Paraná terá maior fábrica de queijos do País - Balde Branco

Fábri­ca da Pira­can­ju­ba deve­rá pro­ces­sar cer­ca de 600 mil litros de lei­te por dia. Porém, a capa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to da uni­da­de vai ultra­pas­sar os 2 milhões de litros por dia quan­do esti­ver em ple­no funcionamento

Paraná terá maior fábrica de queijos do País

São Jor­ge D’O­es­te, muni­cí­pio com pou­co mais de 9 mil habi­tan­tes, no Sudo­es­te do Para­ná, vai abri­gar a mai­or fábri­ca de quei­jo do Bra­sil. A uni­da­de é da Pira­can­ju­ba e fica­rá em um espa­ço de 48,74 hec­ta­res, nas mar­gens da PR-281. O anún­cio foi fei­to na últi­ma ter­ça-fei­ra (21), em sole­ni­da­de com a pre­sen­ça do gover­na­dor Car­los Mas­sa Rati­nho Junior.

A pre­vi­são ini­ci­al de inves­ti­men­to é de R$ 80 milhões e a expec­ta­ti­va é de gera­ção de 300 empre­gos dire­tos. Ini­ci­al­men­te, a fábri­ca deve­rá pro­ces­sar cer­ca de 600 mil litros de lei­te por dia. Porém, a capa­ci­da­de de pro­ces­sa­men­to da uni­da­de vai ultra­pas­sar os 2 milhões de litros por dia quan­do esti­ver em ple­no funcionamento.

O gover­na­dor afir­mou que este empre­en­di­men­to demons­tra a for­ça do Para­ná, que segue atrain­do inves­ti­men­tos mes­mo com a cri­se deri­va­da da pan­de­mia do novo coro­na­ví­rus. “Temos fei­to con­ta­to com gran­des empre­sas para que, mes­mo com esse momen­to econô­mi­co difí­cil, estes inves­ti­men­tos sigam geran­do empre­go para os para­na­en­ses”, des­ta­cou Rati­nho Junior.

“Esta indús­tria refor­ça a voca­ção regi­o­nal, já que o Sudo­es­te é a mai­or bacia lei­tei­ra do Esta­do. Então a nos­sa pro­du­ção será indus­tri­a­li­za­da aqui, geran­do mais valor agre­ga­do”, dis­se o gover­na­dor. Ele des­ta­cou a impor­tân­cia da pro­du­ção lei­tei­ra para­na­en­se, que pro­ces­sa mais de 4 bilhões de litros de lei­te por ano e é a segun­da mai­or do País.

O supe­rin­ten­den­te da com­pa­nhia, César Helou, des­ta­cou que o pro­je­to ini­ci­al pas­sou por uma refor­mu­la­ção, que fará da uni­da­de uma das mais impor­tan­tes da Pira­can­ju­ba. “Esta não será ape­nas mais uma, mas sim a mai­or fábri­ca de quei­jo do Bra­sil, além de uma peque­na fábri­ca de lei­te lon­ga-vida e uma de man­tei­ga”, dis­se Helou. “Esta­mos ain­da cal­cu­lan­do qual será o inves­ti­men­to total nes­ta fábri­ca”, explicou.

POTEN­CI­AL

O pre­fei­to de São Jor­ge D’Oeste, Gil­mar Pai­xão, refor­çou que estes avan­ços ampli­am ain­da mais o poten­ci­al indus­tri­al do muni­cí­pio. “É um momen­to his­tó­ri­co para o nos­so muni­cí­pio, uma opor­tu­ni­da­de que São Jor­ge D’O­es­te tem de agre­gar valor, pro­du­zin­do o lei­te e trans­for­man­do aqui, para gerar empre­go e ren­da”, cele­brou o prefeito.

Esta será a segun­da uni­da­de pró­pria da Pira­can­ju­ba no Para­ná. A outra fica na mes­ma região, na cida­de de Suli­na, e entrou em fun­ci­o­na­men­to em setem­bro do ano pas­sa­do. Com capa­ci­da­de para pro­ces­sar 150 mil litros de lei­te por dia, a indús­tria gera 70 empre­gos dire­tos na pro­du­ção de quei­jo. Há ain­da duas uni­da­des de res­fri­a­men­to de lei­te, em Ita­pe­ja­ra do Oes­te e em Cas­ca­vel, ambas alugadas.

LEI­TE

O secre­tá­rio de Esta­do da Agri­cul­tu­ra, Nor­ber­to Orti­ga­ra, lem­brou que o lei­te é o quar­to pro­du­to em gera­ção de valor nas pro­pri­e­da­des rurais do Para­ná. “São entre 70 mil a 80 mil famí­li­as para­na­en­ses pro­du­zin­do lei­te todo dia no Esta­do”, des­ta­cou. “Ao tra­zer uma indús­tria des­se por­te para o Sudo­es­te, a Pira­can­ju­ba mos­tra que acre­di­ta nes­se nos­so poten­ci­al, não ape­nas no volu­me de pro­du­ção, mas tam­bém na qua­li­da­de do pro­du­to para­na­en­se”, afirmou.

Pes­qui­sa da Pecuá­ria Muni­ci­pal (PPM) do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Geo­gra­fia e Esta­tís­ti­ca (IBGE) con­fir­ma que o Para­ná pas­sou de ter­cei­ro para segun­do mai­or pro­du­tor de lei­te do Bra­sil – foram 4,4 bilhões de litros pro­du­zi­dos em 2018. O Esta­do fica atrás da Minas Gerais e na fren­te do Rio Gran­de do Sul.

Cas­tro, nos Cam­pos Gerais, lide­ra a pro­du­ção bra­si­lei­ra com 292 milhões de litros. Em segun­do lugar está o muni­cí­pio de Patos de Minas (MG), que pro­du­ziu 193 milhões de litros. No Para­ná, outro des­ta­que é Caram­beí, com 180 milhões de litros, que ocu­pa a ter­cei­ra posi­ção no ran­king nacional.

Em dez anos (2008 a 2018), a pro­du­ção para­na­en­se de lei­te cres­ceu 55%. Caram­beí e Cas­tro pro­du­zem qua­tro vezes mais do que a média bra­si­lei­ra, que é de dois mil litros ao ano por ani­mal – os dois muni­cí­pi­os para­na­en­ses pro­du­zem, res­pec­ti­va­men­te, 9 mil litros e 8, 3 mil litros por vaca ao ano.

INFRA­ES­TRU­TU­RA

O Gover­no do Esta­do vai inves­tir para melho­rar a infra­es­tru­tu­ra em São Jor­ge D’Oeste. A Secre­ta­ria de Esta­do do Desen­vol­vi­men­to Urba­no e Obras Públi­cas for­ma­li­zou con­vê­nio com a pre­fei­tu­ra para a cons­tru­ção de um tre­vo na PR-281, que vai faci­li­tar o des­lo­ca­men­to para o setor indus­tri­al da cidade.

O valor da obra é de R$ 1,3 milhão, e con­ta com inves­ti­men­to a fun­do per­di­do pelo Pla­no de Apoio aos Muni­cí­pi­os (PAM). “Este é um incen­ti­vo do Gover­no do Esta­do para poten­ci­a­li­zar este empre­en­di­men­to, que vai gerar empre­gos e arre­ca­da­ção de impos­tos”, dis­se o secre­tá­rio do Desen­vol­vi­men­to Urba­no e Obras Públi­cas, João Car­los Ortega.

PIRA­CAN­JU­BA

A empre­sa nas­ceu em 1955 e hoje é uma das mar­cas mais pre­sen­tes nos lares do Bra­sil. A pri­mei­ra uni­da­de foi ins­ta­la­da na cida­de de Pira­can­ju­ba (GO), o que deu ori­gem ao nome da mar­ca. Mais tar­de, em 1986, a empre­sa mudou para Bela Vis­ta de Goiás, o que gerou gran­de crescimento.

Hoje, a Pira­can­ju­ba per­ten­ce ao Gru­po Lati­cí­ni­os Bela Vis­ta e pos­sui um port­fó­lio com mais de 160 pro­du­tos. A empre­sa reú­ne sete Uni­da­des Fabris, loca­li­za­das em Bela Vis­ta de Goiás, Gover­na­dor Vala­da­res (MG), Mara­vi­lha (SC), Suli­na (PR), Ara­ra­qua­ra (SP), Três Rios (RJ) e Cara­zi­nho (RS).

As fábri­cas têm capa­ci­da­de de pro­ces­sar mais de 6 milhões de litros de lei­te por dia, mobi­li­zan­do qua­se 3,2 mil cola­bo­ra­do­res dire­tos. A com­pa­nhia é uma das qua­tro mai­o­res indús­tri­as de lati­cí­ni­os do Brasil.

Fon­te: Asses­so­ria de Comu­ni­ca­ção da Piracanjuba

Rolar para cima