Uma espécie de “copa do mundo” dos queijos acontece 2 vezes ao ano na cidade de Tours, na França. Trata-se do Mondial du Fromage que reuniu 953 queijos de 20 países. E o Brasil deu um show à parte, mostrando com força a qualidade e superação!

 

*Qua­li­da­de* - Foram 51 meda­lhas. Uma por­cen­ta­gem mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va da pre­mi­a­ção foi con­quis­ta­da pelos minei­ros e bra­si­lei­ros de outros Esta­dos.

*Supe­ra­ção* - Pro­du­zir quei­jo arte­sa­nal no Bra­sil é um ato de resis­tên­cia, homé­ri­co e dig­no de aplau­sos. Um cipo­al de legis­la­ções difi­cul­tam o exer­cí­cio da ati­vi­da­de que além de pre­ser­var a his­tó­ria, a cul­tu­ra e tra­di­ção de um povo tam­bém per­mi­te ousar na cri­a­ti­vi­da­de e con­ce­ber quei­jos ino­va­do­res. Supe­ra­ção tam­bém, pois mui­tos des­tes quei­jos pre­mi­a­dos não pos­su­em nem auto­ri­za­ção para serem ven­di­dos den­tro de seus pró­pri­os Esta­dos, no seu pró­prio ter­ri­tó­rio naci­o­nal. Quem dirá levar pra fora do País.

 

Bra­si­lei­ro não desis­te nun­ca, com cen­te­nas de quei­jos escon­di­dos nas malas che­ga­ram em Tours nos dias 02, 03 e 04 de Junho e fize­ram boni­to pela nação bra­si­lei­ra abrilhantado‑a no cená­rio inter­na­ci­o­nal.

Rolar para cima