O leite que você consome: um alimento completo, disponível há décadas - Balde Branco

Em suas carac­te­rís­ti­cas temos suas qua­li­da­des de ali­men­to, afi­nal, é um dos pou­cos que pos­sui car­boi­dra­to, pro­teí­na, vita­mi­nas, áci­dos gra­xos, fer­ro, cál­cio, mag­né­sio, fós­fo­ro e vita­mi­na D, que se con­ver­tem em bene­fí­ci­os para a saú­de como um todo

O leite que você consome: um alimento completo, disponível há décadas 

O lei­te é uma das fon­tes mais ricas de nutri­ção. Sua des­co­ber­ta e iní­cio de uti­li­za­ção como fon­te de ener­gia foi entre 8000 e 9000 a.C. no Ori­en­te Médio, onde as pri­mei­ras vacas come­ça­ram a ser domes­ti­ca­das. E como todo ali­men­to, pas­sou por mui­tas evo­lu­ções até che­gar ao lei­te que você con­so­me hoje em dia. E não esta­mos falan­do dos de caixinha. 

Em suas carac­te­rís­ti­cas temos suas qua­li­da­des de ali­men­to, afi­nal, é um dos pou­cos que pos­sui car­boi­dra­to, pro­teí­na, vita­mi­nas, áci­dos gra­xos, fer­ro, cál­cio, mag­né­sio, fós­fo­ro e vita­mi­na D, que se con­ver­tem em bene­fí­ci­os para a saú­de como um todo. Segun­do a OMS — Orga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de e a FAO — Orga­ni­za­ção das Nações Uni­das para Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção, não há um núme­ro exa­to de con­su­mo diá­rio no mun­do, mas a reco­men­da­ção é de que este ali­men­to traz uma série de ganhos ao corpo. 

Em paí­ses como a Gré­cia, por exem­plo, o lei­te é con­si­de­ra­do qua­se como um medi­ca­men­to, devi­do sua impor­tân­cia. Outras pes­qui­sas recen­tes indi­cam que por seu alto poten­ci­al nutri­ti­vo, pode ser con­si­de­ra­da uma rica fon­te repo­si­to­ra após exer­cí­ci­os físi­cos, para a pro­mo­ção de ain­da mais mas­sa magra, bem como uma suple­men­ta­ção pode­ro­sa para a manu­ten­ção dos níveis de cál­cio no orga­nis­mo que com­bi­na­do com a vita­mi­na D, do mes­mo ali­men­to, auxi­lia na fixa­ção do mine­ral nos ossos. 

Um super ali­men­to que como diria o filó­so­fo Con­fú­cio: ‘Todos os homens se nutrem, mas pou­cos sabem dis­tin­guir os sabo­res’, que no caso do lei­te podem ser mui­tos! Por trás de todos seus bene­fí­ci­os, está tam­bém sua ver­sa­ti­li­da­de, facil­men­te sen­do inte­gra­do às recei­tas e a novos for­ma­tos como quei­jos, man­tei­gas, iogur­tes e outros. A média bra­si­lei­ra é um con­su­mo anu­al de cer­ca de 180 litros por ano. Mas, o que é encon­tra­do no lei­te que você con­so­me em casa? 

Olhan­do por esse aspec­to, pode­mos dizer que exis­tem anos de ino­va­ção, tec­no­lo­gia e res­pon­sa­bi­li­da­de de uma cadeia pro­du­ti­va que evo­lui a fim de pro­mo­ver a nutri­ção para cada vez mais pes­so­as no mun­do. Sus­ten­ta­bi­li­da­de, há mui­to tem­po dei­xou de ser somen­te uma pala­vra que pre­ci­sa­va se tor­nar prá­ti­ca, pas­san­do a se tor­nar uma prá­ti­ca diá­ria den­tro das fazen­das de pecuá­ria de leite. 

“Os pro­du­to­res, olham para seus reba­nhos e pen­sam no con­for­to que eles podem ofe­re­cer, nos ali­men­tos que podem ser melho­res, nos suple­men­tos nutri­ci­o­nais que podem aju­dar com que esses ani­mais sejam ain­da mais sau­dá­veis do que já são. São mui­tos inves­ti­men­tos em estu­dos que leva­ram até tec­no­lo­gi­as que aju­dam a redu­zir o estres­se em vári­os momen­tos da vida des­te ani­mal, que dis­se­ram que eles pre­ci­sam estar em cochos mais con­for­tá­veis, lim­pos e melhor ven­ti­la­dos, além de téc­ni­cas que pro­mo­vam bem-estar até mes­mo no momen­to da orde­nha”, expli­ca Nathaly Car­pi­nel­li da Nutricorp.

O ali­men­to que che­ga à mesa do con­su­mi­dor hoje tem mui­tos outros ganhos e bene­fí­ci­os, afi­nal ani­mais mais sau­dá­veis pro­du­zem ali­men­tos mais segu­ros, sabo­ro­sos e sau­dá­veis. “Esse é um prin­cí­pio que nós como empre­sa de nutri­ção em pecuá­ria nos pre­o­cu­pa­mos e mui­to, afi­nal o ali­men­to con­ta, mas a saú­de, a sus­ten­ta­bi­li­da­de, a segu­ran­ça e o sabor tam­bém são mui­to impor­tan­tes. Em estu­dos recen­tes enten­de­mos tam­bém que o rúmen das vacas, ou seja, o local onde elas pro­ces­sam todo o ali­men­to que rece­bem, pre­ci­sa ser extre­ma­men­te sau­dá­vel e por isso, tam­bém pre­ci­sa­mos nos pre­o­cu­par no que ofe­re­ce­mos a elas no que diz res­pei­to à sila­gem”, expli­ca. A sila­gem é um pro­ces­so de arma­ze­na­men­to de milho, cere­ais e outros que é con­ser­va­da por um méto­do de fer­men­ta­ção, mas tam­bém a esco­lha des­se méto­do pode ofe­re­cer ain­da mais nutri­en­tes aos ani­mais que a consomem. 

Des­sa for­ma, o lei­te con­su­mi­do hoje, rece­beu mui­to cui­da­do e aten­ção, pas­sou por uma cadeia de pro­du­ção intei­ra que se pre­o­cu­pou com a saú­de dos ani­mais, que se pre­o­cu­pou com a qua­li­da­de do que foi pro­du­zi­do e que então che­ga até o con­su­mi­dor, como um ali­men­to ain­da mais com­ple­to, segu­ro, sus­ten­tá­vel, nutri­ti­vo e saboroso. 

Fon­te: Nutricorp