IMA inicia recadastramento de produtores - Balde Branco

Medi­da quer evi­tar frau­des envol­ven­do o reba­nho minei­ro. Sem cadas­tro não se pode tran­si­tar animais

IMA-Ins­ti­tu­to Minei­ro de Agro­pe­cuá­ria ini­ci­ou cam­pa­nha de reca­das­tra­men­to dos cri­a­do­res de bovi­nos, buba­li­nos, capri­nos, ovi­nos e equí­de­os. O reca­das­tra­men­to é obri­ga­tó­rio e deve­rá ser fei­to até 29 de dezembro.

Para se reca­das­trar o cri­a­dor deve­rá com­pa­re­cer a uma uni­da­de do IMA e apre­sen­tar ori­gi­nal e cópia dos docu­men­tos pes­so­ais e de com­pro­van­te de ende­re­ço. O cri­a­dor que não o fizer esta­rá impe­di­do de tran­si­tar com seus ani­mais den­tro e fora do esta­do o que o impe­di­rá, inclu­si­ve, de ven­der ani­mais do seu plan­tel ou par­ti­ci­par de even­tos agropecuários.

O reca­das­tra­men­to está regu­la­men­ta­do em por­ta­ria. Nele o cri­a­dor irá con­fir­mar que per­ma­ne­ce na ati­vi­da­de e a loca­li­za­ção da sua pro­pri­e­da­de, entre outros dados. A medi­da tem o obje­ti­vo de regu­la­ri­zar os dados dos cri­a­do­res jun­to ao IMA, ten­do em vis­ta que mui­tos pro­du­to­res dei­xa­ram a ati­vi­da­de ou ven­de­ram seu reba­nho e não comu­ni­ca­ram ao Ins­ti­tu­to. Da mes­ma for­ma, mui­tos já fale­ce­ram e os fami­li­a­res não comu­ni­ca­ram esse fato ao IMA. As duas situ­a­ções con­tri­bu­em para que o ban­co de dados do órgão não este­ja fiel à rea­li­da­de. O ban­co de dados do IMA pos­sui atu­al­men­te cer­ca de 400 mil cri­a­do­res cadas­tra­dos em todo o esta­do, 80% dos quais de bovinos.

Evi­tar frau­des — O dire­tor-geral do IMA Mar­cí­lio de Sou­sa Maga­lhães argu­men­ta que o des­com­pas­so entre os dados regis­tra­dos no IMA e aque­les que cons­ti­tu­em a rea­li­da­de one­ra finan­cei­ra­men­te o Ins­ti­tu­to que, mui­tas vezes, tem cus­tos com des­lo­ca­men­tos para ir pes­so­al­men­te nas pro­pri­e­da­des des­ses pro­du­to­res. Há tam­bém cus­tos com o alto índi­ce de noti­fi­ca­ções de autu­a­ções devol­vi­das ao Instituto.

“Essa situ­a­ção abre bre­chas para frau­des de todas as ordens, inclu­si­ve econô­mi­cas, uma vez que pes­so­as inidô­ne­as de pos­se dos dados dos pro­du­to­res podem uti­li­zá-los para tran­sa­ções frau­du­len­tas. Além dis­so, essa situ­a­ção res­trin­ge a atu­a­ção do IMA fren­te às cons­tan­tes deman­das de ordem sani­tá­ria”, pondera.

Nes­te sen­ti­do, o dire­tor-geral do IMA lem­bra que o reca­das­tra­men­to está ali­nha­do às ações que ante­ce­dem a reti­ra­da da vaci­na­ção do gado con­tra a febre afto­sa no país até 2021, con­for­me pre­vis­to pelo Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Mapa). O fim da vaci­na­ção vai exi­gir, entre outros, o aper­fei­ço­a­men­to das infor­ma­ções dos reba­nhos de for­ma a tor­nar mais efi­caz o esta­do de aler­ta pre­vis­to nos aten­di­men­tos às ocor­rên­ci­as zoosanitárias.

Por outro lado, o diri­gen­te pon­de­ra que ao regu­la­ri­zar os dados dos cri­a­do­res o IMA pode­rá dire­ci­o­nar melhor ações de apoio a esses pro­du­to­res, com pro­gra­mas gover­na­men­tais de inves­ti­men­tos em melho­ri­as na pres­ta­ção dos ser­vi­ços de defe­sa sani­tá­ria e ins­pe­ção de produtos.

Por­tal do Pro­du­tor — Além de regu­la­ri­zar sua situ­a­ção peran­te o IMA o cri­a­dor rece­be­rá, no reca­das­tra­men­to, uma senha para aces­so gra­tui­to ao Por­tal de Ser­vi­ços do Pro­du­tor Rural, dis­po­ní­vel no site do IMA – www.ima.mg.gov.br. Por meio do por­tal, na inter­net, o pro­du­tor tem aces­so a vári­os ser­vi­ços do Ins­ti­tu­to como a emis­são de gui­as e docu­men­tos ofi­ci­ais, sem pre­ci­sar ir pes­so­al­men­te a uma uni­da­de do Instituto.

Mais infor­ma­ções em www.ima.mg.gov.br

Rolar para cima