Jersey cresce em volume e mantém sólidos - Balde Branco

A maioria dos produtores brasileiros da raça, junto com as centrais de inseminação, tem estado atenta às questões fertilidade e longevidade (aprumos, úbere e saúde)

MELHORAMENTO GENÉTICO

JERSEY CRESCE

em volume e mantém sólidos

Melhoramento genético da raça mostra evolução no Brasil e no exterior 

Luiz H. Pitombo

Dados do con­tro­le lei­tei­ro ofi­ci­al for­ne­ci­dos pela Asso­ci­a­ção dos Cri­a­do­res de Gado Jer­sey do Bra­sil mos­tram que a média atu­al de pro­du­ção dos reba­nhos con­tro­la­dos cres­ceu em fun­ção do melho­ra­men­to e está em 6.830 kg de lei­te ajus­ta­dos aos 305 dias, média de 22,40 kg/dia, com 4,56% de gor­du­ra e 3,65% de proteína.

Nos últi­mos sete anos essa quan­ti­da­de aumen­tou em 1.000 kg de lei­te na lac­ta­ção em 305 dias, ou 17% a mais, mas com a manu­ten­ção dos teo­res de sóli­dos que são carac­te­rís­ti­cas nor­mal­men­te antagô­ni­cas. Isso mos­tra o poten­ci­al típi­co da raça e que os cri­a­do­res esti­ve­ram aten­tos não só às quan­ti­da­des de lei­te, mas tam­bém aos teo­res de sóli­dos, que em baci­as lei­tei­ras mais estru­tu­ra­das mere­cem paga­men­to diferenciado. 

No Rio Gran­de do Sul, por exem­plo, enquan­to o pre­ço de refe­rên­cia do Cepea (Esalq/USP) rece­bi­do em feve­rei­ro esta­va em R$ 1,97/litro de lei­te, pro­du­to­res da raça Jer­sey rece­bi­am uma boni­fi­ca­ção por pro­teí­na e gor­du­ra, ele­van­do o valor para per­to de R$ 2,36/litro, ou R$ 2.360,00 a mais numa lac­ta­ção, se con­si­de­ra­da só a evo­lu­ção gené­ti­ca iden­ti­fi­ca­da no con­tro­le leiteiro. 

“Não é raro rece­ber­mos ani­mais com lac­ta­ções encer­ra­das de 9.000 kg de lei­te ou mais”, afir­ma o médi­co vete­ri­ná­rio Pau­lo Hen­ri­que de Sou­za, supe­rin­ten­den­te do Ser­vi­ço de Regis­tro Gene­a­ló­gi­co da enti­da­de. Con­tan­do com per­to de 2.400 ani­mais con­tro­la­dos, núme­ro este que vem aumen­tan­do, no ano pas­sa­do a mai­or lac­ta­ção da raça ren­deu 12.481 kg em 305 dias, ou uma média de 40,92 kg/dia com 4,23% de gor­du­ra e 3,65% de pro­teí­na. A segun­da mai­or lac­ta­ção foi a de 11.074 kg de lei­te em 305 dias, com média de 36,30 kg/dia e teo­res de 4,54% de gor­du­ra e 3,46% de pro­teí­na. É cada vez mais fre­quen­te a intro­du­ção de ani­mais da raça ou cru­za­dos em reba­nhos para puxar o teor de sóli­dos no tanque.

Para continuar lendo, assine nossa revista

Rolar para cima