Produto biológico, feito à base de um fungo inimigo natural do parasita vem sendo testado em várias fazendas parceiras, com aplicação nos animais e na pastagem (Tânia Polgrimas)

 

“A gen­te basi­ca­men­te con­tro­lou o car­ra­pa­to.” Com esta fra­se, o pecu­a­ris­ta Mário Mal­ta Cam­pos Dot­ta e Sil­va, da Fazen­da Recreio, em São Car­los-SP, resu­me sua expe­ri­ên­cia na uti­li­za­ção de um car­ra­pa­ti­ci­da iné­di­to para com­ba­ter esse ecto­pa­ra­si­ta que é o prin­ci­pal pro­ble­ma sani­tá­rio dos reba­nhos lei­tei­ros no Bra­sil. Des­de dezem­bro do ano pas­sa­do, o plan­tel da Recreio come­çou a ser tra­ta­do com um pro­du­to bio­ló­gi­co. “As vacas esta­vam bem car­re­ga­das e eu só não per­di nenhu­ma por­que pas­sei a usar as duas for­mu­la­ções do pro­du­to, uma para apli­car no  reba­nho e a outra na pas­ta­gem”, con­ta o cri­a­dor, refe­rin­do-se aos insu­mos desen­vol­vi­dos pela empre­sa Decoy Smart, de Ribei­rão Pre­to-SP, e que tem como sóci­os-fun­da­do­res os bió­lo­gos Túlio Nunes e Lucas Von­zu­ben e o eco­no­mis­ta Feli­pe Dal’bo.

“A Decoy Smart sur­giu como start’up den­tro de uma incu­ba­do­ra de empre­sas de base tec­no­ló­gi­ca, a Supe­ra Par­que”, con­ta Túlio Nunes. Para come­çar as pes­qui­sas de fun­gos que pode­ri­am con­tro­lar car­ra­pa­tos, a Decoy obte­ve recur­sos da Fapesp e, mais recen­te­men­te, cap­tou R$ 1,8 milhão de inves­ti­do­res-anjo. Hoje, a empre­sa tra­ba­lha em regi­me de par­ce­ria com 50 pecu­a­ris­tas para tes­tar ambos os pro­du­tos, que ain­da não são comer­ci­a­li­za­dos por­que estão em fase de regis­tro defi­ni­ti­vo no Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra.

O pecu­a­ris­ta Sil­va, da Recreio, um dos sele­ci­o­na­dos para tes­tar os pro­du­tos bio­ló­gi­cos, con­ti­nua, dizen­do que, no iní­cio, pul­ve­ri­zou os ani­mais a cada dez dias, “por­que a infes­ta­ção esta­va bem alta. Levou mais ou menos um mês e meio para a situ­a­ção se nor­ma­li­zar”, acres­cen­ta. “No fim de janei­ro, come­ço de feve­rei­ro de 2019, o car­ra­pa­to esta­va com­ple­ta­men­te con­tro­la­do.”

 


Leia a ínte­gra des­ta maté­ria na edi­ção Bal­de Bran­co 659 (novembro/2019)

Rolar para cima