Cotrijal: variada programação mostra a força do agro

 

Visitação e comercialização surpreenderam os organizadores

A  21ª Expo­di­re­to Cotri­jal, um dos mai­o­res even­tos do Agro­ne­gó­cio no Bra­sil, foi encer­ra­da em cli­ma de oti­mis­mo. A fei­ra regis­trou R$ 2.653.177,00 em comer­ci­a­li­za­ção. O valor é 10% supe­ri­or aos R$ 2,4 bilhões obti­dos em 2019.

Con­for­me o pre­si­den­te da Cotri­jal, Nei César Mani­ca, os núme­ros sur­pre­en­de­ram. Devi­do à esti­a­gem no Rio Gran­de do Sul, a expec­ta­ti­va era alcan­çar uma comer­ci­a­li­za­ção seme­lhan­te à do ano pas­sa­do.

“Temos mui­to pro­du­to­res capi­ta­li­za­dos com recur­sos pró­pri­os, finan­ci­a­men­to ban­cá­ri­os com dois anos de carên­cia e mui­tos negó­ci­os de pes­so­as de outros esta­dos do Bra­sil”, comen­tou Mani­ca. O pre­si­den­te citou como exem­plo o caso de dois pro­du­to­res que vie­ram do Ama­pá e com­pra­ram cer­ca de 20 máqui­nas.

Rea­li­za­da entre segun­da (2) e sex­ta-fei­ra (6), em Não-Me-Toque, no Pla­nal­to Gaú­cho, a Fei­ra rece­beu 256 mil visi­tan­tes. Ano pas­sa­do, 268 mil pes­so­as pres­ti­gi­a­ram o even­to. Que­da de 4% em rela­ção a 2019. A dire­ção da Cotri­jal acre­di­ta que o públi­co menor deve-se, pos­si­vel­men­te, a um temor em rela­ção aos pri­mei­ros casos de coro­na­ví­rus regis­tra­dos no país. (Fon­te: Asses­so­ria de impren­sa da Expo­di­re­to Cotri­jal)

 

Rolar para cima