A pro­du­ção de lei­te cres­ce, prin­ci­pal­men­te nos prin­ci­pais paí­ses pro­du­to­res. Os EUA lide­ram o ran­king, com 93,5 mil t/ano, reba­nho de 9,2 milhões de cabe­ças e o mai­or índi­ce de pro­du­ti­vi­da­de média por vaca, 10.150 litros


A pro­du­ção mun­di­al de lei­te de vaca em 2015 foi de 656 mil t, e os dez paí­ses com mai­or volu­me pro­du­zi­ram 374 mil t, o que repre­sen­ta 57% do total, segun­do os dados da FAO-Orga­ni­za­ção das Nações Uni­das para Agri­cul­tu­ra e Ali­men­ta­ção.

Ana­li­san­do o perío­do de 2000 a 2015, os TOP 10 aumen­ta­ram o volu­me em 44%, índi­ce mai­or que 34% da pro­du­ção mun­di­al. Os dez paí­ses com mai­or volu­me de lei­te de vaca são: Esta­dos Uni­dos, Índia, Chi­na, Bra­sil, Ale­ma­nha, Rús­sia, Fran­ça, Nova Zelân­dia, Tur­quia e Rei­no Uni­do. Vale lem­brar que soman­do a pro­du­ção de lei­te de búfa­lo, se inver­te a pri­mei­ra colo­ca­ção, por­que na Índia as búfa­las pro­du­zem 79.900 t, e as vacas, 66.400 t, tota­li­zan­do 146.000 t.

Duran­te os 15 anos ava­li­a­dos, a Chi­na foi o país que mais cres­ceu, 335%, segui­do pela Índia, 101%, e pela Tur­quia com 94%. Ape­nas a Rús­sia redu­ziu a pro­du­ção de lei­te nos últi­mos 15 anos, uma dimi­nui­ção de 40% no reba­nho pro­du­ti­vo. O Rei­no Uni­do, a Fran­ça e a Ale­ma­nha tam­bém redu­zi­ram o núme­ro de ani­mais em orde­nha e, sem exce­ção, os dez paí­ses cres­ce­ram em pro­du­ti­vi­da­de ani­mal, prin­ci­pal­men­te a Tur­quia, Chi­na e Rús­sia. Os prin­ci­pais indi­ca­do­res estão mos­tra­dos na tabe­la 1.

03
10. REI­NO UNI­DO
A ati­vi­da­de lei­tei­ra no Rei­no Uni­do está bem esta­be­le­ci­da há sécu­los. Atu­al­men­te o reba­nho de 1,851 mil cabe­ças está com­pos­to por vacas sele­ci­o­na­das. O país é 10º no ran­king de pro­du­ção de lei­te de vaca e o ter­cei­ro mai­or da União Euro­peia, fican­do atrás ape­nas da Ale­ma­nha e Fran­ça.

Duran­te o perío­do ana­li­sa­do, o núme­ro de vacas lei­tei­ras redu­ziu em 21%, aumen­tou a pro­du­ção em 3,8%, e a pro­du­ti­vi­da­de por ani­mal, em 32,1%, resul­tan­do em média de 8.131 litros/vaca/ano em 2015. O Rei­no Uni­do expor­tou 21,7% da sua pro­du­ção em 2015, segun­do dados do IFCN. Os sis­te­mas típi­cos de pro­du­ção de lei­te têm média de 160 vacas e os mai­o­res 259 vacas em lac­ta­ção.

9. TUR­QUIA
Os sis­te­mas de pro­du­ção são rela­ti­va­men­te peque­nos na Tur­quia. A fazen­da típi­ca tem 15 vacas em lac­ta­ção; as mai­o­res, 100. A pro­du­ção de lei­te cres­ceu 94,6% no perío­do de 2000 a 2015 e o reba­nho aumen­tou ape­nas 6,2% com cres­ci­men­to de 83,2% da pro­du­ti­vi­da­de por ani­mal. Os esfor­ços no setor estão con­cen­tra­dos na melho­ria da pro­du­ção por vaca. O país expor­ta lác­te­os prin­ci­pal­men­te para a União Euro­peia, embo­ra o gover­no tur­co tenha cri­a­do vári­as medi­das para aumen­tar a deman­da no mer­ca­do domés­ti­co.

8. NOVA ZELÂN­DIA
O país-ilha tem cer­ca de 5 milhões de vacas lei­tei­ras e o tama­nho médio dos reba­nhos por sis­te­mas de pro­du­ção aumen­ta de for­ma cons­tan­te. As fazen­das típi­cas meno­res têm média de 349 vacas, enquan­to as mai­o­res, 1.191 ani­mais em lac­ta­ção. O reba­nho aumen­tou 55%, e a pro­du­ti­vi­da­de, 12,3%, che­gan­do em 4.119 litros por lac­ta­ção em 2015.

As expor­ta­ções, de 95,1% do total pro­du­zi­do, che­gam a todas as regiões do mun­do. O país está fazen­do um esfor­ço cons­ci­en­te para usar novas tec­no­lo­gi­as com pre­ser­va­ção do meio ambi­en­te e pre­o­cu­pa­do com as pos­sí­veis mudan­ças cli­má­ti­cas.

7. FRAN­ÇA
A indús­tria de lati­cí­ni­os tem uma gran­de impor­tân­cia na Fran­ça e con­ta com mais de 70 mil pro­du­to­res. É o segun­do mai­or pro­du­tor da Euro­pa, com 25,3 mil t e 3,6 milhões de cabe­ças no reba­nho pro­du­ti­vo, que redu­ziu 12% duran­te o perío­do ana­li­sa­do. A pro­du­ti­vi­da­de che­gou a 6.849 litros/vaca/ano, com aumen­to de 15%.

Os prin­ci­pais sis­te­mas de pro­du­ção, con­si­de­ra­dos típi­cos, têm reba­nhos de 38 a 84 vacas em lac­ta­ção. A mai­or par­te do lei­te pro­du­zi­do é con­ver­ti­da em quei­jo e lei­te em pó, e é expor­ta­da para os paí­ses da Euro­pa. A Fran­ça expor­ta o equi­va­len­te a 46,6% da sua pro­du­ção.

6. RÚS­SIA
Nos últi­mos 15 anos, a Rús­sia trans­for­mou a ati­vi­da­de lei­tei­ra, redu­ziu a pro­du­ção de lei­te em 4,5%, dimi­nuiu mais inten­sa­men­te o reba­nho pro­du­ti­vo em 40,7% e aumen­tou em 61% a pro­du­ti­vi­da­de ani­mal, que em 2015 foi de 4.029 litros/vaca/ano. As fazen­das típi­cas pro­du­to­ras de lei­te têm cer­ca de 850 vacas em lac­ta­ção.

É um país impor­ta­dor de lác­te­os, cujo volu­me equi­va­le a 13,9% da pro­du­ção naci­o­nal. Atu­al­men­te o país con­ti­nua inves­tin­do no melho­ra­men­to gené­ti­co do reba­nho para ter ani­mais mais pro­du­ti­vos e na cons­tru­ção de gran­des fazen­das para redu­zir a depen­dên­cia das impor­ta­ções.

5. ALE­MA­NHA
Com 4,2 milhões de vacas lei­tei­ras, a Ale­ma­nha é a mai­or pro­du­to­ra da União Euro­peia e a quin­ta no mun­do. Exis­tem des­de peque­nos pro­du­to­res típi­cos, com 30 ani­mais em pro­du­ção, até sis­te­mas com 1.200 vacas em lac­ta­ção com total de 32,4 mil t de lei­te. A pro­du­ti­vi­da­de média por ani­mal de 7.541 litros/vaca/ano cres­ceu 23,2% no perío­do.

As expor­ta­ções alcan­çam mais da meta­de da pro­du­ção; 53,4% dos lác­te­os pro­du­zi­dos são des­ti­na­dos a outros paí­ses. Os ale­mães estão enfren­tan­do dois gran­des desa­fi­os: o aumen­to do pre­ço da ter­ra, colo­can­do o lei­te mais caro e um défi­cit de mão de obra qua­li­fi­ca­da.

4. BRA­SIL
Ape­sar de ser um gran­de impor­ta­dor de lác­te­os, o País abri­ga um dos mai­o­res reba­nhos pro­du­ti­vos do mun­do, com 23 milhões de cabe­ças, fican­do atrás somen­te da Índia. No perío­do de 2000 a 2015, a pro­du­ção cres­ceu 72,3%; o reba­nho aumen­tou 28,7% e a pro­du­ti­vi­da­de, 33,8%, porém ain­da é bai­xa, de 1.525 litros/vaca/ano, um dos meno­res índi­ces entre os prin­ci­pais paí­ses pro­du­to­res de lei­te. Os sis­te­mas típi­cos vari­am de 23 vacas até 320 ani­mais em lac­ta­ção. É um setor impor­tan­te no agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro e empre­ga mais de 2 milhões de pes­so­as.

3. CHI­NA
O país asiá­ti­co é um dos líde­res mun­di­ais em ter­mos de pro­du­ção de lei­te de vaca. Os sis­te­mas típi­cos de pro­du­ção osci­lam entre 200 ani­mais até 3.900 vacas em lac­ta­ção. As impor­ta­ções de lác­te­os equi­va­lem a 16,1% da pro­du­ção chi­ne­sa, que foi de 36,7 mil t, com reba­nho de 12,6 milhões de cabe­ças e pro­du­ti­vi­da­de de 2.994 litros/vaca/ano. Ape­sar do gran­de cres­ci­men­to da pro­du­ção, a dis­po­ni­bi­li­da­de de lei­te por habi­tan­te ain­da é mui­to bai­xa, de ape­nas 31 litros/ano.

2. ÍNDIA
Em ter­mos de pro­du­ção total de lei­te, a Índia lide­ra o ran­king mun­di­al, com 146 mil t, sen­do 66,4 mil t somen­te de vacas, que aumen­tou 101,5% duran­te o perío­do ana­li­sa­do. Pos­sui o mai­or reba­nho pro­du­ti­vo, de 45,9 milhões de cabe­ças, porém a pro­du­ti­vi­da­de é menor que a bra­si­lei­ra, de 1.446 litros/vaca/ano.

Cer­ca de 80% do lei­te pro­vém de um setor não orga­ni­za­do. Os peque­nos pro­du­to­res, com média de sete vacas, for­mam o sis­te­ma mais típi­co, ape­sar de con­ta­rem com explo­ra­ções mai­o­res, média de 143 vacas em lac­ta­ção. O país é expor­ta­dor de lác­te­os, prin­ci­pal­men­te para o Paquis­tão, Ban­gla­desh, Emi­ra­dos Ára­bes, Nepal, Butão e Afe­ga­nis­tão.

1. ESTA­DOS UNI­DOS
Ocu­pa o pri­mei­ro lugar em pro­du­ção de lei­te de vaca, com 93,5 mil t e reba­nho de 9,2 milhões de cabe­ças, o que lhe con­fe­re o mai­or índi­ce de pro­du­ti­vi­da­de média por vaca, de 10.150 litros/vaca/ano. As prin­ci­pais regiões pro­du­to­ras são Cali­fór­nia, Wis­con­sin, Idaho, Nova York e Pen­sil­vâ­nia. Os sis­te­mas típi­cos, peque­nos pro­du­to­res, pos­su­em média de 80 vacas, e os mai­o­res, 500 vacas em lac­ta­ção, porém o país con­ta com gran­des fazen­das lei­tei­ras de até 15 mil vacas em pro­du­ção.

Além de uma for­te deman­da inter­na, o país expor­ta o equi­va­len­te a 7,8% da pro­du­ção naci­o­nal e impor­ta 4,1%. O des­ti­no dos lác­te­os ame­ri­ca­nos é prin­ci­pal­men­te o Méxi­co, Ará­bia Sau­di­ta e paí­ses asiá­ti­cos.

Os índi­ces mos­tram que a pro­du­ção de lei­te cres­ce e se espe­ci­a­li­za nos prin­ci­pais paí­ses pro­du­to­res, e, mes­mo com o Bra­sil ocu­pan­do a quar­ta posi­ção no ran­king mun­di­al, a média do desem­pe­nho ain­da é bai­xa, uma das meno­res entre os TOP 10. Para que o Bra­sil con­ti­nue se des­ta­can­do no lei­te, os sis­te­mas de pro­du­ção têm que ven­cer os desa­fi­os e se tor­nar mais efi­ci­en­tes.

Rolar para cima