Alimentação das bezerras leiteiras impacta diretamente na produtividade da fazenda, alerta Minerthal - Balde Branco

Ani­mais pas­sam por três fases ali­men­ta­res dis­tin­tas, que exi­gem aten­ção do pecu­a­ris­ta para garan­tir lucratividade

Alimentação das bezerras leiteiras impacta diretamente na produtividade da fazenda, alerta Minerthal

O pecu­a­ris­ta lei­tei­ro pre­ci­sa estar aten­to a todas as fases de desen­vol­vi­men­to do ani­mal, para garan­tir a pro­du­ti­vi­da­de da pro­pri­e­da­de e, con­se­quen­te­men­te, o lucro. Um dos pon­tos de cui­da­do na cri­a­ção das bezer­ras é a ali­men­ta­ção, que visa cer­ti­fi­car um bom desen­vol­vi­men­to e evi­tar pos­sí­veis pre­juí­zos no futuro.

No ciclo de vida, as bezer­ras pas­sam por três fases ali­men­ta­res dis­tin­tas até se tor­na­rem com­ple­ta­men­te rumi­nan­tes, sen­do que cada uma delas requer um mane­jo nutri­ci­o­nal ao momen­to vivi­do pelo animal.

“Ao nas­cer, o sis­te­ma diges­ti­vo dos rumi­nan­tes se asse­me­lha fisi­o­lo­gi­ca­men­te aos dos ani­mais mono­gás­tri­cos. Até a ter­cei­ra sema­na de vida, a bezer­ra é con­si­de­ra­da um pré-rumi­nan­te pelo desen­vol­vi­men­to fun­ci­o­nal ape­nas do abo­ma­so”, expli­ca Letí­cia dos San­tos, ana­lis­ta de Pro­du­tos na Minerthal.

O pri­mei­ro ali­men­to que deve ser inge­ri­do pelas bezer­ras após o nas­ci­men­to é o colos­tro obti­do na pri­mei­ra orde­nha da vaca depois do par­to. Este pri­mei­ro con­ta­to da bezer­ra com a die­ta líqui­da tem como obje­ti­vo a imu­ni­za­ção do ani­mal. Isso por­que o teor de imu­no­glo­bu­li­nas pre­sen­te no colos­tro atua na defe­sa do orga­nis­mo con­tra agen­tes patogênicos.

Além da fun­ção pri­má­ria que é a pro­te­ção, o colos­tro for­ne­ce ain­da ener­gia e reser­vas impor­tan­tes de vita­mi­nas e mine­rais aos recém-nascidos.

Para que o pro­ces­so de colos­tra­gem seja bem rea­li­za­do e resul­te em boa imu­ni­za­ção e redu­ção da mor­ta­li­da­de de bezer­ros nes­ta fase, três pon­tos devem ser con­si­de­ra­dos: tem­po de for­ne­ci­men­to, volu­me de for­ne­ci­men­to e qua­li­da­de de colostro.

“Duran­te este perío­do de pré-rumi­nan­te, a die­ta líqui­da pode ter como base o lei­te inte­gral, o colos­tro exce­den­te, o lei­te de des­car­te e o suce­dâ­neo, sen­do que do segun­do dia após o nas­ci­men­to em dian­te é ide­al for­ne­cer o volu­me cor­res­pon­den­te a no míni­mo de 10% do peso vivo da bezer­ra de lei­te ou algum des­tes outros com­pos­tos, depen­den­do se é sis­te­ma con­ven­ci­o­nal de alei­ta­men­to ou sis­te­ma inten­si­vo”, des­ta­ca a ana­lis­ta de Produtos.

Fase de transição

Após a fase de pré-rumi­nan­te ocor­re o está­gio de tran­si­ção, sen­do carac­te­ri­za­do quan­do a bezer­ra tem de três a oito sema­nas de ida­de. Nes­te momen­to há intro­du­ção aos ali­men­tos sóli­dos na die­ta que auxi­li­am na for­ma­ção da micro­bi­o­ta rumi­nal, desen­vol­vi­men­to da mus­cu­la­tu­ra e pro­du­ção dos Áci­dos Gra­xos de Cadeia Cur­ta (AGCC), que indu­zem o desen­vol­vi­men­to físi­co e fun­ci­o­nal do rúmen.

“É acon­se­lhá­vel nos pri­mei­ros dias de vida, após o for­ne­ci­men­to de lei­te, colo­car ração na boca do ani­mal para influ­en­ci­ar o con­su­mo. O con­cen­tra­do é impor­tan­te, uma vez que ace­le­ra o desen­vol­vi­men­to do rúmen fazen­do com que as bezer­ras se tor­nem aptas a dige­rir o volu­mo­so mais rapi­da­men­te”, pon­tua Letícia.

O foco prin­ci­pal no for­ne­ci­men­to de die­ta sóli­da é con­se­guir fazer com que os bezer­ros con­su­mam a ali­men­ta­ção, com aten­ção para o volu­me de for­ne­ci­men­to de die­ta líqui­da (lei­te); tama­nho da par­tí­cu­la dos ali­men­tos; for­ne­ci­men­to de volu­mo­so à von­ta­de; cochos ade­qua­dos (altu­ra, tama­nho, lim­pe­za, etc); aces­so a água fres­ca, mor­na e lim­pa e a ausên­cia de com­pe­ti­ção entre os animais.

Segun­do a ana­lis­ta de pro­du­to, alguns itens devem ser leva­dos em con­si­de­ra­ção no momen­to da esco­lha do con­cen­tra­do que será for­ne­ci­do. “É impor­tan­te que o pro­du­to seja alta­men­te pala­tá­vel e pos­sua teo­res de Pro­teí­na Bru­ta por vol­ta de 20% e valo­res de cer­ca de 80% de ener­gia e con­ter valo­res de vita­mi­nas e mine­rais reco­men­da­dos pelo NRC, além de con­ter adi­ti­vo que auxi­lie na pre­ven­ção de diar­reia e melho­ra da fer­men­ta­ção rumi­nal e não con­te­nha ureia”.

“A fon­te de volu­mo­so ide­al a ser for­ne­ci­da às bezer­ras é o feno, de boa qua­li­da­de, ou o capim ver­de. Não se reco­men­da for­ne­cer sila­gem ou cana mais ureia para ani­mais de até 100 dias de vida”, refor­ça ela.

Fase rumi­nan­te

A fase após o perío­do de tran­si­ção é carac­te­ri­za­da quan­do ocor­re o desa­lei­ta­men­to, momen­to em que a bezer­ra já esti­ver inge­rin­do quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va de die­ta sóli­da e rumi­nan­do regu­lar­men­te, apre­sen­tan­do padrões nor­mais de ruminação.

“O con­su­mo de con­cen­tra­do deve­rá ser gra­da­ti­vo, sen­do que após o cor­te de for­ne­ci­men­to de die­ta líqui­da, con­se­quen­te­men­te redu­ção do hábi­to de mamar, a bezer­ra ten­de a aumen­tar o con­su­mo de con­cen­tra­do de 500 gramas/bezerra/dia para 2 kg/bezerra/dia”, expli­ca Letícia.

Exis­tem alguns cri­té­ri­os que podem ser ado­ta­dos para pro­ce­der com o desa­lei­ta­men­to, como:

  • Con­su­mo de 600 a 800 g de con­cen­tra­do por três dias consecutivos;
  • Data fixa­da – Ex: 60 dias de idade;
  • Peso fixa­do – Ex: 80 kg, 90 kg;
  • Dobrar o peso ao nascimento

“Após o des­ma­me, as bezer­ras entram na fase de recria, pas­sam a ser tra­ta­das como novi­lhas e com a nutri­ção ade­qua­da para entra­rem nes­tas fases pos­si­vel­men­te esta­rão sau­dá­veis e aptas a repro­du­ção o quan­to antes”, fina­li­za a analista.

Fon­te: Asses­so­ria de Comu­ni­ca­ção da Minerthal

Rolar para cima