Monitoramento automatizado de vacas consegue identificar cio natural com precisão - Balde Branco

Tec­no­lo­gia da All­flex, mar­ca da MSD Saú­de Ani­mal Intel­li­gen­ce, con­se­gue indi­car ain­da pos­sí­veis ris­cos de doen­ças no pós-parto

 
 
 

Monitoramento automatizado de vacas consegue identificar cio natural com precisão 

Com o sis­te­ma de moni­to­ra­men­to auto­ma­ti­za­do de vacas é pos­sí­vel iden­ti­fi­car com pre­ci­são o cio natu­ral do ani­mal. A afir­ma­ção é fru­to de resul­ta­dos asser­ti­vos nas fazen­das aten­di­das com a tec­no­lo­gia de sen­so­res da All­flex, líder mun­di­al em design, desen­vol­vi­men­to, fabri­ca­ção e entre­ga de solu­ções para iden­ti­fi­ca­ção, moni­to­ra­men­to e ras­tre­a­bi­li­da­de de animais.

“Com a nos­sa tec­no­lo­gia, temos uma acu­rá­cia mui­to gran­de para afir­mar que deter­mi­na­do com­por­ta­men­to do ani­mal é um cio. E, quan­do o sis­te­ma apon­ta o cio, pla­ne­ja­mos o momen­to da inse­mi­na­ção. As fazen­das podem con­fi­ar por­que os resul­ta­dos têm sido bem asser­ti­vos, tan­to na taxa de ser­vi­ço quan­to na taxa de con­cep­ção”, afir­ma a coor­de­na­do­ra de Ter­ri­tó­rio e Res­pon­sá­vel de Moni­to­ra­men­to da MSD Saú­de Ani­mal Intel­li­gen­ce, Anna Lui­za Belli.

O sis­te­ma de moni­to­ra­men­to auto­ma­ti­za­do da empre­sa con­se­gue ain­da detec­tar pos­sí­veis ris­cos de doen­ças no pós-par­to. A vete­ri­ná­ria expli­ca ain­da que este moni­to­ra­men­to for­ne­ce nota de aler­ta de saú­de, indi­can­do se o ani­mal pre­ci­sa de aten­ção. Para o sis­te­ma ter che­ga­do a essa nota, que varia de zero a 100 para auxi­li­ar no enten­di­men­to da gra­vi­da­de do qua­dro clí­ni­co, ele res­pon­de a uma série de per­gun­tas sobre o animal.

“De uma for­ma geral, a mai­or par­te dos aler­tas acon­te­ce no dia do par­to em dian­te, que é quan­do se detec­ta os prin­ci­pais pro­ble­mas. Mas depen­den­do da situ­a­ção, o ani­mal pode apre­sen­tar alte­ra­ções ain­da antes do par­to. Des­ta for­ma, a ava­li­ção no pré-par­to já vai dar o indi­ca­ti­vo de que o ani­mal vai pre­ci­sar de cui­da­dos no pós-par­to”, comen­ta Anna Luiza.

Sen­so­res e diag­nós­ti­co de doenças

O sis­te­ma de moni­to­ra­men­to auto­ma­ti­za­do – seja por brin­co ou colar – não faz o diag­nós­ti­co da doen­ça espe­cí­fi­ca do ani­mal. A tec­no­lo­gia vai infor­mar que uma deter­mi­na­da vaca pre­ci­sa de aten­ção e, a par­tir daí, a fazen­da deve deci­dir jun­to ao seu vete­ri­ná­rio e à sua equi­pe, como fazer a ava­li­a­ção do qua­dro e, se neces­sá­rio, o tra­ta­men­to do animal.

“O que pos­so afir­mar é que quan­do o ani­mal vai apre­sen­tar algum pro­ble­ma como ceto­se, metri­te ou a pró­pria mas­ti­te, o dis­po­si­ti­vo mui­tas vezes já nos mos­tra que a rumi­na­ção caiu alguns dias antes de enxer­ga­mos os sinais clí­ni­cos. Essa é a ideia do sis­te­ma, mos­trar com ante­ce­dên­cia que aque­le ani­mal pre­ci­sa de aten­ção”, mos­tra Anna Lui­za. “O pon­to mais for­te da tec­no­lo­gia é a pre­co­ci­da­de com que as pos­sí­veis doen­ças podem ser detec­ta­das a par­tir da rumi­na­ção, já que pra­ti­ca­men­te tudo o que acon­te­ce com o ani­mal afe­ta esse com­por­ta­men­to”, completa.

A tec­no­lo­gia All­flex, que inte­gra o port­fó­lio da MSD Saú­de Ani­mal Intel­li­gen­ce, é uma ali­a­da da mão de obra da fazen­da. “A ideia é exa­ta­men­te a de ser uma fer­ra­men­ta de apoio ao sani­ta­ris­ta, que está todo dia na lida, para encon­trar o ani­mal mais rápi­do e evi­tar, por exem­plo, que essa vaca saia do lei­te. Detec­tan­do pre­co­ce­men­te o que acon­te­ce com o ani­mal, é pos­sí­vel fazer um tra­ta­men­to supor­te com anti-infla­ma­tó­rio ou um soro oral, sem pre­ci­sar neces­sa­ri­a­men­te de um anti­bió­ti­co, segu­ran­do, por exem­plo, o des­car­te de lei­te”, diz Anna Luiza.

Para fina­li­zar, ela afir­ma que o tama­nho da fazen­da não inter­fe­re na aqui­si­ção da tec­no­lo­gia. A empre­sa aten­de no Bra­sil des­de pro­du­to­res com 30 cola­res até os que pos­su­em 2 mil sen­so­res. “Aten­de­mos a todo o tipo de pro­du­tor no Brasil”.

Fon­te: Asses­so­ria de Comu­ni­ca­ção da Allflex/MSD Saú­de Animal

 

Rolar para cima