Laboratório do Ital amplia capacidade de pesquisa e desenvolvimento - Balde Branco

Nova estru­tu­ra inte­gra área de Bio­tec­no­lo­gia do Cen­tro de Tec­no­lo­gia de Lati­cí­ni­os do órgão da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra de SP

 
 
 
 

Laboratório do Ital amplia capacidade de pesquisa e desenvolvimento de bactérias láticas e probióticas 

Dian­te da cres­cen­te deman­da dos con­su­mi­do­res por ali­men­tos fer­men­ta­dos e fun­ci­o­nais, o Ins­ti­tu­to Tec­no­lo­gia de Ali­men­tos (Ital), vin­cu­la­do à Agên­cia Pau­lis­ta de Tec­no­lo­gia dos Agro­ne­gó­ci­os (Apta) da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra e Abas­te­ci­men­to do Esta­do de São Pau­lo, aca­ba de inau­gu­rar o Labo­ra­tó­rio de Fer­men­ta­ções na área de Bio­tec­no­lo­gia de seu Cen­tro de Tec­no­lo­gia de Lati­cí­ni­os (Tec­no­lat).

Vol­ta­da a estu­dos da pro­du­ção de fer­men­tos em esca­la labo­ra­to­ri­al, a nova estru­tu­ra amplia a capa­ci­da­de de pes­qui­sa e desen­vol­vi­men­to de novos pro­ces­sos e pro­du­tos que envol­vem bac­té­ri­as láti­cas e pro­bió­ti­cas, prin­ci­pal­men­te bio­mas­sa e mei­os de cul­tu­ra de menor cus­to, como aque­les à base de soro de quei­jo. Entre recur­sos huma­nos e infra­es­tru­tu­ra, o inves­ti­men­to é de R$ 209 mil den­tro do Pla­no de Desen­vol­vi­men­to Ins­ti­tu­ci­o­nal em Pes­qui­sa (PDIP), finan­ci­a­do pela Fun­da­ção de Ampa­ro à Pes­qui­sa do Esta­do de São Pau­lo (Fapesp). A inau­gu­ra­ção faz par­te do Pro­gra­ma de Metas do gover­no estadual.

“O gran­de inte­res­se do públi­co pela vari­e­da­de de ali­men­tos e bebi­das que pri­o­ri­zem a saú­de tem desa­fi­a­do a indús­tria a pro­du­zir gran­des quan­ti­da­des de cul­tu­ras viá­veis que sejam fun­ci­o­nais e está­veis duran­te o pro­ces­sa­men­to das maté­ri­as-pri­mas e o arma­ze­na­men­to de pro­du­tos, além de serem aces­sí­veis para as dife­ren­tes clas­ses soci­ais e ambi­en­tal­men­te sus­ten­tá­veis”, res­sal­ta a pes­qui­sa­do­ra res­pon­sá­vel pelo novo labo­ra­tó­rio e dire­to­ra do Tec­no­lat, Adri­a­na Torres.

Segun­do Adri­a­na, as bac­té­ri­as áci­do láti­cas (BAL) e pro­bió­ti­cas têm nume­ro­sas apli­ca­ções na indús­tria de ali­men­tos e far­ma­cêu­ti­ca, sen­do ampla­men­te uti­li­za­das tan­to para pro­du­ção de deri­va­dos lác­te­os e suple­men­tos ali­men­ta­res quan­to para tra­zer carac­te­rís­ti­cas tec­no­ló­gi­cas duran­te o pro­ces­sa­men­to como a bio­con­ser­va­ção, ou seja, con­ser­va­ção de ali­men­tos e bebi­das por méto­dos bio­ló­gi­cos. “A neces­si­da­de do Labo­ra­tó­rio de Fer­men­ta­ções par­tiu da difi­cul­da­de em pro­du­zir cul­tu­ras de BAL em lar­ga esca­la por serem micror­ga­nis­mos fas­ti­di­o­sos: a pro­du­ção de bio­mas­sa com con­cen­tra­ções de 1010 célu­las viá­veis por gra­ma ou mili­li­tro impli­ca usar os mais diver­sos mei­os de cul­ti­vo, ade­qua­dos para cada espé­cie”, explica.

Com cli­ma­ti­za­ção e infor­ma­ti­za­da, a nova estru­tu­ra é com­pos­ta por um fer­men­ta­dor de ban­ca­da (com um bior­re­a­tor), um sis­te­ma de moni­to­ra­men­to con­tí­nuo de aci­di­fi­ca­ção e incu­ba­do­ras com agi­ta­ção. Além de um fer­men­ta­dor com um con­jun­to de seis bior­re­a­to­res auto­má­ti­cos, que tra­ba­lham de for­ma inde­pen­den­te para con­tro­le de dife­ren­tes parâ­me­tros (como pH, agi­ta­ção, tem­pe­ra­tu­ra e oxi­ge­na­ção) e moni­to­ra­men­to do desem­pe­nho dos pro­ces­sos em tem­po real. Este fer­men­ta­dor com seis bior­re­a­to­res está sen­do uti­li­za­do pela Bioin­Fo­od, star­tup ins­ta­la­da no Tec­no­lat atra­vés de con­vê­nio de coo­pe­ra­ção cien­tí­fi­ca com o Ital para desen­vol­vi­men­to de pro­bió­ti­cos para apli­ca­ção em bases lác­te­as e de frutas.

Atra­vés de pro­je­to de pós-dou­to­ra­do já ini­ci­a­do, via PDIP, está em desen­vol­vi­men­to ain­da exper­ti­se para ini­ci­ar a pro­du­ção de fer­men­tos láti­cos em esca­la labo­ra­to­ri­al com meio de cul­ti­vo com menor cus­to do que os con­ven­ci­o­nais para pro­du­ção de bio­mas­sa de bac­té­ri­as láti­cas e pro­bió­ti­cas. “Pode ser o pon­to de par­ti­da para a imple­men­ta­ção da pro­du­ção comer­ci­al de cul­tu­ras láti­cas no Tec­no­lat, for­ne­cen­do um novo tipo de pres­ta­ção de ser­vi­ços aos pro­du­to­res bra­si­lei­ros de deri­va­dos lác­te­os, bebi­das fun­ci­o­nais e suple­men­tos ali­men­ta­res”, deta­lha a dire­to­ra da uni­da­de téc­ni­ca, que con­ta tam­bém com um medi­dor de ati­vi­da­de de água, um lio­fi­li­za­dor, um mini spray dryer e dois bio­fre­e­zers na área de Biotecnologia.

Para que o labo­ra­tó­rio entras­se em ope­ra­ção, a equi­pe téc­ni­ca ampli­ou seus conhe­ci­men­tos com trei­na­men­to rea­li­za­do pelo espe­ci­a­lis­ta argen­ti­no Gabri­el Vin­de­ro­la, dou­tor em Quí­mi­ca, pes­qui­sa­dor inde­pen­den­te do Con­se­lho Naci­o­nal de Pes­qui­sas Cien­tí­fi­cas e Téc­ni­cas (Coni­cet) do Ins­ti­tu­to de Lac­to­lo­gia Indus­tri­al e pro­fes­sor adjun­to da Uni­ver­si­da­de Naci­o­nal do Lito­ral (UNL). A visi­ta e capa­ci­ta­ção tam­bém foi fru­to de inves­ti­men­to via PDIP.

Sobre o Ital

Loca­li­za­do em Campinas/SP, o Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia de Ali­men­tos (Ital) rea­li­za pes­qui­sa, desen­vol­vi­men­to, assis­tên­cia tec­no­ló­gi­ca e difu­são do conhe­ci­men­to nas áre­as de emba­la­gem e de pro­ces­sa­men­to, con­ser­va­ção e segu­ran­ça de ali­men­tos e bebidas.

Fun­da­do em 1963, vin­cu­la­do à Agên­cia Pau­lis­ta de Tec­no­lo­gia dos Agro­ne­gó­ci­os (Apta) da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra e Abas­te­ci­men­to do Esta­do, o Ital pos­sui uni­da­des téc­ni­cas espe­ci­a­li­za­das em car­nes, pro­du­tos de pani­fi­ca­ção, cere­ais, cho­co­la­tes, balas, con­fei­tos, lati­cí­ni­os, fru­tas, hor­ta­li­ças e emba­la­gens, sen­do cer­ti­fi­ca­do na ISO 9001 com par­te dos ensai­os acre­di­ta­dos na ISO/IEC 17025.

Por meio do Cen­tro de Ino­va­ção em Pro­teí­na Vege­tal, do Núcleo de Ino­va­ção Tec­no­ló­gi­ca e da Pla­ta­for­ma de Ino­va­ção Tec­no­ló­gi­ca, o Ital esti­mu­la ali­an­ças estra­té­gi­cas para ino­va­ção e pro­je­tos de coo­pe­ra­ção. Pos­sui ain­da Pro­gra­ma de Pós-Gra­du­a­ção apro­va­do pela Coor­de­na­ção de Aper­fei­ço­a­men­to de Pes­so­al de Nível Supe­ri­or (Capes).

Outras infor­ma­ções estão dis­po­ní­veis no site https://www.ital.agricultura.sp.gov.br.

Fon­te: Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra e Abas­te­ci­men­to do Esta­do de São Paulo