O Ide­as for Milk visi­tou 49 ins­ti­tui­ções de ensi­no em 12 esta­dos de todas as regiões do País e cum­priu a mis­são de moti­var estu­dan­tes na cri­a­ção de star­tups para o agro­ne­gó­cio do lei­te
Rubens Nei­va

Cer­ca de três mil estu­dan­tes das prin­ci­pais uni­ver­si­da­des bra­si­lei­ras tive­ram con­ta­to com a cadeia pro­du­ti­va do lei­te, sen­do esti­mu­la­dos a pro­por solu­ções para os pro­ble­mas do setor. Por meio de pales­tras pro­fe­ri­das por pes­qui­sa­do­res e ana­lis­tas da Embra­pa Gado de Lei­te, os estu­dan­tes rece­be­ram infor­ma­ções sobre uma cadeia pro­du­ti­va com­ple­xa, que se mobi­li­za para estar pre­sen­te no cha­ma­do Agte­ch, o está­gio tec­no­ló­gi­co pelo qual pas­sa o agro­ne­gó­cio mun­di­al, em que as novas tec­no­lo­gi­as solu­ci­o­nam velhos pro­ble­mas.

A Cara­va­na 4.0 é um dos pila­res do Ide­as for Milk. A ação da Embra­pa Gado de Lei­te e par­cei­ros foi cri­a­da em 2016 com o obje­ti­vo de fomen­tar o sur­gi­men­to de um ecos­sis­te­ma, reu­nin­do empre­sas, uni­ver­si­da­des, pes­qui­sa agro­pe­cuá­ria e o setor pro­du­ti­vo, onde pos­sam sur­gir novas star­tups para a cadeia pro­du­ti­va do lei­te. A Cara­va­na foi rea­li­za­da nos meses de agos­to e setem­bro, visi­tan­do 49 ins­ti­tui­ções de ensi­no em 12 esta­dos (além da Cam­pus Party, em Goi­â­nia), per­cor­ren­do todas as regiões do País e atin­gin­do cer­ca de três mil estu­dan­tes.

O che­fe-geral da Embra­pa Gado de Lei­te, Pau­lo do Car­mo Mar­tins, expli­ca que uma das pro­pos­tas da Cara­va­na é ser mul­ti­dis­ci­pli­nar, reu­nin­do, em um mes­mo espa­ço, estu­dan­tes dos cur­sos de ciên­ci­as agrá­ri­as, mais pró­xi­mos dos pro­ble­mas do setor pro­du­ti­vo, com outros de ciên­ci­as da com­pu­ta­ção, enge­nha­ria, admi­nis­tra­ção, eco­no­mia, etc. “A cadeia pro­du­ti­va do lei­te é bas­tan­te com­ple­xa e qual­quer solu­ção deve pas­sar pela inte­gra­ção de sabe­res”, diz Mar­tins.

O che­fe-geral diz ain­da que o setor movi­men­ta per­to de R$ 84 bilhões por ano, sen­do bas­tan­te atra­en­te do pon­to de vis­ta finan­cei­ro para novos empre­en­de­do­res e que uma a cada cin­co star­tups do agro­ne­gó­cio estão nes­sa cadeia. “Com a Cara­va­na que­re­mos ampli­ar essa par­ti­ci­pa­ção, ape­lan­do para a capa­ci­da­de de com­pre­en­der as novas pos­si­bi­li­da­des tec­no­ló­gi­cas e a von­ta­de de empre­en­der dos jovens”, pon­tua Mar­tins.

Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 658 (outubro/2019)

Rolar para cima