Coleta de sêmen deve aumentar ainda mais em 2022, avalia Asbia - Balde Branco

Cres­ci­men­to estron­do­so da Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al em 2021 demons­tra que o Bra­sil segui­rá em níveis ace­le­ra­dos de produção

 
 

Coleta de sêmen deve aumentar ainda mais em 2022, avalia Asbia 

A Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al (IA) é uma tec­no­lo­gia con­so­li­da­da no país, que apre­sen­ta núme­ros posi­ti­vos estar­re­ce­do­res, e a pro­je­ção é que a pro­du­ção de sêmen seja ain­da mai­or em 2022. No ano de 2020, a cole­ta total de sêmen alcan­çou 14.899.623 doses. No ter­cei­ro tri­mes­tre de 2021 esse núme­ro já havia sido supe­ra­do.

Segun­do o Index ASBIA 3º Tri­mes­tre 2021, rela­tó­rio divul­ga­do pela Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al (ASBIA), a pro­du­ção de sêmen, nos nove pri­mei­ros meses, alcan­çou 16.713.741 doses. Ain­da con­for­me o Index, a tec­no­lo­gia já está inse­ri­da em 77,6% do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro.

“Esta­mos ana­li­san­do mais de 126 mil infor­ma­ções indi­vi­du­ais para fechar o balan­ço de 2021, con­tu­do, já é pos­sí­vel afir­mar, sem som­bra de dúvi­das, que a Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al cres­ceu de for­ma absur­da no país. A cole­ta de doses aumen­tou 70% de janei­ro a setem­bro, em rela­ção a 2020. Nos­sa expec­ta­ti­va é que o Bra­sil supe­re esses núme­ros em 2022. A deman­da é alta e a pro­du­ção só cres­ce”, pro­je­ta o pre­si­den­te da asso­ci­a­ção, Már­cio Nery.

No pri­mei­ro semes­tre de 2021, as cen­trais de pro­du­ção de sêmen bovi­no rea­gi­ram à cres­cen­te pro­cu­ra por gené­ti­ca e ampli­a­ram a sua capa­ci­da­de pro­du­ti­va – o resul­ta­do des­se pro­ces­so foi um aumen­to de 103%, tota­li­zan­do mais de 10,8 milhões de doses cole­ta­das no perío­do. Duran­te os mes­mos meses, as expor­ta­ções de sêmen cres­ce­ram 99%.

“O melho­ra­men­to gené­ti­co é uma estra­té­gia extre­ma­men­te vali­o­sa para o pro­du­tor, já que a gené­ti­ca é o úni­co insu­mo per­ma­nen­te que ele pode tra­zer para den­tro da fazen­da. Nes­se sen­ti­do, a inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al é o melhor veí­cu­lo para rea­li­zar essa estra­té­gia, e o que os núme­ros nos mos­tram é que cada vez mais pro­du­to­res inves­tem nes­sa fer­ra­men­ta em todo o Bra­sil, atraí­dos pelo poten­ci­al de aumen­to de pro­du­ção”, comen­ta o geren­te exe­cu­ti­vo da Asbia, Cris­ti­a­no Bote­lho.

Ain­da de acor­do com Cris­ti­a­no, o impac­to soci­al da inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al tam­bém foi des­ta­que em 2021 e con­ti­nu­a­rá sen­do nos pró­xi­mos anos.

“É impor­tan­te pen­sar na IA como uma tec­no­lo­gia que demo­cra­ti­za o aces­so ao melho­ra­men­to gené­ti­co. Tan­to o gran­de quan­to o peque­no pro­du­tor têm a pos­si­bi­li­da­de de incluir a sua uti­li­za­ção na fazen­da, geran­do ganhos para toda a cadeia pro­du­ti­va do lei­te e da car­ne. Além dis­so, exis­te a com­po­nen­te da sus­ten­ta­bi­li­da­de, já que a gené­ti­ca per­mi­te obter um aumen­to expres­si­vo de pro­du­ção, em um perío­do de tem­po mais cur­to e sem neces­si­da­de de aumen­tar o espa­ço ocu­pa­do pelo reba­nho. Ou seja, é um pro­ces­so que tor­na a pecuá­ria mais efi­ci­en­te e, por isso, sus­ten­tá­vel e res­pon­sá­vel”, diz.

Em 2021, a Asbia tam­bém deu con­ti­nui­da­de ao seu tra­ba­lho cons­tan­te de for­ta­le­cer a rela­ção com o Gover­no Fede­ral. A expec­ta­ti­va é que em 2022 a asso­ci­a­ção con­ti­nue atu­an­do jun­to ao Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Mapa) para via­bi­li­zar estra­té­gi­as que impul­si­o­nem o melho­ra­men­to gené­ti­co e agro­pe­cuá­ria. Entre elas, agi­li­zar os pro­ces­sos de regis­tro de tou­ros e impor­ta­ção de genética.

Fon­te: Asbia