Colostro contra o frio

  • 6 de março de 2019
Colostro contra o frio

Para proteger os bezerros que vão nascer no inverno, o aumento da oferta de colostro surge como mais uma ferramenta para lhes propiciar bem-estar térmico

Todo produtor já sabe (ou deveria saber!) que a colostragem é uma medida muito importante para assegurar a imunidade de bezerros recém-nascidos, mas o que novas pesquisas apontam é que esta composição pode ser também uma ferramenta poderosa para ajudar os neonatos a produzirem calor para combater o frio nas primeiras horas de vida. A estratégia é importante especialmente nas regiões mais frias do País – Sul e Sudeste – e onde se concentram importantes bacias leiteiras.

Apesar de ser considerado um território de clima predominantemente subtropical, algumas regiões do Brasil apresentam, durante o inverno, temperaturas abaixo da zona de conforto térmico dos bezerros, que seria de 15 a 25°C, exigindo a adoção de algumas estratégias que possam amenizar o estresse pelo frio e, com isso, diminuir as taxas de morbidade e mortalidade dos neonatos devido à perda excessiva de calor.

Logo após o parto, o bezerro ainda não é capaz de regular a sua própria temperatura corporal. O líquido amniótico que cobre o corpo do animal esfria e evapora rapidamente em contato com o ambiente externo e os neonatos não conseguem produzir calor suficiente para aquecer toda a superfície corpórea em relação à massa corporal porque contam com limitadas reservas calóricas. “Por isso, são mais susceptíveis à hipotermia (diminuição excessiva da temperatura normal do corpo), especialmente se o desafio ocorre em caso de nascimentos durante a madrugada, quando as temperaturas são mais baixas”, aponta a engenheira agrônoma Carla Maris Bittar, professora do Departamento de Zootecnia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), em Piracicaba-SP.

“Os bezerros leiteiros precisam de nutrientes para mantença e crescimento, contudo, em baixas temperaturas, o corpo altera os processos fisiológicos para controlar a temperatura corporal, aumentando assim as exigências nutricionais”, diz a médica veterinária Fernanda Lavínia Moura Silva, que avaliou a termorregulação de bezerros neonatos – que é a manutenção, pelo próprio organismo, da temperatura interna ideal, em baixas temperaturas (10°C) –, e o desempenho ao aleitamento em temperatura ambiente (média de 26,8°C) de bezerros alimentados com diferentes quantidades de colostro.

—————————–
Leia a íntegra desta matéria na edição Balde Branco 642, de maio 2018