ASBIA contrata gestor executivo para ampliar projetos de fomento da inseminação artificial no Brasil - Balde Branco

Com 30 anos de expe­ri­ên­cia no mer­ca­do de gené­ti­ca, o zoo­tec­nis­ta Car­los Vivac­qua assu­me o car­go com o desa­fio de ampli­ar a atu­a­ção da enti­da­de no País


Com a expec­ta­ti­va de aque­ci­men­to do mer­ca­do de gené­ti­ca bovi­na em 2019, a Asso­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al (ASBIA) vai inten­si­fi­car as ações de fomen­to do seg­men­to jun­to a órgãos gover­na­men­tais e outras enti­da­des. Para isso, a asso­ci­a­ção pas­sa­rá a con­tar, a par­tir de 1º de feve­rei­ro, com um ges­tor exe­cu­ti­vo, que fica­rá res­pon­sá­vel pela admi­nis­tra­ção de suas ati­vi­da­des em con­jun­to com a Dire­to­ria. Quem assu­me o car­go é o zoo­tec­nis­ta Car­los Vivac­qua Car­nei­ro da Luz, que já pre­si­diu a ASBIA entre os anos de 2014 e 2016 e que, atu­al­men­te, pre­si­de o Con­se­lho de Admi­nis­tra­ção da entidade.

De acor­do com o pre­si­den­te da ASBIA, Ser­gio Saud, a deci­são por um ges­tor exe­cu­ti­vo vai ao encon­tro do pla­no de for­ta­le­ci­men­to da enti­da­de no País. “Des­de a sua fun­da­ção, a ASBIA sem­pre foi geren­ci­a­da por uma Dire­to­ria Exe­cu­ti­va, com­pos­ta por pro­fis­si­o­nais do setor que tra­ba­lham volun­ta­ri­a­men­te na enti­da­de, para­le­la­men­te à suas res­pon­sa­bi­li­da­des nas res­pec­ti­vas empre­sas de atu­a­ção. Ago­ra, com um pro­fis­si­o­nal espe­cí­fi­co para geren­ci­ar a enti­da­de, pode­re­mos dar sequên­cia a uma série de pro­je­tos, par­ti­ci­par de for­ma mais ati­va de even­tos e ter um posi­ci­o­na­men­to polí­ti­co do seg­men­to mais inten­so”, diz Saud.

Oti­mis­ta com a pos­si­bi­li­da­de de for­ta­le­ci­men­to do mer­ca­do de gené­ti­ca tan­to no Bra­sil quan­to no exte­ri­or, Car­los Vivac­qua des­ta­ca que a pri­mei­ra ação será a ela­bo­ra­ção do pla­no estra­té­gi­co de negó­ci­os da ASBIA para 2019. A medi­da será toma­da duran­te a pri­mei­ra reu­nião de tra­ba­lho da Dire­to­ria, no dia 23 de janei­ro, na sede da asso­ci­a­ção, em Uberaba/MG, com a pre­sen­ça do pre­si­den­te Ser­gio Saud. “O pla­no con­tem­pla­rá uma série de ações de fomen­to, den­tre elas, a cer­ti­fi­ca­ção e padro­ni­za­ção do nível téc­ni­co dos cur­sos de Inse­mi­na­ção Arti­fi­ci­al (IA) minis­tra­dos no Bra­sil e o aper­fei­ço­a­men­to do Index ASBIA, rela­tó­rio que traz a comer­ci­a­li­za­ção de sêmen no País e é uma fer­ra­men­ta de tra­ba­lho impor­tan­te uti­li­za­da por diver­sos seg­men­tos do agro­ne­gó­cio”, expli­ca Vivac­qua. O Index ASBIA é ela­bo­ra­do tri­mes­tral­men­te em par­ce­ria com o CEPEA (Cen­tro de Pes­qui­sas Econô­mi­cas da Esco­la Supe­ri­or de Agri­cul­tu­ra Luiz de Quei­roz – ESALQ/USP). Segun­do o ges­tor exe­cu­ti­vo, a ASBIA pre­ten­de ampli­ar a par­ce­ria com o CEPEA para o desen­vol­vi­men­to de pes­qui­sas sobre o uso da inse­mi­na­ção nas propriedades.

A ASBIA ain­da pre­ten­de refor­çar sua atu­a­ção jun­to ao Minis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pecuá­ria e Abas­te­ci­men­to (MAPA) para ampli­ar os acor­dos bila­te­rais com paí­ses inte­res­sa­dos na gené­ti­ca bovi­na bra­si­lei­ra, as linhas de cré­di­to vol­ta­das para aqui­si­ção de gené­ti­ca supe­ri­or e a ins­ta­la­ção de pro­je­tos de IA, den­tre outras deman­das. “As regiões com mai­or uso da inse­mi­na­ção são aque­las que ten­dem a inves­tir mais em outras tec­no­lo­gi­as vol­ta­das para a pro­du­ção pecuá­ria efi­ci­en­te e têm melho­res índi­ces de pro­du­ti­vi­da­de do reba­nho”, escla­re­ce Vivac­qua. Com 30 anos de atu­a­ção no mer­ca­do de gené­ti­ca, ele tam­bém tem em seu cur­rí­cu­lo MBA em Mar­ke­ting, Pós-Gra­du­a­ção em Ges­tão Estra­té­gi­ca de Negó­ci­os pela Fun­da­ção Getú­lio Var­gas e Pós-Gra­du­a­ção em Admi­nis­tra­ção de Mar­ke­ting pela USP. Inte­grou o cor­po docen­te da Facul­da­de de Admi­nis­tra­ção de Empre­sas de 2001 a 2009, minis­tran­do aulas de Mar­ke­ting e Pla­ne­ja­men­to Estra­té­gi­co e, para os cur­sos em nível de Pós-Gra­du­a­ção (MBA), entre 2004 e 2008. Na área de con­sul­to­ria, fez tra­ba­lhos de mar­ke­ting e pla­ne­ja­men­to estra­té­gi­co, ten­do con­du­zi­do pro­je­tos para a World Wide Sires, a Cai­xa Econô­mi­ca Fede­ral e a Fatec — Facul­da­de de Tec­no­lo­gia, entre outros.

Expec­ta­ti­va para 2019 – A mudan­ça na estru­tu­ra de ges­tão da ASBIA che­ga em um momen­to con­si­de­ra­do posi­ti­vo para a pecuá­ria. “As recen­tes mudan­ças na polí­ti­ca e no rumo da eco­no­mia cer­ta­men­te con­tri­bui­rão para gerar uma expec­ta­ti­va posi­ti­va e mai­or dis­po­si­ção dos pecu­a­ris­tas de cor­te e pro­du­to­res de lei­te em reto­mar os inves­ti­men­tos em inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al. Além dis­so, a ofer­ta de milho e de soja suge­re uma mai­or esta­bi­li­da­de nos pre­ços de nutri­en­tes, o que tam­bém con­tri­bui­rá para um mai­or equi­lí­brio das con­tas da fazen­da”, des­ta­ca o pre­si­den­te da ASBIA.
Vivac­qua tam­bém acre­di­ta na reto­ma­da do cres­ci­men­to em 2019. “Fecha­mos 2018 com aumen­to das expor­ta­ções de car­ne e reto­ma­da do empre­go no País, o que leva­rá a uma melho­ra na ren­da do con­su­mi­dor e, con­se­quen­te­men­te, ao aumen­to do con­su­mo de lác­te­os e de car­ne. Todos esses fato­res for­ta­le­cem o agro­ne­gó­cio e, tam­bém, o seg­men­to de gené­ti­ca”, diz o ges­tor exe­cu­ti­vo da ASBIA. Segun­do ele, a inse­mi­na­ção arti­fi­ci­al traz gran­de valor agre­ga­do para a pecuá­ria, sen­do o úni­co insu­mo do agro­ne­gó­cio que dei­xa valor resi­du­al entre gera­ções, atra­vés do melho­ra­men­to gené­ti­co ani­mal. Por outro lado, tem um bai­xís­si­mo cus­to de pro­du­ção, de ape­nas 2%. A expec­ta­ti­va da ASBIA é que, com a inten­si­fi­ca­ção do fomen­to da téc­ni­ca de IA, o núme­ro de fême­as em ida­de repro­du­ti­va inse­mi­na­das no País atin­ja taxas mai­o­res. Atu­al­men­te, esse índi­ce é de 15%.

Rolar para cima