Leite valorizado no mercado internacional - Balde Branco

O resul­ta­do do lei­lão GDT do dia 1º de novem­bro apre­sen­tou ele­va­da alta de 11,4% com pre­ços médi­os de lác­te­os em US$ 3.327/t. A prin­ci­pal jus­ti­fi­ca­ti­va para o aumen­to de pre­ços foi a que­da na pro­du­ção na Nova Zelân­dia na pri­mei­ra meta­de de outu­bro, devi­do a pro­ble­mas cli­má­ti­cos. Assim, a ofer­ta mun­di­al de lei­te con­ti­nu­ou cain­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, enquan­to a deman­da per­ma­ne­ceu rela­ti­va­men­te estável.

O lei­te em pó des­na­ta­do teve alta de 6,5%, sen­do comer­ci­a­li­za­do a US$ 2.329/t, enquan­to o lei­te em pó inte­gral teve expres­si­va alta de 19,8%, sen­do comer­ci­a­li­za­do a US$ 3.317/t. A man­tei­ga apre­sen­tou alta de 4,0%, sen­do comer­ci­a­li­za­da a US$ 4.146/t; o quei­jo ched­dar apre­sen­tou esta­bi­li­da­de, de 0,9%, sobre o últi­mo lei­lão, fechan­do a um pre­ço médio de US$ 3.332/t. Os pre­ços nego­ci­a­dos nes­se lei­lão são refe­rên­cia para o mer­ca­do inter­na­ci­o­nal de lácteos.

Os con­tra­tos para entre­ga futu­ra de lei­te em pó inte­gral apre­sen­ta­ram rea­ção posi­ti­va nas vari­a­ções até maio de 2017. Des­ta­can­do-se os meses de dezem­bro de 2016 e feve­rei­ro de 2017 com expres­si­va alta nas cota­ções. Os con­tra­tos do pro­du­to indi­cam pre­ços futu­ros osci­lan­do entre US$ 3.274/t e US$ 3.745/t, segun­do infor­ma­ções do Glo­bal Dairy Trade.

Rolar para cima