Evento também teve workshop para produtores e técnicos, além de aula de gastronomia

Rubens Nei­va

O 1º Con­cur­so de quei­jos de lei­te de cabra e ove­lhas da Região Sudes­te mar­cou o encer­ra­men­to da 17º Cabra Fest – A Fes­ta da Cabra Lei­tei­ra, rea­li­za­da dos dias cin­co a sete de julho em Coro­nel Pache­co, na Zona da Mata Minei­ra. Par­ti­ci­pa­ram oito lati­cí­ni­os de Minas Gerais e São Pau­lo com 32 pro­du­tos. O con­cur­so foi divi­di­do em seis cate­go­ri­as: Quei­jo fres­co tipo Fres­cal; Quei­jo fres­co tipo Feta; Mas­sa láti­ca não tem­pe­ra­da; Mas­sa láti­ca tem­pe­ra­da; Matu­ra­ção até 30 dias; Matu­ra­ção aci­ma de 30 dias, além de uma men­ção hon­ro­sa para a cate­go­ria “Ino­va­ção”.

O che­fe-adjun­to de admi­nis­tra­ção da Embra­pa Gado de Lei­te, um dos jura­dos do con­cur­so, afir­ma que todos os pro­du­tos apre­sen­ta­ram um alto nível de exce­lên­cia, tor­nan­do difí­cil a tare­fa do júri. A Lei­te­ria Cabri­o­la, de Coro­nel Pache­co, foi o que mais rece­beu pre­mi­a­ções. Foram cin­co meda­lhas: duas de ouro, uma de pra­ta e duas de bron­ze (veja o resul­ta­do com­ple­to no final des­ta repor­ta­gem).

O pro­pri­e­tá­rio da Lei­te­ria Cabri­o­la, Cae­ta­no Geral­do de Sou­za, um dos ide­a­li­za­do­res da Cabra Fest, dis­se que o con­cur­so é fun­da­men­tal para pro­mo­ver a capri­no­cul­tu­ra e divul­gar o lei­te de cabra. Sou­za, que tam­bém é capri­no­cul­tor, pro­duz lei­te des­de 1990, ini­ci­an­do a pro­du­ção de quei­jo em 2015. Seus pro­du­tos podem ser encon­tra­dos em super­mer­ca­dos, empó­ri­os e res­tau­ran­tes de alta gas­tro­no­mia de Minas, Rio e São Pau­lo. “Bus­ca­mos exce­lên­cia nos pro­ces­sos para pro­du­zir­mos quei­jo de qua­li­da­de e ven­cer a resis­tên­cia do con­su­mi­dor aos quei­jos de cabra”, diz.

Gran­de vari­e­da­de de quei­jos sen­do ava­li­a­da duran­te a 17ª. Cabra Fest

Essa resis­tên­cia não exis­te na alta gas­tro­no­mia. Segun­do o som­me­li­er José Neves, os quei­jos de cabra são bas­tan­te indi­ca­dos para har­mo­ni­za­ção com vinhos. “Os quei­jos tipo fres­cal har­mo­ni­zam bem com o vinho bran­co e os quei­jos mais cura­dos pedem um vinho tin­to”. O quei­jei­ro e chef de cozi­nha André Luiz Gue­des desen­vol­ve recei­tas com lei­te de cabra. “Exis­te uma sofis­ti­ca­ção em tor­no des­ses tipos de quei­jo e even­tos como esse con­cur­so con­tri­bu­em para popu­la­ri­zar o pro­du­to”. Na ava­li­a­ção de Gue­des, o quei­jo de cabra pre­ci­sa ganhar esca­la de pro­du­ção para atin­gir novos públi­cos.

O balan­ço do con­cur­so foi posi­ti­vo, segun­do Rival­do Cos­ta, pre­si­den­te da Asso­ci­a­ção de Cri­a­do­res de Capri­nos e Ovi­nos de Minas Gerais (Accomig/Caprileite). “Hou­ve boa ade­são dos pro­du­to­res e gran­de vari­e­da­de de quei­jos ins­cri­tos”. Para Rival­do, tan­to o con­cur­so como a Cabra Fest con­tri­bu­em para expor a qua­li­da­de da pro­du­ção do quei­jo de cabra. “O prin­ci­pal obje­ti­vo de even­tos como este é inte­grar os per­so­na­gens da cadeia pro­du­ti­va em prol do cres­ci­men­to da capri­no-ovi­no­cul­tu­ra”, con­clui.

O con­cur­so foi uma rea­li­za­ção da Secre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra de Minas Gerais (Sea­pa) e da Capri­lei­te em par­ce­ria com a Embra­pa, a Pre­fei­tu­ra de Coro­nel Pache­co e a Asso­ci­a­ção dos Cri­a­do­res de Cabras Lei­tei­ras da Zona da Mata (Capri­ma).

A capri­no­cul­tu­ra tem avan­ça­do, mas ain­da tem gran­de poten­ci­al, pois a cada dia cres­ce a deman­da por pro­du­tos sau­dá­veis e de qua­li­da­de (Cré­di­to: Arq. Bal­de Bran­co)

A capri­no­cul­tu­ra tem avan­ça­do, mas ain­da tem gran­de poten­ci­al, pois a cada dia cres­ce a deman­da por pro­du­tos sau­dá­veis e de qua­li­da­de

Workshop e gastronomia

A Cabra Fest foi aber­ta com o 16º Workshop sobre pro­du­ção de capri­nos na região da Mata Atlân­ti­ca. Entre pes­qui­sa­do­res, pro­fes­so­res, téc­ni­cos, estu­dan­tes e pro­du­to­res, cer­ca de 100 pes­so­as par­ti­ci­pa­ram das ati­vi­da­des. O workshop reú­ne, anu­al­men­te, os seg­men­tos da cadeia pro­du­ti­va, con­tan­do com pales­tran­tes de des­ta­que no setor. A diver­si­da­de de públi­co e a rele­vân­cia do con­teú­do apre­sen­ta­do fazem des­te um impor­tan­te fórum regi­o­nal para nor­te­ar ati­vi­da­des, par­ce­ri­as e pro­je­tos.

O even­to foi trans­mi­ti­do ao vivo pela rede soci­al temá­ti­ca Repi­lei­te e os víde­os estão dis­po­ní­veis para aces­so onli­ne.  Além dis­so, arti­gos base­a­dos nos temas da pro­gra­ma­ção foram com­pi­la­dos nos Anais do Workshop.

Ain­da na aber­tu­ra, os pes­qui­sa­do­res Jefer­son Fon­se­ca e Maria Iza­bel Car­nei­ro, orga­ni­za­do­res do even­to, ren­de­ram home­na­gem às famí­li­as de figu­ras impor­tan­tes para a cadeia pro­du­ti­va que fale­ce­ram recen­te­men­te: o cri­a­dor Luiz Anto­nio Ribei­ro, que assu­miu lide­ran­ça no pro­gra­ma de melho­ra­men­to ani­mal, o Capra­ge­ne; o pro­du­tor de lei­te e pro­pri­e­tá­rio de lati­cí­nio Capri­Vi­ta, Oni­val­do Ramos Leão, que lutou pela regu­la­men­ta­ção da pro­du­ção do lei­te e do quei­jo de cabra no país; e Pau­lo Celes Cor­dei­ro, do lati­cí­nio Capri­lat, pio­nei­ro na indus­tri­a­li­za­ção de lei­te de cabra UHT e lei­te em pó no Bra­sil.

A che­fe de P&D da Embra­pa Capri­nos e Ovi­nos, Ana Cla­ra Caval­can­te, diz que o workshop foi “um con­vi­te à refle­xão sobre o que pode­mos fazer para con­ti­nu­ar cres­cen­do, sen­do pro­du­ti­vos e sus­ten­tá­veis na pro­du­ção de lei­te de cabra”. Ana Cla­ra cha­mou aten­ção para um dos temas do workshop, os sis­te­mas de pro­du­ção de lei­te de cabra a pas­to, que são um desa­fio para o setor: “Ini­ci­a­mos pes­qui­sas nes­se tema há algum tem­po e esta­mos rece­ben­do um for­te apoio da Embra­pa Gado de Lei­te”.

 

A Cabra Fest teve ain­da uma aula show de culi­ná­ria com base no quei­jo de cabra, pro­fe­ri­da pela chef de cozi­nha Goi­o­va­na Sag­gi­o­ro. “Foi uma óti­ma ini­ci­a­ti­va para intro­du­zir esses lác­te­os em recei­tas que estão no dia a dia dos res­tau­ran­tes e bufês e habi­tu­al­men­te são fei­tas com deri­va­dos de lei­te de vaca. É uma for­ma de apro­vei­tar o cres­ci­men­to do mer­ca­do de ali­men­ta­ção sau­dá­vel e explo­rar ali­men­tos ain­da pou­co usu­ais”, diz a chef.

 

 Resultado do 1º Concurso de queijos de leite de cabra e ovelhas da Região Sudeste

 

Quei­jo fres­co tipo Fres­cal

1º — Lati­cí­nio Capril­le

2º — Lati­cí­nio San­ta Cecí­lia

3º — Lati­cí­nio Cabri­o­la

 

Quei­jo fres­co tipo Fres­cal:

1º — Lati­cí­nio Capril­le

2º — Lati­cí­nio San­ta Cecí­lia

3º — Lati­cí­nio Cabri­o­la

 

Mas­sa láti­ca tem­pe­ra­da

1º — Lati­cí­nio San­ta Fé

2º — Lati­cí­nio Capril­le

3º — Lati­cí­nio Cabri­o­la

 

 

Quei­jo fres­co tipo Feta:

1º — Lati­cí­nio Cabri­o­la

2º — Lati­cí­nio Capri­vi­ta

 

Matu­ra­ção até 30 dias

1º — Lati­cí­nio San­ta Fé

2º — Lati­cí­nio Capril­le

 

Matu­ra­ção aci­ma de 30 dias

1º — Lati­cí­nio San­ta Cecí­lia

2º — Lati­cí­nio Cabri­o­la

3º — Lati­cí­nio Pial­let

 

Men­ção hon­ro­sa: Lati­cí­nio Cha­par­ral

 

 


Rubens Neiva é jornalista/Embrapa Gado de Leite
Rolar para cima