Colo­can­do em prá­ti­ca as ori­en­ta­ções, os bons resul­ta­dos come­ça­ram apa­re­cer em pou­co tem­po
(por João Antô­nio dos San­tos)

Com uma vida dedi­ca­da à pro­du­ção de lei­te, José Ricar­do Lúcio e sua espo­sa Maria de Lour­des con­quis­ta­ram uma situ­a­ção satis­fa­tó­ria e estão feli­zes em rea­li­zar seu sonho de ter seu pró­prio negó­cio, a cus­ta de mui­to tra­ba­lho e enca­ran­do de fren­te as difi­cul­da­des. Hoje, pro­du­zem lei­te no Sítio São João da Cacho­ei­ra, em Pin­da­mo­nhan­ga­ba-SP, que arren­dam há oito anos. “Depois de tra­ba­lhar­mos numa fazen­da lei­tei­ra, onde apren­de­mos mui­ta coi­sa, esta­mos rea­li­zan­do nos­so sonho de ter nos­so reba­nho e ver nos­so tra­ba­lho ten­do um resul­ta­do cada vez melhor”, diz Lúcio, com a con­cor­dân­cia de Maria de Lour­des, que refor­ça dizen­do que essa melho­ria tem a ver com o apoio e estí­mu­lo da Come­vap, da qual são coo­pe­ra­dos.

O casal veio da cida­de de Lagoi­nha-SP para Pin­da­mo­nhan­ga­ba para tra­ba­lhar na fazen­da do pro­du­tor de lei­te José Pam­plo­na, onde fica­ram por 15 anos, quan­do deci­di­ram tra­ba­lhar por con­ta pró­pria e arren­da­ram a ter­ra onde estão hoje, há oito anos. Para a pro­du­ção de lei­te, eles arren­dam 10 ha da pro­pri­e­da­de. Nes­sa área, 2,5 ha são de pas­ta­gem rota­ci­o­na­da, sen­do 8 mil m2 de capim-mom­ba­ça, e o res­tan­te, de bra­quiá­ria, e man­tém área para o cul­ti­vo de milho para sila­gem.

Aos pou­cos, foram com­pran­do uma vaca aqui, outra ali, e sem­pre com o obje­ti­vo de pro­gre­dir na ati­vi­da­de, “fazen­do a coi­sa cer­ta”, con­for­me des­ta­ca Maria de Lour­des, que, recen­te­men­te, foi home­na­ge­a­da no even­to “Mulher no Cam­po”, orga­ni­za­do pelo Sin­di­ca­to Rural de Pin­da­mo­nhan­ga­ba e Con­se­lho Muni­ci­pal de Desen­vol­vi­men­to Rural, no Dia do Pro­du­tor. Hoje se orgu­lham de ter um reba­nho de 60 ani­mais mes­ti­ços, um mis­tu­ra de Giro­lan­do e tam­bém de Jer­so­lan­do, “do qual esta­mos pro­cu­ran­do ele­var o padrão gené­ti­co, gra­ças à ori­en­ta­ção téc­ni­ca”, nota Lúcio.

Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 658 (outubro/2019)

Rolar para cima