Leite no copo, no Brasil e no mundo

  • 16 de maio de 2017

Cresce o consumo de leite no mundo inteiro. De 2010 a 2015, aumentou 12%. No Brasil, o consumo per capita é de 156 litros. Para alcançar os recomendáveis 200 litros, o País precisaria produzir 45 bilhões de litros/ano

A população mundial foi estimada em 7,3 bilhões de pessoas e a produção de leite, proveniente de vacas, búfalas, ovelhas e cabras, em 800 bilhões de litros em 2015, o que resultou em uma disponibilidade per capita de 109 litros/ano. Esse volume de leite é consumido na forma fluida e também transformado em vários derivados lácteos, além de ser usado no preparo de outros produtos que levam leite em sua composição.

No Brasil, a estimativa é de que um terço da produção nacional seja consumida na forma fluída, portanto 11,6 bilhões de litros, ou seja, 57 litros/per capita/ano ou 4,8 litros/mês.

O consumo de leite tem crescido no mundo todo e, no período de 2010 a 2015, aumentou 12%, um avanço liderado principalmente por países do sul da Ásia, onde o volume dis­ponível para a população aumentou 22%. A Índia e o Paquistão foram os países que mais se destacaram no consumo de lácteos nos últimos cinco anos. Embora o consumo na China tenha variado um pouco, aumentou 7,6% durante o mesmo período, passando para 31,4 litros/ano.

Devido às mudanças nos padrões alimentares, a demanda por lácteos, nos países próximos do Oriente Médio, mostraram crescimento do consumo de 15%, liderado pela Jordânia, Irã e Arábia Saudita nos últimos cinco anos. Na União Europeia e na Oceania também ocorreu crescimento do consumo, enquanto na América Latina a disponibilidade por pessoa permaneceu estável, com consumo médio de 85 litros/ano. No Brasil, o volume disponível é de 170 litros/habitante/ano.

O leite não é um alimento facilmente substituído por outro produto, porque é difícil consumir todos os nutrientes necessá­rios em uma dieta saudável sem incluir lácteos, principalmente o cálcio, o potássio e a vitamina D, que estão relacionados à saúde pública.

Lactose, proteínas e ossos fortes
A composição nutricional do leite integral de uma vaca leiteira pode ser observada na tabela 1. Em cada copo de leite (porção de 200 ml) se tem 6,8 g de proteínas, de 8 a 10 g de carboidratos, 8 g de gordura, 243 miligramas de cálcio e 192 miligramas de fósforo. Em um artigo divulgado na revista Silemg Notícias, um adulto sedentário deve ingerir de 0,8 a 1,0 g de proteína por quilo de peso e para quem pratica atividade pode chegar a 2 g por quilo corporal.

tabela1
A caseína, que é uma proteína rica em aminoácidos essen­ciais, ajuda no ganho de massa magra, ou seja, músculos. O cálcio, principal mineral encontrado no leite, auxilia na compo­sição e no fortalecimento da massa óssea, mas também estão presentes o fósforo, magnésio, zinco e selênio. O leite é uma boa fonte de vitamina B2, que é importante para o sistema respiratório, além da vitamina A. As proteínas presentes no soro de leite auxiliam na absorção de minerais e na proteção imunológica por oferecer aminoácidos essenciais que o corpo não sintetiza.

Existem vários estudos comprovando os benefícios da ingestão do leite, como a lactose e proteínas, para manter os ossos fortes. O leite ajuda a reduzir os efeitos das bactérias causadoras de cárie e doenças da gengiva, mantendo os dentes saudáveis. A vitamina B12 e o triptofano melhoram a qualidade do sono e pesquisas recentes mostraram que o cálcio pode reduzir os sintomas físicos e emocionais da TPM, segundo informações divulgadas no site ‘bebamaisleite’.

Embora o leite integral, queijos e manteigas sejam fontes significativas de ácidos graxos saturados na dieta humana, uma série de estudos recentes tem mostrado que o consumo desses produtos não está associado a um risco maior de doenças cardiovasculares, e parecem ainda reduzir o risco de obesidade e diabetes do tipo II.

Na tabela 2 são apresentados os valores nutricionais do leite fluído integral, semidesnatado e desnatado e de alguns derivados do leite, considerando que foram elaborados com leite integral. O queijo duro e o cheddar são os que aportam maior quantidade de cálcio, gordura e proteína, por porção de 100 g, porque são os que mais utilizam leite na elaboração. A quantidade de cálcio presente no leite fluido é semelhante, independentemente de se ele é integral, semi ou desnatado.

tabela2

Como mencionado, o consumo de leite fluido do brasileiro é de 57 litros/ano, com uma população estimada em 204 milhões de pessoas, resultando em um consumo diário de aproximadamente 156 ml. Para que cada brasileiro tenha disponível, em média, um copo de 200 ml por dia, seria necessário um volume de 15 bilhões de litros para atender somente à demanda de leite fluido e, mantendo a relação de um terço, a produção nacional deveria ser de 45 bilhões de litros por ano.

Sobre a autora

Rosangela ZoccalRosângela Zoccal é pesquisadora da Embrapa Gado de Leite, de Juiz de Fora-MG; e-mail rosangela@embrapa.br

Últimos posts

Links