Mapa mostra como evitar resíduos em alimentos e resistência a remédios - Balde Branco

A resis­tên­cia medi­ca­men­to­sa de deter­mi­na­das bac­té­ri­as é um tema que pre­o­cu­pa a saú­de públi­ca no mun­do todo. Na Euro­pa, por exem­plo, ocor­rem por cer­ca de 33 mil mor­tes por ano decor­ren­tes de infec­ções cau­sa­das por super­bac­té­ri­as, pois não há medi­ca­men­tos para com­ba­tê-las. Anti­bió­ti­cos e anti­pa­ra­si­tá­ri­os uti­li­za­dos na pro­du­ção ani­mal de for­ma des­con­tro­la­da podem agra­var o quadro

 
 

Boas práticas: Mapa mostra como evitar resíduos em alimentos e resistência a remédios 

O uso cor­re­to de pro­du­tos vete­ri­ná­ri­os na pro­du­ção ani­mal é impres­cin­dí­vel para evi­tar a pre­sen­ça de resí­du­os em ali­men­tos e a resis­tên­cia a medi­ca­men­tos, per­mi­tin­do que doen­ças fujam do con­tro­le. Para esti­mu­lar as boas prá­ti­cas nes­sa área, a Comis­são de Edu­ca­ção Sani­tá­ria do Esta­do de São Pau­lo, coor­de­na­da pela Supe­rin­ten­dên­cia Fede­ral de Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to no Esta­do (SFA-SP/­MA­PA), lan­ça no final do mês o livro “Diá­lo­gos para boas prá­ti­cas no uso de pro­du­tos vete­ri­ná­ri­os na pro­du­ção animal”.

A resis­tên­cia medi­ca­men­to­sa de deter­mi­na­das bac­té­ri­as é um tema que pre­o­cu­pa a saú­de públi­ca no mun­do todo. Na Euro­pa, por exem­plo, ocor­rem por cer­ca de 33 mil mor­tes por ano decor­ren­tes de infec­ções cau­sa­das por super­bac­té­ri­as, pois não há medi­ca­men­tos para com­ba­tê-las. Anti­bió­ti­cos e anti­pa­ra­si­tá­ri­os uti­li­za­dos na pro­du­ção ani­mal de for­ma des­con­tro­la­da podem agra­var o quadro.
 
O livro será lan­ça­do duran­te o 1º Fórum de Edu­ca­ção e Comu­ni­ca­ção em Saú­de Úni­ca, que acon­te­ce nes­ta quin­ta e sex­ta-fei­ra (dias 29 e 30 de julho), de for­ma vir­tu­al. O even­to vai deba­ter os desa­fi­os e con­quis­tas da edu­ca­ção sani­tá­ria no Esta­do de São Pau­lo. A Comis­são de Edu­ca­ção Sani­tá­ria, que orga­ni­zou o livro e o fórum, é for­ma­da por cola­bo­ra­do­res de ins­ti­tui­ções públi­cas e pri­va­das e tem como mis­são a “Arti­cu­la­ção inte­rins­ti­tu­ci­o­nal para incen­ti­var e fomen­tar estra­té­gi­as de edu­ca­ção sani­tá­ria visan­do a pro­mo­ção de Saú­de Úni­ca no setor agropecuário”.
 
COMU­NI­CA­ÇÃO CONTEMPORÂNEA
 
Na ver­da­de, o livro é um arran­jo mul­ti­mí­dia que agre­ga men­sa­gens de tex­to, de voz, info­grá­fi­cos e car­ta­zes para serem usa­dos por edu­ca­do­res nas rela­ções ensi­no-apren­di­za­gem com pro­du­to­res rurais. A audi­to­ra fis­cal fede­ral agro­pe­cuá­ria Juli­a­na do Ama­ral Morei­ra Vaz, uma das auto­ras da publi­ca­ção cole­ti­va, dis­se que a obra ofe­re­ce uma expe­ri­ên­cia com­ple­ta­men­te ino­va­do­ra aos usuários. 
“É um mate­ri­al dife­ren­ci­a­do. Extra­po­la a lin­gua­gem tex­tu­al e ino­va na pro­po­si­ção de men­sa­gens de voz, de tex­to, info­grá­fi­cos e car­ta­zes que podem ser apli­ca­dos nos diá­lo­gos entre pro­fis­si­o­nais da assis­tên­cia téc­ni­ca e pro­du­to­res rurais”, falou. Além dis­so, Juli­a­na lem­bra que a obra tem um for­te com­po­nen­te edu­ca­ti­vo, trans­mi­ti­do de manei­ra sim­ples e atra­en­te aos edu­ca­do­res e educandos. 
 
Outro autor da publi­ca­ção, o pro­fes­sor Luís Fer­nan­do Soa­res Zuin, do Depar­ta­men­to de Enge­nha­ria de Bios­sis­te­mas da Facul­da­de de Zoo­tec­nia e Enge­nha­ria de Ali­men­tos da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (FZEA-USP), dis­se que o livro só foi via­bi­li­za­do por­que uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar tra­ba­lhou de manei­ra cola­bo­ra­ti­va. “Essa é a gran­de for­ta­le­za des­te livro, que ofer­ta con­jun­tos de ações peda­gó­gi­cas e mate­ri­ais didá­ti­cos para serem empre­ga­dos na edu­ca­ção no cam­po no tema do uso cor­re­to dos pro­du­tos vete­ri­ná­ri­os”, afirmou. 
Segun­do ele, o livro é uma gran­de cai­xa de fer­ra­men­tas, con­ten­do qua­se três cen­te­nas de mídi­as nos for­ma­tos de info­grá­fi­cos, car­ta­zes, men­sa­gens de voz e tex­to. “Essas mídi­as pode­rão ser usa­das de for­ma remo­ta pelo téc­ni­co no cam­po, que deve assu­mir o seu papel como Edu­ca­dor. Com isso, pode aju­dar a desen­vol­ver um ambi­en­te rural que pre­co­ni­ze a Saú­de Úni­ca, dos ani­mais, pes­so­as e biomas.”
Recen­te­men­te, a impor­tân­cia de ações de edu­ca­ção sani­tá­ria ficou evi­den­te no inte­ri­or do Acre, quan­do foi detec­ta­da a ocor­rên­cia de moni­lía­se do cacau­ei­ro numa área resi­den­ci­al urba­na em Cru­zei­ro do Sul. “A iden­ti­fi­ca­ção ocor­reu em área urba­na por cida­dão que rece­beu edu­ca­ção sani­tá­ria”, expli­cou Juli­a­na. Por isso, trei­nar os téc­ni­cos e edu­car os pro­du­to­res é fun­da­men­tal para evi­tar pro­ble­mas como a resis­tên­cia medicamentosa.
 
Quem qui­ser acom­pa­nhar o even­to e saber mais sobre a publi­ca­ção pode se ins­cre­ver no fórum de for­ma gra­tui­ta pela pla­ta­for­ma Ena­gro Vir­tu­al. As pales­tras vão ocor­rer no perío­do da tar­de, das 14h às 18h30. O lan­ça­men­to do livro será a par­tir das 15h20 do dia 30 de julho, em link que será infor­ma­do a quem fizer a ins­cri­ção até 16h do dia 29/07.
 

SER­VI­ÇO: 

1º Fórum de Edu­ca­ção e Comu­ni­ca­ção em Saú­de Única

Onde: Ambi­en­te virtual

Quan­do: Dias 29 e 30 de julho, das 14h às 18h30

Públi­co: Pro­fis­si­o­nais dos seto­res públi­co e pri­va­do que rea­li­zam ati­vi­da­des de edu­ca­ção sani­tá­ria e defe­sa sani­tá­ria agro­pe­cuá­ria, assim como outros pro­fis­si­o­nais que atu­am como mul­ti­pli­ca­do­res na dis­se­mi­na­ção do conhe­ci­men­to jun­to ao setor pro­du­ti­vo agropecuário.

Ins­cri­ções gra­tui­tashttps://sistemasweb.agricultura.gov.br/avaenagro/mod/page/view.php?id=1715

Fon­te: Ana Maio — Jor­na­lis­ta da Supe­rin­ten­dên­cia Fede­ral de Agri­cul­tu­ra de São Pau­lo – SFA-SP

Rolar para cima