Convênio garante aquisição de gado leiteiro - Balde Branco

Pro­du­to­res fami­li­a­res de Minas e do Rio de Janei­ro pode­rão adqui­rir bovi­nos lei­tei­ros de alto padrão genético

A ofer­ta envol­ve matri­zes das raças Gir, Holan­dês e Giro­lan­do, a pre­ço de cus­to, e deve­rá ser diri­gi­da para peque­nos pro­du­to­res minei­ros e flu­mi­nen­ses, mui­to em bre­ve. É o que garan­te recen­te con­vê­nio assi­na­do pela Embra­pa Gado de Lei­te com as empre­sas públi­cas de assis­tên­cia téc­ni­ca e exten­são rural dos dois esta­dos, a Ema­ter-MG e a Emater-RJ.

“Temos cer­te­za que essa ini­ci­a­ti­va vai aju­dar a ala­van­car a pro­du­ti­vi­da­de de lei­te entre os pro­du­to­res fami­li­a­res. Por serem ani­mais de pes­qui­sa da Embra­pa, esses bovi­nos têm acom­pa­nha­men­to gene­a­ló­gi­co há mui­tas gera­ções o que os tor­na mui­to qua­li­fi­ca­dos”, expli­ca o che­fe adjun­to de Trans­fe­rên­cia de Tec­no­lo­gia da Embra­pa Gado de Lei­te, Wil­li­an Fer­nan­des Bernardo.

Opi­nião seme­lhan­te tem o coor­de­na­dor téc­ni­co esta­du­al de Bovi­no­cul­tu­ra da Empre­sa de Assis­tên­cia Téc­ni­ca e Exten­são Rural do Esta­do de Minas Gerais (Ema­ter-MG), Feli­ci­a­no Oli­vei­ra. “Está mais do que pro­va­do que bovi­nos filhos de pais de melhor apor­te gené­ti­co têm melhor desem­pe­nho pro­du­ti­vo e repro­du­ti­vo. Assim a nos­sa expec­ta­ti­va é que esses ani­mais sen­do inse­ri­dos no reba­nho dos peque­nos pro­du­to­res pos­sam tor­nar o sis­te­ma de pro­du­ção mais efi­ci­en­te, garan­tin­do melhor pre­ço no mer­ca­do e, por­tan­to, geran­do mais ren­da na pro­pri­e­da­de”, enfatiza.

Segun­do Oli­vei­ra, para habi­li­tar o pro­du­tor a com­prar da Embra­pa, a Ema­ter-MG vai pri­o­ri­zar aque­les que já são assis­ti­dos pela empre­sa, em pro­gra­mas como o Minas Pecuá­ria, que tem ações do Pró-Gené­ti­ca e as Cha­ma­das Públi­ca de Lei­te. “Entre os cri­té­ri­os, vamos obser­var pri­mei­ro, aque­le pro­du­tor que vem sen­do aten­di­do por nós, em alguns pro­gra­mas que atu­a­mos. Os nos­sos téc­ni­cos irão acom­pa­nhar o reba­nho dis­po­ni­bi­li­za­do e se o pro­du­tor mani­fes­tar inte­res­se, vamos indi­cá-lo à Embra­pa como pos­sí­vel inte­res­sa­do na aqui­si­ção des­ses ani­mais”, esclarece.

Segun­do o che­fe adjun­to de Trans­fe­rên­cia de Tec­no­lo­gia de Embra­pa Gado de Lei­te, o órgão fede­ral deve­rá dis­po­ni­bi­li­zar cer­ca de 40 ani­mais por ano, entre machos (com ida­de entre seis e 24 meses) e fême­as (de seis meses a oito anos de ida­de). O pro­gra­ma, bati­za­do de Reba­nho do Futu­ro, vai repas­sar gado de apu­ra­da qua­li­da­de genética.

“São ani­mais que antes eram lei­lo­a­dos pela Embra­pa, mas man­ter o lei­lão esta­va fican­do one­ro­so, além dis­so, bene­fi­ci­a­va mais os gran­des e médi­os pro­du­to­res. Deci­di­mos então mudar de estra­té­gia e repas­sar para pro­du­to­res fami­li­a­res”, jus­ti­fi­ca Bernardo.

Rolar para cima