bezer­ras. A meta para a des­ma­ma é que bezer­ras de raças gran­des atin­jam pelo menos o dobro do peso ao nas­ci­men­to e que atin­jam cer­ca de 100 kg de peso aos 90 dias de vida.

Outro aspec­to fun­da­men­tal da cri­a­ção de bezer­ras, ao qual mui­tas vezes não se dá a devi­da aten­ção nas fazen­das, é o for­ne­ci­men­to de água. É impres­cin­dí­vel que as bezer­ras tenham aces­so irres­tri­to à água fres­ca e lim­pa, des­de os pri­mei­ros dias de vida. Ain­da exis­te a cren­ça de que pelo fato de beber lei­te a bezer­ra não pre­ci­sa tan­to de água, mas isso não é ver­da­de. Bai­xo con­su­mo de água vai levar a menor con­su­mo de ração ini­ci­al, que é o prin­ci­pal fator res­pon­sá­vel pelo desen­vol­vi­men­to fun­ci­o­nal do rúmen.

Em resu­mo, para que as bezer­ras lei­tei­ras se tor­nem vacas pro­du­ti­vas é fun­da­men­tal que na fase de alei­ta­men­to, além de serem ade­qua­da­men­te colos­tra­das, rece­bam quan­ti­da­de ade­qua­da de lei­te, sem exces­sos, e que tenham aces­so irres­tri­to a água e ração ini­ci­al de alta qua­li­da­de. Moni­to­rar o con­su­mo des­sa ração é impres­cin­dí­vel, pois no momen­to da des­ma­ma as bezer­ras devem inge­rir pelo menos 1,5–2,0 kg da ração ao dia. Com isso, elas terão uma tran­si­ção pós-des­ma­ma mais tran­qui­la e pode­rão se desen­vol­ver bem e com saúde.

Rolar para cima