Sem perspectivas de avançar na atividade, ele começou a introduzir mudanças na propriedade e em pouco tempo elevaram a produtividade, a qualidade do leite e a rentabilidade

João Antô­nio dos San­tos

 

Deci­são, assis­tên­cia téc­ni­ca e deter­mi­na­ção em fazer tudo cer­to vêm impul­si­o­nan­do a ati­vi­da­de lei­tei­ra de Jar­del Abi­zai de Andra­de, com a aju­da de seu irmão Jar­lan Hen­ri­que, no Sítio Três Quar­tos, em Ibi­tu­ru­na-MG. “Nos­sa his­tó­ria pode­ria ter sido outra se tivés­se­mos desis­ti­do. Mas pega­mos fir­me, e hoje pode­mos ser­vir de exem­plo de que peque­nos pro­du­to­res, sem recur­sos, podem evo­luir na medi­da de seus pas­sos. Bas­ta ter­mos opor­tu­ni­da­de de poder avan­çar e ir melho­ran­do cada vez mais. Rea­li­zan­do nos­sos sonhos, um depois do outro. E isso nos enche de orgu­lho por ser­mos pro­du­to­res de lei­te”, diz Jar­del, ao come­çar seu rela­to e do irmão na ati­vi­da­de lei­tei­ra.

É uma his­tó­ria que ini­ci­ou com seu pai em 1976, no sítio de 22 ha, onde cri­ou a famí­lia, até 2001, quan­do ele fale­ceu. Jar­del con­ta que a famí­lia resol­veu aban­do­nar a ati­vi­da­de, arren­dan­do a mai­or par­te da pro­pri­e­da­de e ten­do as ins­ta­la­ções como lazer em alguns fins de sema­na. “Mas a lem­bran­ça da lida com as vacas e toda aque­la vida na ati­vi­da­de sem­pre me acom­pa­nhou, pois como meu pai, a gen­te gos­ta­va daque­la vida”, recor­da-se.

Depois de qua­se dez anos car­re­gan­do aque­las lem­bran­ças, ele o irmão toma­ram a deci­são que deu um novo rumo em suas vidas. Em 2010, resol­ve­ram rei­ni­ci­ar a pro­du­ção de lei­te, adqui­rin­do um gadi­nho ‘pé-duro’, que era o que esta­va a seu alcan­ce para come­çar a pro­du­zir lei­te. “Naque­le pri­mei­ro momen­to, mes­mo em con­di­ções pre­cá­ri­as, a nos­sa von­ta­de era de pro­gre­dir, de come­çar fazen­do do jei­to cer­to. Mas achá­va­mos que a tec­no­lo­gia era algo fora de nos­so alcan­ce, viá­vel somen­te para quem tinha dinhei­ro, e assim não tería­mos con­di­ções de agre­gá-la ao sítio”, lem­bra Jar­del.


Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 656 (agosto/2019)

Rolar para cima