Como escolher o touro Girolando - Balde Branco

A raça se des­ta­ca pela diver­si­da­de de mane­jo para se tra­ba­lhar e pelas opções de cru­za­men­tos. No entan­to, os bons resul­ta­dos depen­dem do conhe­ci­men­to que se tem dos reprodutores


Por Chris­ti­an Mila­ni Resen­de, geren­te de pro­du­to de lei­te naci­o­nal Semex

Em um mer­ca­do onde o aces­so à infor­ma­ção está cada vez mais fácil e os cus­tos dos insu­mos vêm acha­tan­do a recei­ta dos pro­du­to­res de lei­te, é inad­mis­sí­vel que o cri­a­dor dos tem­pos atu­ais use sua fazen­da como labo­ra­tó­rio de cru­za­men­tos entre raças. Por isso, con­vém dis­cu­tir as pos­si­bi­li­da­des do uso da gené­ti­ca Giro­lan­do e como é pos­sí­vel alcan­çar resul­ta­dos ade­qua­dos para cada objetivo.

A raça Giro­lan­do está devi­da­men­te con­so­li­da­da para a pro­du­ção de lei­te nos tró­pi­cos. A demons­tra­ção de cres­ci­men­to que ocor­re anu­al­men­te em solo bra­si­lei­ro é tam­bém des­per­ta­da em outros paí­ses de cli­ma tro­pi­cal, como Colôm­bia, Cos­ta Rica, Pana­má e Vene­zu­e­la. Nes­tes paí­ses, a acei­ta­ção e uti­li­za­ção de sêmen de tou­ros Giro­lan­do já é uma rea­li­da­de. No entan­to, em algu­mas regiões do Bra­sil, ain­da se encon­tra cri­a­do­res des­con­fi­a­dos ou pou­co infor­ma­dos sobre sua utilização.

É impor­tan­te res­sal­tar que o suces­so da raça Giro­lan­do se deve aos cri­a­do­res que vêm fazen­do o ser­vi­ço de casa bem fei­to por meio dos aca­sa­la­men­tos entre as melho­res matri­zes Gir Lei­tei­ro e os melho­res tou­ros Holan­de­ses do mer­ca­do mun­di­al. Cabe res­sal­tar que gran­des cri­a­tó­ri­os de Holan­dês tam­bém têm des­per­ta­do para a pro­du­ção do Giro­lan­do, uti­li­zan­do suas melho­res matri­zes com tou­ros Gir Lei­tei­ro selecionados.

Hoje, o Bra­sil é refe­rên­cia no Gir Lei­tei­ro. O mai­or exem­plo dis­so está no inte­res­se do mer­ca­do indi­a­no por pro­du­tos bra­si­lei­ros, mer­ca­do aque­le que é ber­ço da raça. Por­tan­to, vamos enfa­ti­zar ao lon­go do tex­to o suces­so do Giro­lan­do e a opor­tu­ni­da­de de cres­ci­men­to da raça, pas­san­do pela melhor esco­lha dos indi­ví­du­os para sua formação.

Nos aca­sa­la­men­tos é mui­to rele­van­te a uti­li­za­ção de ani­mais de melhor mor­fo­lo­gia. Este cri­té­rio de sele­ção con­se­quen­te­men­te nos tra­rá ani­mais de grau meio-san­gue mais valo­ri­za­dos, prin­ci­pal­men­te quan­do a qua­li­da­de de úbe­re é con­si­de­ra­da como uma das prin­ci­pais carac­te­rís­ti­cas. Mas, além dela, é impor­tan­te ana­li­sar tam­bém bons apru­mos, ali­a­dos à boa estru­tu­ra cor­po­ral e boa garupa.

Para a for­ma­ção de um Giro­lan­do, a esco­lha dos tou­ros Holan­de­ses é de extre­ma impor­tân­cia, pri­o­ri­zan­do como cri­té­rio tou­ros que tenham pro­vas com índi­ces supe­ri­o­res a 2 ou 3 des­vi­os padrão nas carac­te­rís­ti­cas fun­ci­o­nais. Tal deta­lhe vai refle­tir dire­ta­men­te no mai­or pro­gres­so gené­ti­co da pro­gê­nie. Veja um exem­plo no qua­dro 1.

quadro1
Além das carac­te­rís­ti­cas fun­ci­o­nais, deve-se estar aten­to a tou­ros que tenham tam­bém índi­ces posi­ti­vos em Vida Pro­du­ti­va, Con­ta­gem de Célu­las Somá­ti­cas, Fer­ti­li­da­de das Filhas e Con­ver­são Ali­men­tar, os quais aju­da­rão na for­ma­ção de pro­gê­ni­es mais sadi­as e con­se­quen­te­men­te de mai­or lon­ge­vi­da­de e menor cus­to de manutenção.

Indi­ca­do­res para for­ma­ção do reba­nho — A esco­lha dos tou­ros Holan­de­ses se deve aos índi­ces posi­ti­vos de pro­du­ção, como PTA lei­te, gor­du­ra, pro­teí­na e seus des­vi­os per­cen­tu­ais tam­bém posi­ti­vos, pois eles agre­gam na for­ma­ção da melhor pro­gê­nie. Por­tan­to, com a soma­tó­ria de todas essas carac­te­rís­ti­cas se tem cer­te­za de que esta­mos no cami­nho cer­to para a for­ma­ção dos melho­res ani­mais da raça Girolando.

A ABC­CG-Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Cri­a­do­res Gado Giro­lan­do, jun­ta­men­te com a Embra­pa Gado de Lei­te, tem desen­vol­vi­do um tra­ba­lho para con­so­li­dar o tes­te de pro­gê­nie, mas, enquan­to o Sumá­rio de Tou­ros Pro­va­dos da raça não trou­xer infor­ma­ções line­a­res dos tou­ros pro­va­dos e os tou­ros jovens não pude­rem con­tar com a divul­ga­ção das infor­ma­ções genô­mi­cas, a opção mais segu­ra de uti­li­za­ção dos tou­ros Giro­lan­do 5/8 e 3/4 deve se base­ar na esco­lha dos tou­ros Holan­de­ses que com­põem o seu pedigree.

A tabe­la 2 é ofi­ci­al da ABCGG e sua uti­li­za­ção, deve ser segui­da não só como o intui­to de regis­tro, mas prin­ci­pal­men­te na ori­en­ta­ção dos aca­sa­la­men­tos. Em matri­zes de grau san­guí­neo 1/4, ½ e 3/4, é mui­to comum a uti­li­za­ção de Holan­dês, porém é pre­ci­so des­ta­car os con­cei­tos aqui cita­dos quan­to à esco­lha dos melho­res índi­ces do tou­ro Holan­dês em suas provas.

E como cri­té­rio na esco­lha de tou­ros Giro­lan­do 5/8 e 3/4, o reco­men­dá­vel é sele­ci­o­nar indi­ví­du­os que tra­zem em seu pedi­gree tou­ros Holan­de­ses de melhor índi­ce em suas pro­vas. Então, com base na esco­lha das melho­res opções de Gi¬rolando, as indi­ca­ções de sua uti­li­za­ção seri­am as seguintes:

• Tou­ros 3/4 x nas matrizes1/2 = pro­gê­ni­es 5/8
• Tou­ros 3/4 x nas matri­zes 3/4 = pro­gê­ni­es 3/4 Bimestiços
• Tou­ros 5/8 x nas matri­zes 5/8 = pro­gê­ni­es PS (puro sintético)
• Tou­ros 5/8 x nas matri­zes 7/8 = pro­gê­ni­es 3/4

Estes dois aca­sa­la­men­tos são os mais comuns no mer­ca­do para uti­li­za­ção dos tou­ros Giro­lan­do 3/4 e 5/8, mas na tabe­la 1 pode­mos ver outras vari­e­da­des de opções de aca­sa­la­men­tos com tou­ros 3/4 e 5/8.

tabela1

Rolar para cima