Especialistas recomendam cautela e equilíbrio de custos em 2022 - Balde Branco

A força para o produtor superar os momentos de crise vem de dentro da fazenda, com uma gestão eficiente

PERSPECTIVAS 2022

Especialistas recomendam

cautela e equilíbrio de custos em 2022

A cadeia produtiva do leite passou por uma série de oscilações de mercado, com a situação se agravando para os produtores no ano passado. Para 2022, face a muitas incertezas ainda, o que resta ao produtor é uma gestão eficiente de seu negócio 

João Carlos de Faria

O ano de 2021 foi difí­cil para a cadeia do lei­te, dian­te das adver­si­da­des cli­má­ti­cas (for­tes chu­vas nas Regiões Sudes­te e Cen­tro-Oes­te e esti­a­gem atí­pi­ca no Sul do País), que atin­gi­ram dire­ta­men­te a safra de grãos, sobre­tu­do do milho, resul­tan­do em cus­tos mais altos para a ali­men­ta­ção do reba­nho. Dados da empre­sa Labor Rural indi­cam que a rela­ção estoque/consumo do milho foi redu­zi­da a 7,4%, mui­to abai­xo do que ocor­reu na safra 2016/2017, por exem­plo, quan­do che­gou a 23,17%.

O levan­ta­men­to apon­ta que outros insu­mos, além do milho e da soja, igual­men­te sofre­ram alta, caso dos com­bus­tí­veis, que tive­ram rea­jus­tes médi­os entre 31% e 35%, e a ener­gia elé­tri­ca, com média variá­vel de 17,78%, sem con­tar o acrés­ci­mo de R$ 0,14% por KW/hora, devi­do à escas­sez hídri­ca que levou à ado­ção da ban­dei­ra ver­me­lha, que depen­de da equa­li­za­ção nos níveis de água dos reser­va­tó­ri­os – que, segun­do dados do Ope­ra­dor Naci­o­nal do Sis­te­ma Elé­tri­co (ONS), che­ga­ri­am ao fim de janei­ro com 40% – para retor­nar à ban­dei­ra ver­de, com cus­to menor. 

No que se refe­re ao mer­ca­do de pro­du­tos lác­te­os, o aque­ci­men­to do con­su­mo per­deu for­ça a par­tir de outu­bro de 2020, com o fim do auxí­lio emer­gen­ci­al do gover­no fede­ral, afe­tan­do não só a indús­tria, mas toda a cadeia do leite.

Para continuar lendo, assine nossa revista