De 2005 a 2015, a ati­vi­da­de lei­tei­ra deu sinais de mai­or efi­ci­ên­cia, com reba­nho cres­cen­do 19% e o volu­me em 57%. Na região Sul estão os prin­ci­pais des­ta­ques

Minas Gerais, Rio Gran­de do Sul, Para­ná, Goiás, San­ta Cata­ri­na e São Pau­lo são os esta­dos que mais produ­zem lei­te no País. A esti­ma­ti­va é que jun­tos proporciona­ram um volu­me total de 28,1 bilhões de litros em 2015, repre­sen­tan­do 80% do lei­te naci­o­nal. Em 2005, a pro­du­ção soma­da des­ses seis esta­dos era de 17,9 bilhões de litros de lei­te, o que sig­ni­fi­ca­va 73% do total. Quer dizer, aumen­tou a impor­tân­cia des­ses seis esta­dos na pro­du­ção total.

Outro indi­ca­dor: em 10 anos a ati­vi­da­de lei­tei­ra se espe­cializou, com cres­ci­men­to de 19% do reba­nho de vacas orde­nhadas e de 57% da quan­ti­da­de de lei­te pro­du­zi­do. Na figu­ra 1 obser­vam-se os per­cen­tu­ais de cres­ci­men­to do reba­nho e da pro­du­ção de lei­te. Na figu­ra 2 estão os núme­ros de volu­me de lei­te pro­du­zi­do em 2005 e em 2015.

O cres­ci­men­to do reba­nho, em ter­mos per­cen­tu­ais, foi mai­or no esta­do de San­ta Cata­ri­na, de 53%, e a pro­du­ção de lei­te dobrou no perío­do, pas­san­do de 1,6 bilhão para 3,1 bilhões de litros de lei­te (figu­ras 1 e 2). No Rio Gran­de do Sul, o volu­me de lei­te tam­bém dobrou, pas­sou de 2,5 bilhões para 5,0 bilhões, enquan­to a incor­po­ra­ção de vacas orde­nha­das foi de 28%. O Esta­do do Para­ná tam­bém teve um gran­de cres­ci­men­to na quan­ti­da­de de lei­te pro­du­zi­da, sain­do de 2,6 bilhões para 4,8 bilhões em 2015, enquan­to o reba­nho aumen­tou 27% no perío­do.

617-rosangela-figura1-2
Minas Gerais, que é o mai­or esta­do pro­dutor de lei­te, cres­ceu em volu­me 38%, o que repre­sen­tou um acrés­ci­mo de 2,6 bilhões de litros, que é a mai­or vari­a­ção abso­lu­ta quan­do com­pa­ra­do com outros esta­dos bra­si­lei­ros. Essa gran­de capa­ci­da­de de cres­ci­men­to da pro­du­ção foi seme­lhan­te ao desem­pe­nho do Rio Gran­de do Sul, com acrés­ci­mo de 2,5 bilhões, e do Para­ná, com 2,2 bilhões de litros. Já o reba­nho lei­tei­ro do Esta­do de Goiás aumen­tou 14%, en­quanto a pro­du­ção de lei­te, 40%, o que sig­ni­fi­ca 1,1 bilhão de litros em 10 anos, ou cer­ca de 107 milhões de litros por ano.

Entre os esta­dos que mais pro­du­zem lei­te no País, São Pau­lo teve peque­na mudan­ça no volu­me pro­du­zi­do. Em 2005 pro­du­zia 1,7 bilhão e, em 2015, pas­sou a 1,8 bilhão de litros de lei­te. Ape­sar do peque­no cres­ci­men­to do volu­me, ocor­reu melho­ra dos sis­te­mas de pro­du­ção em con­sequên­cia da redu­ção em 21% do reba­nho de vacas orde­nha­das, aumen­to em 6% da pro­dução e a pro­du­ti­vi­da­de por ani­mal pas­sou de 1.066 litros/vaca/ano para 1.435 litros/vaca/ano, que é um incre­men­to de 34% em pro­du­ti­vi­da­de.

Algu­mas regiões do Sul dobra­ram a produ­ção
Os melho­res índi­ces de pro­du­ti­vi­da­de por ani­mal ocor­re­ram no Rio Gran­de do Sul, que obte­ve média de 3.246 litros/vaca/ano, com cres­ci­men­to de 58% no perío­do cita­do. A média de pro­du­ção por vaca em 2015 foi mui­to seme­lhan­te no Para­ná, com 2.800 litros/vaca/ ano, e em San­ta Cata­ri­na, com 2.830 litros/ano. Minas Gerais, com pro­du­ti­vi­da­de de 1.643 litros/vaca/ano teve índi­ce pou­co supe­ri­or à média bra­si­lei­ra, que foi de 1.525 litros.

Na tabe­la 1 se obser­va as mesor­re­giões mais pro­du­to­ras nos esta­dos com mai­or volu­me de lei­te. Estão em des­ta­que no mapa, 16 mesor­re­giões que pro­du­zi­ram 19,1 bilhões de litros de lei­te em 2015, ou seja, 53% do lei­te bra­si­lei­ro. O aumen­to de volu­me des­sas mesor­re­giões, duran­te os 10 anos, equi­va­le a uma média anu­al de 799 milhões de litros.

No Rio Gran­de do Sul, 67% do lei­te foi oriun­do do Noro­es­te gaú­cho, que pro­du­ziu 3,3 bilhões de litros em 2015. Esse volu­me é mais do dobro do que foi pro­du­zi­do em 2005, 1,5 bilhão de litros. A dife­ren­ça, que repre­sen­tou o acrés­ci­mo no lei­te gaú­cho de 1,8 bilhão de litros, é equi­va­len­te à incor­po­ra­ção diá­ria de um pro­du­tor de lei­te de 507 litros na mesor­re­gião.

Em San­ta Cata­ri­na, a mesor­re­gião do Oes­te cata­ri­nen­se pro­du­ziu 2,4 bilhões de litros por ano, que repre­sen­tou 75% da pro­du­ção de todo o Esta­do. O cres­ci­men­to da pro­du­ção de lei­te na mesor­re­gião foi de 114% em rela­ção a 2005 (tabe­la 1). É como dizer que sur­giu a cada dia um pro­du­tor de 345 litros duran­te 10 anos.

617-rosangela-tabela1
No Para­ná, duas mesor­re­giões pro­du­zi­ram mais de 1 bilhão de litros de lei­te em 2015, que foram o Oes­te e o Sudo­es­te do Esta­do. Outras duas mesor­re­giões que tam­bém se des­ta­ca­ram no lei­te foram a Cen­tro-Ori­en­tal e o Cen­tro-Sul, com volu­me de 635 milhões de litros em cada uma delas. No con­jun­to, as qua­tro mesor­re­giões pro­du­zi­ram 3,5 bilhões de litros, que repre­sen­tou 74% da pro­du­ção esta­du­al. Na mesor­re­gião Cen­tro Orien­tal, a pro­du­ti­vi­da­de média por vaca orde­nha­da foi de 4.765 litros/ano, que tra­duz o melhor índi­ce no País.

Minas Gerais, que pro­duz anu­al­men­te 9,5 bilhões de litros de lei­te, tem como áre­as de mai­or con­cen­tra­ção o Tri­ân­gu­lo Mineiro/Alto Para­naí­ba, com 2,5 bilhões de litros, e o Sul/Sudoeste de Minas, com 1,5 bilhão de litros. Na mesor­re­gião Cen­tral Minei­ra e no Vale do Rio Doce, o volu­me foi em média de 890 milhões de litros/ano. Nas qua­tro mesor­re­giões des­ta­ca­das foram pro­du­zi­dos 60% do lei­te minei­ro.

Das mesor­re­giões do Esta­do de Goiás, des­ta­ca-se o Sul, com 1,9 bilhão, e o Cen­tro, com 1,1 bilhão. Jun­tas pro­du­zi­ram 81% do lei­te do Esta­do. No Esta­do de São Pau­lo, qua­tro mesor­re­giões pro­du­zi­ram 1,1 bilhão de litros de lei­te, com média de 260 milhões de litros em cada uma delas, que foram: Cam­pi­nas, São José do Rio Pre­to, Vale do Paraí­ba e Pre­si­den­te Pru­den­te. Em 10 anos, a mesor­região de São José do Rio Pre­to apre­sen­tou redu­ção da pro­du­ção de lei­te de 94 milhões de litros, pas­san­do de 374 milhões para 279 milhões em 2015, equi­va­len­te ao desa­pa­re­ci­men­to sema­nal de um pro­du­tor de 176 litros.

Os seis cita­dos esta­dos com mai­or volu­me de lei­te pas­sa­ram a pro­du­zir cer­ca de 8 bilhões de litros de lei­te em 10 anos, volu­me equi­va­len­te a 3,5 vezes a pro­du­ção do Uru­guai e a 71% da pro­du­ção da Argen­ti­na, que são os dois paí­ses mais expor­ta­do­res de lác­te­os para o Bra­sil. Esses dados mos­tram que o Bra­sil tem gran­de capa­ci­da­de de cres­ci­men­to para atu­ar no mer­ca­do inter­na­ci­o­nal. Então, qual é a pro­pos­ta do setor para ser reco­nhe­ci­do como um dos seto­res mais impor­tan­tes do agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro?

Rolar para cima