Leite com valor agregado faz a diferença do setor - Balde Branco

Entre as novas ten­dên­ci­as da indús­tria de lati­cí­ni­os, ganham des­ta­que os pro­du­tos com valor agre­ga­do, um seg­men­to que con­quis­ta cada vez mais consumidores

Com cer­ca de 35 bilhões de litros de lei­te por ano, o Bra­sil é o sex­to mai­or pro­du­tor do mun­do, fican­do atrás ape­nas de Esta­dos Uni­dos, Índia, Chi­na, Rús­sia e Ale­ma­nha. E entre os paí­ses con­su­mi­do­res está entre os 15 mai­o­res, o que sig­ni­fi­ca um expres­si­vo poten­ci­al para a indús­tria do setor, fato que vem sen­do con­fe­ri­do não só por lati­cí­ni­os mul­ti­na­ci­o­nais que se ins­ta­lam por aqui, como tam­bém por pro­du­to­res estran­gei­ros que têm inves­ti­do em pro­je­tos arro­ja­dos, cer­tos de que o re­torno será mui­to mai­or do que se fizes­sem o mes­mo em seus paí­ses de origem.

De olho nes­te cená­rio de oportunida­des, a Tetra Pak rea­li­zou um semi­ná­rio on-line no últi­mo dia 28 de novem­bro, des­ta­can­do a impor­tân­cia do lei­te com valor agre­ga­do, uma novi­da­de que abre cada vez mais espa­ço nas gôn­do­las e, ao mes­mo tem­po, ofe­re­ce tec­no­lo­gi­as de pro­ces­sa­men­to de maté­ria-pri­ma que per­mi­tem for­mu­la­ções de pro­du­tos até então iné­di­tos no mer­ca­do. “Com isso, esta­mos dian­te de lác­te­os que ali­am pra­ticidade de con­su­mo à qua­li­da­de nutricio­nal”, infor­ma Bea­triz de Araú­jo Lou­rei­ro, res­pon­sá­vel pela área de mar­ke­ting de lác­te­os da empresa.

Segun­do ela, tal com­bi­na­ção é, hoje, um dos prin­ci­pais estí­mu­los para o cres­ci­men­to do setor, impul­si­o­na­do prin­cipalmente pela deman­da por pro­du­tos sau­dá­veis. Um dos des­ta­ques do even­to foi a apre­sen­ta­ção de macro­ten­dên­ci­as glo­bais, boa par­te delas, vol­ta­da espe­cialmente para a fide­li­za­ção de cli­en­tes. Con­ve­ni­ên­cia, sim­pli­fi­ca­ção e solu­ções cus­to­mi­za­das foram as mais abor­da­das. Segun­do ela, o con­su­mi­dor se mos­tra sem tem­po, mas dis­pos­to a com­prar pro­du­tos espe­cí­fi­cos que o aten­dam onde estiver.

“O con­cei­to de con­su­mo on the go é cada vez mais uma neces­si­da­de na roti­na das pes­so­as e, por isso, a esco­lha do de­sign e for­ma­to da emba­la­gem se tor­nou tão rele­van­te. Nes­se sen­ti­do, as empre­sas pre­ci­sam ino­var e tra­zer opções que sim­plifiquem a vida do seu tar­get”, afir­ma ela. Por este moti­vo, lei­tes que apre­sen­tam dife­ren­ci­ais, como a opção zero lac­to­se ou enri­que­ci­dos com pro­teí­nas e fibras, pos­su­em gran­de poten­ci­al de expan­são”, dis­se, expli­can­do que Índia, Esta­dos Uni­dos e Chi­na têm pro­va­do que as pes­so­as estão dis­pos­tas a pagar mais por pro­du­tos específicos.

Nes­se sen­ti­do, duran­te sua apresenta­ção, mos­trou emba­la­gens de pro­du­tos de dife­ren­tes paí­ses, todos eles, mar­ca­dos por ino­va­ções em suas for­mulações ou emba­la­gens. Para ela, a Espa­nha é um dos melho­res exem­plos, com uma linha de pro­du­tos que ofe­re­ce uma sofistica­da ofer­ta de lác­te­os, com vari­a­ções que envol­vem dife­ren­tes índi­ces de gor­dura, pro­teí­na e lac­to­se, além de incor­po­rar outros com­po­nen­tes. “Lei­te des­natado, de zero lac­to­se e com mais pro­teí­na são opções dis­po­ní­veis por lá, assim como lei­te orgâ­ni­co com sabor”, exem­pli­fi­cou. No Bra­sil, essa rea­li­da­de tam­bém vem se compro­vando a cada ano, pro­va de que nos­sas indús­tri­as estão aten­tas às ten­dên­ci­as do mer­ca­do mundial.

—————

Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 628, de feve­rei­ro 2017

Rolar para cima