Brasil intensifica relações comerciais com a Rússia - Balde Branco

Em mis­são, rea­li­za­da na Rús­sia para ampli­ar o comér­cio bila­te­ral, o secre­tá­rio exe­cu­ti­vo do Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to, Eumar Novac­ki, obte­ve do gover­no daque­le país a pro­mes­sa de manu­ten­ção do flu­xo de comér­cio de grãos, car­nes e lác­te­os do Bra­sil. E ouviu de Evgeny Gro­mi­ko, vice-minis­tro rus­so da Agri­cul­tu­ra, sobre o inte­res­se deles em for­ne­cer tri­go e car­nes bovi­na e de aves.

Gro­mi­ko deve­rá visi­tar o Mapa, em abril ou maio, e jun­to com repre­sen­ta­ção do minis­té­rio con­du­zir a reu­nião do Comi­tê de Agri­cul­tu­ra Bra­sil – Rús­sia, que acon­te­ce­rá nes­sa data. O foco, de acor­do com Novac­ki será “a remo­ção de bar­rei­ras, para inten­si­fi­car o comér­cio e a atra­ção de investimentos”.

Novac­ki tem infor­ma­do nos encon­tros ofi­ci­ais com repre­sen­tan­tes de gover­no e tam­bém a impor­ta­do­res e inves­ti­do­res rus­sos, que o sis­te­ma pro­du­ti­vo bra­si­lei­ro é base­a­do na pre­ser­va­ção ambi­en­tal, na sus­ten­ta­bi­li­da­de, na qua­li­da­de e segu­ran­ça sani­tá­ria e fitos­sa­ni­tá­ria. O secre­tá­rio apre­sen­tou o pro­gra­ma Agro+, implan­ta­do des­de o ano pas­sa­do e que tem con­tri­buí­do para des­bu­ro­cra­ti­zar o agro­ne­gó­cio e aumen­tar a com­pe­ti­ti­vi­da­de dos pro­du­tos do setor.

O secre­tá­rio visi­tou no últi­mo dia 8 a Pro­dEx­po, prin­ci­pal fei­ra local do setor de car­nes e lác­te­os. Este­ve com expo­si­to­res bra­si­lei­ros, quan­do tam­bém rece­beu a visi­ta do vice-minis­tro Gro­mi­ko. “Rús­sia e Bra­sil são paí­ses que valo­ri­zam seus par­cei­ros comer­ci­ais e bus­cam a reci­pro­ci­da­de”, dis­se Novac­ki. Segun­do afir­mou, o gover­no bra­si­lei­ro deve­rá desen­vol­ver ações para abrir novas opor­tu­ni­da­des de comér­cio bilateral.

O comér­cio entre Bra­sil e Rús­sia está con­cen­tra­do em expor­ta­ções bra­si­lei­ras de grãos, car­ne e lác­te­os e, em impor­ta­ções, de fer­ti­li­zan­tes com a balan­ça comer­ci­al pró­xi­ma do equi­lí­brio, de acor­do com Ale­xan­dre Pon­tes. Para Novac­ki “a pau­ta pre­ci­sa ser diver­si­fi­ca­da e ampli­a­da a fim de inten­si­fi­car o comér­cio, pois expor­ta­ções e impor­ta­ções geram rique­zas, ren­da e empre­gos”. O secre­tá­rio acres­cen­tou que “o gover­no tem o papel de ser um faci­li­ta­dor e remo­ve­dor de bar­rei­ras”, mas dis­se que “quem faz comér­cio são as empre­sas produtoras”.

Rolar para cima