Para o queijo artesanal não há caminho fora da coletividade - Balde Branco

O meu sonho, a situação ideal da agropecuária queijeira, seria o “bolsa-vaca”. As “madames” ganham um chip na orelha dando direito a todas as vacinas e exames em dia. E auxílio para certificação das fazendas. Mais educação e assistência rural e menos punição. E bons comerciantes parceiros, que colaborem para o fortalecimento da cultura de vender queijo no Brasil 

ENTREVISTA

DÉBORA PEREIRA

Para o queijo artesanal 

não há caminho fora da coletividade

Minei­ra de Belo Hori­zon­te, Débo­ra Perei­ra foi cri­a­da na capi­tal uni­ver­sal da goi­a­ba­da, Pon­te Nova. Jor­na­lis­ta, tra­ba­lha na revis­ta fran­ce­sa Pro­fes­si­on Fro­ma­ger des­de 2012, o que lhe pos­si­bi­li­tou lan­çar em 2019, no Bra­sil, a revis­ta Pro­fis­são Quei­jei­ra. Depois, o que toma mais seu tem­po é a dire­ção da asso­ci­a­ção Ser­Tão­Bras, que foi cri­a­da em 2007 na Ser­ra da Canas­tra para mili­tar pela lega­li­za­ção e valo­ri­za­ção dos quei­jos de lei­te cru no Brasil.

João Antô­nio dos Santos

Para continuar lendo, assine nossa revista