Embrapa fortalece o leite de Rondônia - Balde Branco

Com mais tec­no­lo­gia e boas prá­ti­cas no cam­po, a Embra­pa, em par­ce­ria com o Senar-RO, inves­te na capa­ci­ta­ção dos pro­du­tos do Estado

A pecuá­ria lei­tei­ra, pra­ti­ca­da basi­camente por pro­du­to­res familia­res, tem gran­de rele­vân­cia eco­nômica e soci­al para Rondô­nia. Dian­te dis­so e com foco no de­senvolvimento sus­ten­tá­vel des­te setor pro­du­ti­vo, a Embra­pa Rondô­nia, em par­ce­ria com o Senar-RO, deu iní­cio a um novo méto­do de capa­ci­ta­ção, o modular.

A pro­pos­ta envol­ve 20 téc­ni­cos de ins­tituições públi­cas e pri­va­das, que pas­sa­rão por todas as eta­pas de trei­na­men­to, que somam 136 horas de aula. A meta é pre­pa­­rá-los para levar conhe­ci­men­to atu­a­li­za­do, tec­no­lo­gi­as e boas prá­ti­cas aos pro­du­to­res de lei­te, pro­mo­ven­do a melho­ria da efici­ência da ati­vi­da­de e, con­se­quen­te­men­te, da ren­da e qua­li­da­de de vida.

Para se ter ideia do poten­ci­al de trans­for­ma­ção que este tipo de trei­namento deve pro­por­ci­o­nar, o médi­co vete­ri­ná­rio da Embra­pa Rondô­nia e co­ordenador do cur­so, Rhu­an Lima, expli­ca que a mul­ti­pli­ca­ção de conhe­ci­men­tos pos­si­bi­li­ta que tec­no­lo­gi­as ade­qua­das às con­di­ções de Rondô­nia che­guem ao cam­po e pos­sam maxi­mi­zar a efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va das propriedades.

“Se con­si­de­rar­mos que um téc­ni­co tem con­di­ções de pres­tar assis­tên­cia téc­nica efe­ti­va e de qua­li­da­de a cer­ca de 30 pro­du­to­res, a Embra­pa Rondô­nia esta­rá con­tri­buin­do para que a cada ano mais de 600 pro­du­to­res, no míni­mo, pos­sam re­ceber assis­tên­cia téc­ni­ca de pro­fis­si­o­nais alta­men­te capa­ci­ta­dos”, des­ta­ca Lima.

Nes­ta capa­ci­ta­ção modu­lar, os técni­cos que par­ti­ci­pam das ações con­ti­nu­a­das ao lon­go do ano têm conhe­ci­men­to teó­ri­co e prá­ti­co com­ple­to e apro­fun­da­do. Para o médi­co vete­ri­ná­rio da Ema­ter, de Ouro Pre­to do Oes­te-RO, Viní­cius Oli­vei­ra, o nível de qua­li­da­de do cur­so é ele­va­do e o aprendiza­do é garan­ti­do. ‘É uma opor­tu­ni­da­de de ter aces­so às infor­ma­ções e tec­no­lo­gi­as atualiza­das e com pro­fis­si­o­nais alta­men­te qualifica­dos”, comenta.

Inte­gra­ção entre pes­qui­sa e exten­são — De acor­do com o che­fe-geral da Embra­pa Rondô­nia, Ala­er­to Mar­co­lan, esta ação for­ta­le­ce ain­da mais as par­ce­ri­as e inte­rações entre as ins­ti­tui­ções vol­ta­das para o setor pro­du­ti­vo, unin­do esfor­ços para pro­mo­ver melho­ri­as no cam­po, tan­to em aumen­to de pro­du­ti­vi­da­de, sani­da­de e qua­li­da­de dos pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os. “Além de bus­car­mos mei­os de levar ao cam­po tec­no­lo­gi­as, tam­bém pre­ci­sa­mos absor­ver deman­das da soci­e­da­de. Estas são ações que for­ta­le­cem e pro­mo­vem mai­or inte­ra­ção com o setor pro­du­ti­vo e o desen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra em Rondô­nia”, afirma.

O pre­si­den­te da Fape­ron-Fede­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pecuá­ria do Esta­do de Rondô­nia e do con­se­lho deli­be­ra­ti­vo do Senar/RO, Hélio Dias de Sou­za, concor­da e refor­ça que é pre­ci­so tra­ba­lhar de for­ma inte­gra­da a pes­qui­sa e exten­são rural. “É fun­da­men­tal que a Embra­pa nos sub­si­die de infor­ma­ções e tec­no­lo­gi­as apro­pri­a­das para que nos­sos ins­tru­to­res de cam­po pos­sam levar os conhecimen­tos gera­dos pela pes­qui­sa nas mais dife­ren­tes áre­as”, destaca.

Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 630, de abril 2017

Rolar para cima