“Nada Nas Mãos”: nova técnica de manejo - Balde Branco

O exe­cu­ti­vo da Zoe­tis, Pau­lo Lou­rei­ro, expli­ca como o pro­ce­di­men­to garan­te segu­ran­ça, bem estar e qua­li­da­de aos animais

Aque­les que já pos­su­em expe­ri­ên­cia com a pecuá­ria moder­na sabem que o bem-estar dos ani­mais, sejam eles bovi­nos de cor­te ou lei­te, deve figu­rar entre os prin­ci­pais cui­da­dos ofe­re­ci­dos ao reba­nho. Con­du­zir o gado sem os cui­da­dos neces­sá­ri­os, seja para o pas­to, trans­por­te ou qual­quer outro pro­ce­di­men­to, pode aca­bar ele­van­do o nível de estres­se do ani­mal, impac­tan­do dire­ta­men­te na saú­de dos mes­mos e, con­se­quen­te­men­te, afe­tan­do nega­ti­va­men­te seu ren­di­men­to, desem­pe­nho e qua­li­da­de da carne.

Para garan­tir o melhor mane­jo dos ani­mais e con­tri­buir com uma mudan­ça no cená­rio da pecuá­ria naci­o­nal e mun­di­al, uma nova téc­ni­ca tem sido cada vez mais estu­da­da e apli­ca­da em dife­ren­tes reba­nhos ao redor do mun­do. Conhe­ci­da como “Nada nas Mãos”, o méto­do con­sis­te em uma for­ma de comu­ni­ca­ção com o bovi­no, mais leve e sutil, uti­li­zan­do ape­nas movi­men­tos corporais.

Em entre­vis­ta à Web Rádio Agro­mun­di, o mes­tre em zoo­tec­nia e exe­cu­ti­vo inter­na­ci­o­nal da Zoe­tis, Pau­lo Lou­rei­ro, que estu­da o pro­ce­di­men­to há vári­os anos, afir­mou que a téc­ni­ca, além de mais van­ta­jo­sa finan­cei­ra­men­te, tam­bém garan­te mai­or segu­ran­ça ao tra­ba­lha­dor e mais saú­de ao gado.

“O prin­ci­pal obje­ti­vo da téc­ni­ca é, pri­mei­ra­men­te, garan­tir mai­or bem-estar ao reba­nho. Temos que come­çar a enten­der que ape­nas cons­truir novas ins­ta­la­ções não asse­gu­ra a como­di­da­de do ani­mal. Tudo fun­ci­o­na como um ciclo, se o bovi­no não se sen­tir con­for­tá­vel com quem o mane­ja, ele não expres­sa­rá todo seu poten­ci­al gené­ti­co, pois seu orga­nis­mo vai estar mui­to mais pre­o­cu­pa­do em se pro­te­ger do que ele con­si­de­ra como ame­a­ça exter­na. Com mais con­for­to e um mai­or sen­ti­men­to de segu­ran­ça, o pro­du­tor con­se­gue cer­ti­fi­car, de for­ma mui­to mais fácil e rápi­da, a saú­de dos ani­mais”, garan­tiu Paulo.

Além de saú­de e con­for­to, a téc­ni­ca tam­bém apre­sen­ta con­sequên­ci­as posi­ti­vas para o aumen­to de ren­da das fazen­das. “Por não ser neces­sá­rio apli­car dinhei­ro em estru­tu­ras físi­cas, o pro­du­tor fica livre para inves­tir em remé­di­os, vaci­nas, rações, entre outros insu­mos. Com isso, é pos­sí­vel ver melho­ras no ganho de peso, aumen­to na pro­du­ção de bezer­ros e a redu­ção no núme­ro de doen­ças. Meu obje­ti­vo é fazer com que os tra­ba­lha­do­res do cam­po enten­dam o quão impor­tan­te é essa téc­ni­ca. Ao tra­tar bem o bovi­no, ele tra­rá um retor­no mui­to rápi­do ao fazen­dei­ro”, decla­rou Paulo.

A téc­ni­ca “Nada nas Mãos”, como o pró­prio nome suge­re, con­sis­te em con­du­zir os ani­mais líde­res uti­li­zan­do ape­nas o olhar e os movi­men­tos cor­po­rais, per­ma­ne­cen­do sem­pre no cam­po de visão dos mes­mos. Com isso, é pos­sí­vel con­ven­cê-los a ir para a dire­ção dese­ja­da, e o res­tan­te do reba­nho segui­rá esse coman­do. “Quan­do essa téc­ni­ca é uti­li­za­da, o pro­fis­si­o­nal con­vi­da os ani­mais para tra­ba­lha­rem com ele. Não é um coman­do, é um pedi­do”, expli­cou Paulo.

Para mais infor­ma­ções sobre a téc­ni­ca “Nada nas Mãos” e ouvir a entre­vis­ta com­ple­ta com o exe­cu­ti­vo inter­na­ci­o­nal da Zoe­tis, Pau­lo Lou­rei­ro, bas­ta aces­sar o por­tal Agro­mun­di (http://www.agromundi.com.br/), e cli­car na aba “Pod­cast”.

Rolar para cima