BNDES e Mapa firmam acordo para incentivar redução de emissões na pecuária - Balde Branco

Par­ce­ria apoi­a­rá estu­do que desen­vol­ve­rá fer­ra­men­ta de aná­li­se ambi­en­tal para auxi­li­ar na men­su­ra­ção de emis­sões de gases de efei­to estu­fa na pro­du­ção de car­ne e leite

BNDES e Ministério da Agricultura firmam acordo para incentivar redução de emissões na pecuária 

O Ban­co Naci­o­nal de Desen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e Soci­al (BNDES) e o Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Mapa) assi­na­ram, na últi­ma quar­ta-fei­ra, 23, acor­do de coo­pe­ra­ção téc­ni­ca que vai apoi­ar a rea­li­za­ção de estu­do para a cri­a­ção de meca­nis­mos de incen­ti­vo à redu­ção de emis­sões de car­bo­no na pro­du­ção de car­ne e lei­te no Bra­sil. Rea­li­za­da de for­ma vir­tu­al, a cerimô­nia de assi­na­tu­ra con­tou com a par­ti­ci­pa­ção do pre­si­den­te do Ban­co, Gus­ta­vo Mon­te­za­no, e da minis­tra Tere­za Cristina.

O estu­do terá dois obje­ti­vos prin­ci­pais: ela­bo­rar uma cal­cu­la­do­ra de aná­li­se de ciclo de vida (méto­do que ava­lia toda a cadeia de pro­du­ção, des­de os insu­mos uti­li­za­dos na pro­du­ção até o pro­du­to che­gar ao con­su­mi­dor final) que vai auxi­li­ar na men­su­ra­ção e cer­ti­fi­ca­ção das emis­sões de car­bo­no para os diver­sos mode­los de pro­du­ção da pecuá­ria bovi­na; e, a par­tir des­se sis­te­ma, pro­por meca­nis­mos que esti­mu­lem estra­té­gi­as e mode­los de negó­ci­os vol­ta­dos para inves­ti­men­tos em tec­no­lo­gi­as de bai­xo car­bo­no. A expec­ta­ti­va é de que até abril seja publi­ca­do edi­tal de sele­ção públi­ca para as empre­sas de con­sul­to­ria e ins­ti­tui­ções de pes­qui­sa inte­res­sa­das em desen­vol­ver o estudo.

“O que esta­mos fazen­do aqui hoje é mais um pas­so nes­sa cor­ri­da tec­no­ló­gi­ca do Bra­sil para a eco­no­mia ver­de”, dis­se o pre­si­den­te Gus­ta­vo Mon­te­za­no. “E pre­ci­sa­mos cons­truir essa infor­ma­ção da quan­ti­da­de de car­bo­no para os gran­des e peque­nos pro­du­to­res rurais, por­que esta­mos con­ven­ci­dos de que isso vai ser uma van­ta­gem com­pe­ti­ti­va para a pecuá­ria brasileira.”

Mon­te­za­no afir­mou, ain­da, que tan­to o BNDES quan­to os demais ban­cos, sejam públi­cos ou pri­va­dos, pode­rão usar os dados de emis­sões para ava­li­ar ris­co e retor­no soci­al em suas aná­li­ses de cré­di­to. “Então, é uma jor­na­da que che­gou para ficar, é ine­xo­rá­vel; vemos isso como uma gran­de opor­tu­ni­da­de e que todo pecu­a­ris­ta, todo indus­tri­al e todo pres­ta­dor de ser­vi­ço que está hoje no Bra­sil tem que enxer­gar”, completou.

“Hoje é um dia mui­to feliz para o Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e para o BNDES, por­que esta­mos assi­nan­do um acor­do de coo­pe­ra­ção téc­ni­ca com­ple­ta­men­te ino­va­dor den­tro das prá­ti­cas de sus­ten­ta­bi­li­da­de para a nos­sa pecuá­ria”, des­ta­cou a minis­tra Tere­za Cris­ti­na. “Essas métri­cas sem­pre cau­sam um pou­co de receio ao pro­du­tor rural, e, com o estu­do que será rea­li­za­do por meio do acor­do, vamos dar tran­qui­li­da­de ao pro­du­tor, para ele saber o cami­nho que deve tomar”, acrescentou.

Já exis­tem téc­ni­cas de pro­du­ção pecuá­ria que per­mi­tem neu­tra­li­zar e até “seques­trar” car­bo­no (quan­do uma ati­vi­da­de reti­ra mais car­bo­no da atmos­fe­ra do que emi­te), como é o caso da inten­si­fi­ca­ção de pas­ta­gens com­bi­na­da com a inte­gra­ção lavou­ra-pecuá­ria-flo­res­ta (ILPF). Ain­da que, glo­bal­men­te, a pro­du­ção agro­pe­cuá­ria não seja a mai­or fon­te de emis­sões de gases de efei­to estu­fa, a agro­pe­cuá­ria bra­si­lei­ra já há anos tem bus­ca­do miti­gar esses gases e tam­bém garan­tir a segu­ran­ça ali­men­tar. Nes­se con­tex­to, atre­la­do à vul­ne­ra­bi­li­da­de do setor à mudan­ça do cli­ma, espe­ra-se que o estu­do pro­po­nha um sis­te­ma de incen­ti­vos que ace­le­rem a ado­ção de tec­no­lo­gi­as pelos pro­du­to­res rurais.

O estu­do tam­bém auxi­li­a­rá o Bra­sil no cum­pri­men­to do cha­ma­do Acor­do do Meta­no, assi­na­do na COP 26 e que esta­be­le­ceu o com­pro­mis­so glo­bal de cor­tar em 30% as emis­sões do gás até 2030. Com essa par­ce­ria entre o BNDES e o Mapa, pre­ten­de-se esti­mu­lar o cres­ci­men­to de for­ma sus­ten­tá­vel da pro­du­ção de car­ne e lei­te bovi­nos e seu pro­ces­sa­men­to indus­tri­al, aju­dan­do o País a cum­prir suas metas de descarbonização.

Fon­te: BNDES