Homeopatia e manejo de resíduos são destaques em treinamento do ProLeite - Balde Branco

Depois de 12 anos, téc­ni­cos do Senar-SP (Ser­vi­ço Naci­o­nal de Apren­di­za­gem Rural) aca­bam de par­ti­ci­par de uma atu­a­li­za­ção sobre pecuá­ria lei­tei­ra na Embra­pa Pecuá­ria Sudes­te (São Car­los-SP). Eles são liga­dos ao Pro­Lei­te, pro­gra­ma que bus­ca capa­ci­tar peque­nos pro­du­to­res no mane­jo inten­si­vo de pro­du­ção de lei­te a pas­to para aumen­tar a pro­du­ção e dimi­nuir os cus­tos da propriedade.

De segun­da a quar­ta (17 a 19/12), 34 téc­ni­cos do Esta­do de São Pau­lo acom­pa­nha­ram pales­tras com inte­gran­tes do pro­gra­ma Bal­de Cheio, cri­a­do pela Embra­pa há 20 anos para capa­ci­tar, de for­ma con­ti­nu­a­da, téc­ni­cos que pres­tam assis­tên­cia a pro­du­to­res de lei­te. 

De acor­do com o che­fe de Trans­fe­rên­cia de Tec­no­lo­gia da Embra­pa Pecuá­ria Sudes­te, André Novo, há 12 anos téc­ni­cos do pro­Lei­te esti­ve­ram no cen­tro de pes­qui­sa para o pri­mei­ro trei­na­men­to. Na oca­sião, rece­be­ram infor­ma­ções bási­cas sobre tec­no­lo­gi­as trans­fe­ri­das no Bal­de Cheio. Ali nas­ceu o Pro­Lei­te, com a par­ti­ci­pa­ção de 54 téc­ni­cos. 

“Ago­ra eles soli­ci­ta­ram uma atu­a­li­za­ção, pois que­rem saber o que há de novo no pro­gra­ma da Embra­pa”, dis­se André. Entre o con­teú­do incluí­do nes­sa nova capa­ci­ta­ção esta­vam a ges­tão ambi­en­tal das pro­pri­e­da­des (incluin­do mane­jo de resí­du­os), a aná­li­se agre­ga­da de resul­ta­dos econô­mi­cos e zoo­téc­ni­cos, o IAT (Índi­ce de Atu­a­li­za­ção Tec­no­ló­gi­ca), intro­du­ção à pro­du­ção de lei­te orgâ­ni­co, o uso raci­o­nal da água em irri­ga­ção e a home­o­pa­tia. Na ter­ça-fei­ra, o gru­po visi­tou uma pro­pri­e­da­de que pro­duz lei­te orgâ­ni­co em São Car­los. 

Dife­ren­te do Bal­de Cheio, que apos­ta na capa­ci­ta­ção con­ti­nu­a­da e uti­li­za dife­ren­tes pro­pri­e­da­des fami­li­a­res como sala de aula prá­ti­ca, o Pro­Lei­te é orga­ni­za­do por módu­los e tem­po defi­ni­do. Os pro­du­to­res acom­pa­nham 16 módu­los em 10 meses de trei­na­men­to sobre dife­ren­tes assun­tos envol­ven­do a pecuá­ria de lei­te, sem­pre na mes­ma pro­pri­e­da­de. 

De acor­do com o coor­de­na­dor do Pro­Lei­te, Teo­do­ro Miran­da Neto, nes­ses 12 anos foram pro­mo­vi­dos 619 pro­gra­mas em 126 muni­cí­pi­os do Esta­do de São Pau­lo. Segun­do ele, todo o con­teú­do trans­fe­ri­do pela Embra­pa foi mui­to inte­res­san­te. Os téc­ni­cos fica­ram par­ti­cu­lar­men­te impres­si­o­na­dos com a pales­tra sobre home­o­pa­tia, con­du­zi­da pelo che­fe admi­nis­tra­ti­vo da Uni­da­de, Mar­co Auré­lio Ber­ga­mas­chi. “Havia mui­tos vete­ri­ná­ri­os no gru­po e alguns não acre­di­ta­vam nos resul­ta­dos des­sa abor­da­gem. Mas com os depoi­men­tos que ouvi­ram, fica­ram mui­to curi­o­sos”, con­tou Teo­do­ro. 

Outro tema que cha­mou a aten­ção foi o mane­jo de resí­du­os, um pro­ble­ma bas­tan­te atu­al nas pro­pri­e­da­des e que vai exi­gir ade­qua­ção por par­te dos pro­du­to­res. A pales­tra sobre ges­tão ambi­en­tal, fei­ta pelo pes­qui­sa­dor Julio Palha­res, foi bas­tan­te útil para que os téc­ni­cos pos­sam ori­en­tar os pro­du­to­res levan­do em con­si­de­ra­ção as exi­gên­ci­as legais. 

EVA­PO­RÍ­ME­TRO 

Juni­or Ros­se­to, um dos ins­tru­to­res do trei­na­men­to, expli­cou aos téc­ni­cos como con­tro­lar e acom­pa­nhar a eva­po­trans­pi­ra­ção da pas­ta­gem para que o sis­te­ma de irri­ga­ção uti­li­ze água de for­ma mais raci­o­nal. “O foco foi a exi­gên­cia de água cor­res­pon­den­te à eva­po­trans­pi­ra­ção”, dis­se. 

Segun­do ele, esse con­tro­le pode ser fei­to com um eva­po­rí­me­tro, um plu­vi­ô­me­tro ou mes­mo com um fer­ri­nho de cons­tru­ção que mede se há umi­da­de no solo ou não. “A ideia é pas­sar téc­ni­cas bem sim­ples, que o peque­no pro­du­tor pos­sa apli­car”, afir­mou Ros­se­to. 

Ele tam­bém abor­dou a legis­la­ção envol­ven­do a outor­ga da água e as impli­ca­ções futu­ras para o pro­du­tor que não se pre­o­cu­par com a regu­la­men­ta­ção. O ins­tru­tor do Bal­de Cheio atua em São Pau­lo, Per­nam­bu­co, Mara­nhão e na Colômbia.

Rolar para cima