Gado­lan­do indi­ca oti­mi­za­ção na ali­men­ta­ção do gado para redu­zir cus­tos na pecuá­ria lei­tei­ra

Pastagens e preço amenizam momento do produtor de leite gaúcho, afirma Gadolando

A che­ga­da do inver­no e o retor­no das chu­vas tra­zem alen­to ao pro­du­tor de lei­te que teve per­das com a esti­a­gem no Rio Gran­de do Sul des­de o final do ano pas­sa­do. Com o desen­vol­vi­men­to das pas­ta­gens no cam­po, os cri­a­do­res podem ali­men­tar seus ani­mais de for­ma a eco­no­mi­zar com a sila­gem de milho, que foi pre­ju­di­ca­da com a seca.

Para o pre­si­den­te da Asso­ci­a­ção dos Cri­a­do­res de Gado Holan­dês do Rio Gran­de do Sul (Gado­lan­do), Mar­cos Tang, os pro­du­to­res estão con­se­guin­do se uti­li­zar das pas­ta­gens de for­ma a ali­men­tar o gado, eco­no­mi­zan­do sila­gem e aju­dan­do na redu­ção dos cus­tos na pecuá­ria lei­tei­ra. “Cha­ma­mos a aten­ção para a oti­mi­za­ção máxi­ma des­tas pas­ta­gens para que pos­sa­mos uti­li­zá-las em rota­ção e as vacas pos­sam vol­tar no mes­mo pique­te de sete a dez dias e pou­par a sila­gem que foi mui­to redu­zi­da e, assim, dimi­nuir os cus­tos”, sali­en­ta.

Outro fator tem sido o incre­men­to dos pre­ços, já com refe­rên­cia de R$ 1,37 o litro ao pro­du­tor. Tang lem­bra tam­bém que com a pan­de­mia cau­sa­da pelo Coro­na­ví­rus (Covid-19) hou­ve aumen­to dos pro­du­tos lác­te­os. “É um alen­to ao pro­du­tor. A esti­a­gem no lei­te não é sen­ti­da em um mês, mas sim em um ou dois anos. No momen­to em que se tem um aumen­to do pre­ço do pro­du­to e dimi­nui­ção nos cus­tos com as pas­ta­gens, con­se­gui­mos  aju­dar a impul­si­o­nar o setor. O pro­du­tor de lei­te é um apai­xo­na­do, mas pre­ci­sa­mos ter o direi­to de ter lucro na nos­sa pro­pri­e­da­de”, com­ple­men­ta.

Fon­te: Gado­lan­do

Rolar para cima