Com­mo­dity Fee­der, da Lely, é aco­pla­do ao robô de orde­nha e gera mais efi­ci­ên­cia ao oti­mi­zar os ali­men­tos pro­du­zi­dos na propriedade

Alimentador para ordenha robotizada, da Lely, garante menor custo de produção 

O cus­to com ali­men­ta­ção cor­res­pon­de a cer­ca de 40 a 60% do total da pro­du­ção de lei­te, sen­do um gran­de desa­fio para o pro­du­tor man­ter a efi­ci­ên­cia pro­du­ti­va e econô­mi­ca da pro­pri­e­da­de, prin­ci­pal­men­te em tem­pos de alta nos insu­mos. Em vir­tu­de dis­so, o pro­du­tor pre­ci­sa bus­car mei­os para pro­du­zir mais lei­te com os mes­mos recur­sos, ao mes­mo tem­po em que alme­ja con­tro­lar os cus­tos da nutrição.

Para aten­der a essa neces­si­da­de da bovi­no­cul­tu­ra de lei­te, a Lely, empre­sa refe­rên­cia no mun­do em solu­ções em auto­ma­ção para a ati­vi­da­de lei­tei­ra, desen­vol­veu o Lely Com­mo­dity Fee­der, um dis­pen­ser de ali­men­ta­ção que per­mi­te o for­ne­ci­men­to tan­to de ali­men­tos pele­ti­za­dos como não pele­ti­za­dos no robô.

O Com­mo­dity Fee­der está dis­po­ní­vel em todos os novos mode­los do Astro­naut A5, da Lely, e nos mode­los Astro­naut A4. O equi­pa­men­to foi tes­ta­do em fazen­das dos Esta­dos Uni­dos e da Dina­mar­ca, com resul­ta­dos mui­to posi­ti­vos. No Bra­sil, a tec­no­lo­gia foi inse­ri­da no ano passado.

“Nos robôs Lely, as vacas são atraí­das com essa ofer­ta de ali­men­to e rece­bem o com­ple­men­to da die­ta diá­ria den­tro do robô. O Com­mo­dity Fee­der per­mi­te subs­ti­tuir as tra­di­ci­o­nais rações pele­ti­za­das de cus­tos mais ele­va­dos, por ali­men­tos não pele­ti­za­dos de menor cus­to, como deri­va­dos de aveia, tri­go, milho, sub­pro­du­tos diver­sos e até mes­mo rações for­mu­la­das na pró­pria fazen­da”, expli­ca o geren­te Comer­ci­al da Lely no Bra­sil, João Vicen­te Pedrei­ra (foto).

Des­sa for­ma, os pro­du­to­res ficam menos depen­den­tes do ali­men­to pro­ces­sa­do em pel­lets, de fre­te e da flu­tu­a­ção de pre­ços. “A ope­ra­ção do sis­te­ma pode ser ajus­ta­da de acor­do com a por­cen­ta­gem de maté­ria seca, do tama­nho das par­tí­cu­las e da vis­co­si­da­de do ali­men­to”, fina­li­za Pedreira.

Fon­te: Asses­so­ria de comu­ni­ca­ção da Lely

Rolar para cima