Os dados do novo rela­tó­rio com­pro­vam a pre­sen­ça da IA em todo o ter­ri­tó­rio naci­o­nal. Os regis­tros apon­tam a uti­li­za­ção da IA em 4.286 muni­cí­pi­os, o que repre­sen­ta 77% de todos os muni­cí­pi­os brasileiros

Index-Asbia aponta crescimento de 28% no mercado de inseminação artificial

A Asbia (Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al) apre­sen­ta, nes­ta segun­da-fei­ra (08), o novo INDEX Asbia 2020, com um balan­ço pre­ci­so do setor de inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al (IA) em bovi­nos ao lon­go do ano de 2020 no Brasil.

Os dados do novo rela­tó­rio com­pro­vam a pre­sen­ça da IA em todo o ter­ri­tó­rio naci­o­nal. Os regis­tros apon­tam a uti­li­za­ção da IA em 4.286 muni­cí­pi­os, o que repre­sen­ta 77% de todos os muni­cí­pi­os brasileiros.

O rela­tó­rio ana­li­sou 143.325 infor­ma­ções indi­vi­du­ais para gerar os resul­ta­dos, sen­do 38.845 do 4º tri­mes­tre de 2020. Além dis­so, foram uti­li­za­das 125.734 infor­ma­ções para a for­mu­la­ção dos dados muni­ci­pa­li­za­dos, que expres­sam os aspec­tos da inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al em nível muni­ci­pal. A aná­li­se dos dados seg­men­ta­da por muni­cí­pio foi intro­du­zi­da nos demais rela­tó­ri­os divul­ga­dos pela Asbia em 2020.

“Os resul­ta­dos mar­cam defi­ni­ti­va­men­te a inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al como uma das fer­ra­men­tas fun­da­men­tais para o futu­ro da pecuá­ria no Bra­sil, e colo­cam o país num pata­mar mui­to impor­tan­te no cená­rio mundial.

Em 5 anos, pas­sa­mos de menos de 13 milhões de doses para 21,5 milhões de doses ven­di­das ao cli­en­te final. O uso da inse­mi­na­ção sai de 11% e che­ga a qua­se 20%. Isso é extra­or­di­ná­rio”, comen­ta o pre­si­den­te da asso­ci­a­ção, Már­cio Nery.

A pro­du­ção total de sêmen alcan­çou as 14.899.623 doses em 2020, repre­sen­tan­do um cres­ci­men­to de 36% em rela­ção ao ano ante­ri­or, quan­do foram pro­du­zi­das 10.940.746 doses.

Com um cres­ci­men­to de 5% em rela­ção a 2019, as expor­ta­ções tam­bém tive­ram resul­ta­dos posi­ti­vos, atin­gin­do as 508.096 doses.

Foram cole­ta­das 12.536.601 doses de gené­ti­ca de raças de cor­te, mar­can­do um aumen­to de 38% em rela­ção às de 2019. Quan­to às raças de lei­tei­ras, foram cole­ta­das 2.363.022 doses, con­tra 1.739.568 doses do ano anterior.

Para Nery, apon­tar as razões para a valo­ri­za­ção do melho­ra­men­to gené­ti­co e da IA é uma tare­fa sim­ples.
“Eu pon­tuo sem­pre o alto cus­to-bene­fí­cio, deman­dan­do somen­te 1 a 2% do cus­to atu­al da pro­du­ção. Ela atua não somen­te na pon­ta do aumen­to da pro­du­ção de car­ne ou lei­te, mas tam­bém na impor­tan­te redu­ção de cus­tos, quan­do se tra­ba­lha pre­co­ci­da­de, fer­ti­li­da­de, resis­tên­cia a doen­ças e efi­ci­ên­cia ali­men­tar. Além dis­so, o melho­ra­men­to gené­ti­co impac­ta mui­to posi­ti­va­men­te na sus­ten­ta­bi­li­da­de da pecuá­ria, ao pro­mo­ver a melhor efi­ci­ên­cia das vacas de lei­te ou de cor­te, que vão pro­du­zir mais com menos”, afirma.

Os bons resul­ta­dos em meio a um ano desa­fi­a­dor com­pro­vam a for­ça da IA e ampli­am as pers­pec­ti­vas para 2021. Segun­do Már­cio, a Asbia visa tra­ba­lhar ain­da mais em prol de seus asso­ci­a­dos e do melho­ra­men­to gené­ti­co nes­te ano. “Esta­mos mui­to pre­pa­ra­dos para seguir cres­cen­do em 2021, acre­di­ta­mos que pode­mos cres­cer per­to de 25%, e isso fará com que o mer­ca­do bra­si­lei­ro atin­ja cer­ca de 30 milhões de doses, um mar­co que será extra­or­di­ná­rio”, finaliza.

Veja o INDEX ASBIA — VER­SÃO MÍDIA aqui. 

Fon­te: Asbia

Rolar para cima