Girolando e cooperação técnica com Guatemala - Balde Branco

A exper­ti­se bra­si­lei­ra na for­ma­ção de reba­nhos da raça Giro­lan­do está sen­do apli­ca­da na Gua­te­ma­la para melho­rar a qua­li­da­de do plan­tel local

A Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Giro­lan­do rea­li­zou nes­te mês de novem­bro, jun­ta­men­te com téc­ni­cos do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Ali­men­ta­ção da Gua­te­ma­la e da Asso­ci­a­ção de Cri­a­do­res de Gir e Giro­lan­do da Gua­te­ma­la, uma série de ins­pe­ções téc­ni­cas por 18 pro­pri­e­da­des rurais do país para efe­tu­ar os regis­tros gene­a­ló­gi­cos de 319 animais.

O coor­de­na­dor Ope­ra­ci­o­nal do PMGG (Pro­gra­ma de Melho­ra­men­to Gené­ti­co da Raça Giro­lan­do), Mar­cel­lo Cem­bra­nel­li, e os téc­ni­cos gua­te­mal­te­cos visi­ta­ram as pro­pri­e­da­des entre os dias 9 e 16 de novem­bro. Ele des­ta­ca que o reba­nho gua­te­mal­te­co vem evo­luin­do des­de a últi­ma ins­pe­ção téc­ni­ca rea­li­za­da há pou­co mais de um ano pela Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Cri­a­do­res de Girolando.

A enti­da­de man­tém com a Gua­te­ma­la um ter­mo de coo­pe­ra­ção téc­ni­ca na área de regis­tro e melho­ra­men­to gené­ti­co, com o obje­ti­vo de via­bi­li­zar o aumen­to de reba­nhos regis­tra­dos. “A pro­pos­ta é de, nos pró­xi­mos dois anos, tra­ba­lhar somen­te com ani­mais de gene­a­lo­gia conhe­ci­da. Para for­mar um plan­tel de Giro­lan­do de com­po­si­ção raci­al 5/8, eles estão ini­ci­an­do o tra­ba­lho com uma base de 1000 ani­mais apro­xi­ma­da­men­te e uti­li­zan­do tou­ros 5/8 e 3/4”, expli­ca Cembranelli.

No últi­mo dia 18 de novem­bro, hou­ve uma reu­nião entre o téc­ni­co da Giro­lan­do e cri­a­do­res da Gua­te­ma­la para defi­nir um pla­no de tra­ba­lho para os pró­xi­mos anos. Foram deba­ti­das as ações pri­o­ri­tá­ri­as para garan­tir o melho­ra­men­to gené­ti­co do reba­nho. Entre as pro­pos­tas apre­sen­ta­das estão, o iní­cio do Ser­vi­ço de Con­tro­le Lei­tei­ro Ofi­ci­al, comu­ni­ca­ções de dados dos ani­mais refe­ren­tes a nas­ci­men­to e repro­du­ção, além do dire­ci­o­na­men­to dos acasalamentos.

“Dis­cu­ti­mos ain­da, duran­te a reu­nião, a aber­tu­ra do pro­to­co­lo sani­tá­rio entre os dois paí­ses para per­mi­tir as impor­ta­ções de embriões e sêmen. A pro­pos­ta já foi envi­a­da pelo gover­no bra­si­lei­ro, mas fal­ta o gover­no da Gua­te­ma­la acei­tar. O Bra­sil é refe­rên­cia mun­di­al na raça Giro­lan­do e tem todo um know-how na área de melho­ra­men­to gené­ti­co que pode aju­dar paí­ses como a Gua­te­ma­la a ter uma pecuá­ria lei­tei­ra mais pro­du­ti­va”, asse­gu­ra Cembranelli.

Como não há pro­to­co­lo entre os dois paí­ses, a gené­ti­ca bra­si­lei­ra Giro­lan­do tem entra­do na Gua­te­ma­la via Pana­má e Cos­ta Rica, paí­ses com os quais o Bra­sil tem pro­to­co­lo sani­tá­rio para comer­ci­a­li­za­ção de mate­ri­al gené­ti­co – por Laris­sa Vieira.

Rolar para cima